A memória cultural mukongo em face de colonialidade: decolonialidade com a desobediência epistêmica

Autores

  • Gabriel Ambrósio Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v7i4.2028

Palavras-chave:

Memória cultural mukongo, colonialidade, desobediência epistêmica, decolonialidade.

Resumo

O presente trabalho visa abordar a minha memória cultural mukongo em face de colonialidade imposta pela assimilação cultural presente na sociedade do Zaire onde nasci. Tendo nascido fora da cultura latino-americana, dialogarei partindo do biolocal marcado por dois lócus enunciativos (Bessa-Oliveira, 2018, Nolasco (2013,2018). Quero abordar alguns conceitos como nganga, muntu dentro da língua afrikana kikongo, como também a invisibilidade dos rituais religiosos ancestrais contemporaneamente. Objetivo é de narrar e reviver reapropriando-me como nativo, repensar e naturalizar a cultura, escrevendo na perspectiva teórica do eu sujeito muntu, e dos imaginários de lócus e da memória ancestral no corpo e arte Achinté (2009). Será que tenho o imaginário ligado à cultura ritual ancestral? Penso que essa invisibilidade é o resultado da colonialidade, essa colonialidade nos faz esquecer ancestralidade na cultura mukongo. Assim penso na imigração na América latina Brasil, em 2011, conheci um terreiro numa periferia. Lá e agora nascendo à pesquisa refletindo o meu projeto, baseado em Frantz Fanon (2008) em Pele Negra, Máscaras Brancas que inspirou-me a refletir sobre a cultura do colonizador de um lado, e de outro lado, a minha cultura local. Sinto-me exilado da minha espiritualidade e parto da força inspiradora em Ramón Grosfoguel (2009), Nolasco (2019), Hugo Achugar (2006),e Achinté (2009). Pensar e transgredir a epistemologia dentro da minha cultura local e naturalizar os conceitos como o eu sujeito pesquisador. Nos procedimentos metodológicos inspirando-me em estudos descoloniais fronteiriços dos latino-americanos Nolasco (2013, 2019), para estabelecer a re-existência da cultura ancestral dentro do meu biolocal-espiritual na memória simbólica e pela desobediência epistêmica da subalternidade imposta e recusar a colonialidade de modo transdisciplinar para emigrar na perspectiva decolonial. Usar a reflexão metodológica a minha própria experiência nas leituras teóricas da pós-graduação, permite-me fazer essa viagem entre o lócus daqui, para refletir lá, sobretudo, o meu imaginário dos espaços simbólicos silenciados Mignolo (2008, 2003) na decolonialidade e desobediência epistêmica caminho para então pensar e repensar o lugar da cultura  Kanda - comunidade no sentido local. 

Referências

ACHUGAR, Hugo. Planetas sem boca: escritos efêmeros sobre arte, cultura e literatura. Tradução Lyslei Nascimento. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006. (obra completa)

ACHINTÉ, Albán Adolfo. Artistas indígenas y afrocolombianos: entre las memorías y las cosmovisiones. In Arte y Estética en la encrucijada descolonial/ compilado por Zulma Palermo – 1ª Ed. Buenas Aires: Del Signo, 2009. (p.83-112). (capitulo do livro)

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade, poder globalização e democracia. In Novos Rumos. Ano 17,Nº 37, 2002. Disponível em< https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/novosrumos/article/view/2192 acesso em Outubro de 2020.

BESSA- Oliveira, Marcos Antônio. Paisagens Biográficas pós-coloniais: Retratos da Cultura local sul Mato-Grossense. Campo Grande, MS. Life Editora, 2018.(obra completa)

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Tradução de Renato da Silveira, Salvador. EDUFBA, 2008. (obra completa)

GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os Estudos de economia política e Estudos pós-coloniais: Transmodernidade, pensamento de Fronteira e colonialidade global. In Epistemologias do Sul. Orgs. Boaventura Sousa Santos e Maria Paula Meneses-(CES) editora Almedina, Coimbra, 2009. (capitulo de livro)

MIGNOLO. Walter. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Tradução Ângela Lopes Norte. Caderno de letras da UFF- dossiê: literatura, língua e identidade. 34. p. 287-322. 2008. (Artigo em periódico)

MIGNOLO. Walter. Desafios decoloniais hoje. In Epistemologia do Sul, Foz do Iguaçu/ PR, 1(1), PP.12-32, 2017. (artigo em periódico físico)

MIGNOLO. Walter. Histórias Locais/ Projetos Globais: Colonialidade, saberes Subalternos e Pensamento Liminar. Tradução de Solange Ribeiro de Oliveira. Belo Horizonte, Ed. UFMG, 2003. (obra completa)

MIGNOLO. Walter. Colonialidade: O lado mais escuro da Modernidade. Tradução de Marco Oliveira. In revista brasileira de ciências sociais. Vol. 32 Nº 94, 2017. (artigo em periódico digital) disponível em https://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v32n94/0102-6909-rbcsoc-3294022017.pdf acesso em Junho 2020.

NOLASCO, Cézar Edgar. Descolonizando a pesquisando acadêmica: uma teorização sem disciplinas. In cadernos de estudos culturais, Campo Grande, Ms. v 1, p.9-21. jan./jun. 2018.( artigo em cadernos de estudos culturais).

NOLASCO, Cézar Edgar. Por uma Gramática pedagógica da Fronteira-Sul: Exterioridades. In caderno de estudos culturais, Campo Grande, Ms. v 1, p.9-29, jan./jun. 2019. ( artigo em cadernos de estudos culturais).

NOLASCO, Cézar Edgar. Perto de coração selbaje da crítica fronteriza. São Carlos: Pedro &João editores, 2013. (obra completa)

PEPETELA. A Geração da Utopia. Editorial Nzila. Luanda, 2004. (Obra completa)

SANTOS, Tiganá Santana Neves. A cosmologia africana dos bantu-kongo por Bunseki Fu kiau: Tradução negra, reflexões e diálogos a partir do Brasil. 2019. 233 f. Tese de doutorado- Faculdade de Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 2019. (Tese).

SANTOS, Boaventura Sousa de. HISSA, Viana. Transdisciplinaridade e ecologia de saberes. In conversações de arte e de ciência. Cassio E. Hissa Viana organizador. Belo Horizonte, Editora UFMG, 2011 (p. 17-34). (Capítulo do livro).

Downloads

Publicado

30/04/2021

Como Citar

Ambrósio, G. (2021). A memória cultural mukongo em face de colonialidade: decolonialidade com a desobediência epistêmica. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 7(4). https://doi.org/10.23899/relacult.v7i4.2028

Edição

Seção

Latinidades – Fórum Latino-Americano de Estudos Fronteiriços