Racismo, cultura e identidade nacional

Autores

  • Lucas Santos Café Instituto Federal de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v7i4.2101

Resumo

O objetivo deste texto/palestra é refletir sobre a construção da identidade nacional brasileira como projeto racista e genocida que, portanto, necessita ser descontruído para ser superado. Para a apresentação que se segue é urgente o entendimento sobre necessidade da descolonização da vida e a desnaturalização das relações sociais que a compõe. Entre outras coisas, descolonizar a vida significa desnaturalizar elementos e fenômenos históricos tidos socialmente como naturais. O racismo e a identidade nacional são exemplos de produtos da cultura que, no Brasil, alcançaram um demasiado nível de sacralização que faz com que a maioria dos brasileiros acredite que são inatos da sociedade e essências da “brasilidade”. Para descolonizar a vida, é premente um fazer pedagógico radical, ou seja, decolonial, que possa contribuir para um entendimento do mundo para além da visão hegemônica, para além da naturalização das relações sociais.

Biografia do Autor

Lucas Santos Café, Instituto Federal de Mato Grosso

Professor EBTT de História do Instituto Federal de Mato Grosso – Campus Primavera do Leste (IFMT). Mestre em História Social pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Cursa Doutorado em História pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT); E-mail: lucas.cafe@pdl.ifmt.edu.br

Referências

DAVIS, Ângela. A liberdade é uma luta constante. São Paulo: Boitempo, 2018.

GOMES, Nilma Lino. “A contribuição dos negros para o pensamento educacional brasileiro”. In. GONÇALVES E SILVA, Petronilha Beatriz; BARBOSA, Lucia Maria de Assunção (Coord). O pensamento negro em educação no Brasil. São Carlos: EDUFSCar – Editora Universitária, 1997, p. 17 – 30.

GOMES, Nilma Lino. MUNANGA, Kabengele. O negro no Brasil de hoje. São Paulo: Global, 2016.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Racismo e antirracismo no Brasil. São Paulo: Editora 34, 1999.

HOOKS, Bell. Ensinando a transgredir. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2013.

MIGNOLO, Walter. Colonialidade: o lado mais escuro da modernidade. São Paulo: RBCS, vol. 32, n° 94, jun./2017.

MATTOS, Ilmar. O tempo saquarema. São Paulo: Hucitec, 1987.

NASCIMENTO, Abdias do. O genocídio do negro brasileiro: processo de racismo mascarado. Rio de Janeiro: Paz e Terra S/A, 1978.

_______. O negro revoltado. Rio de Janeiro: GDR, 1968.

QUIJANO, Aníbal. “‘Raza’, ‘Etnia’ y ‘Nación’ em Mariátegui”. In. QUIJANO, Aníbal (Coord). Cuestiones y horizontes: de la dependencia histórico-estructural a la colonialidad/descolonialidad del poder. Buenos Aires: Clacso, 2014.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad y Modernidad/Racionalidad. Lima: Perú Indígena, v.13, p. 11-20, 1992.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. Buenos Aires: CLACSO, 2005. Disponível em: <http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/clacso/sur-sur/20100624103322/12_Quijano.pdf>. Acesso em: 15 nov. 2019.

SALLES, Ricardo. Nostalgia Imperial. Rio de Janeiro: Ponteio, 2013.

SANTOS, Boaventura de Sousa. “Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia dos saberes”. In. SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula. (Coord.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Edições Almedina SA, 2009.

SCHWARCZ, Lília Moritz. O espetáculo das raças. São Paulo: Companhias das Letras, 2011.

SKIDMORE, Thomas. Preto no Branco: raça e nacionalidade no pensamento brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

Downloads

Publicado

30/04/2021

Como Citar

Café, L. S. . (2021). Racismo, cultura e identidade nacional. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 7(4). https://doi.org/10.23899/relacult.v7i4.2101

Edição

Seção

II - Congresso Internacional Online de Estudos sobre Culturas