Museu dos Direitos Humanos do Mercosul: Perspectivas e fronteiras no processo de criação de uma instituição cultural mercosulina

Autores

  • Carolina Gomes Nogueira Universidade Federal de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v6i3.2026

Palavras-chave:

Direitos Humanos, Mercosul, Museu de Direitos Humanos do Mercosul.

Resumo

O presente artigo traz como elemento fundamental a discussão sobre a criação do Museu dos Direitos Humanos do Mercosul como um elemento unificador para a construção da memória da violação dos direitos humanos no Cone Sul e para promoção do patrimônio cultural da região platina. Nesse sentido, o texto propõe uma reflexão sobre o que é um museu do Mercosul, e quais são as abordagens utilizadas por este aparelho cultural na construção de uma expografia voltada para os direitos humanos e que teve como missão divulgar a arte latino-americana. Este trabalho é parte resultante uma pesquisa de mestrado que está sendo desenvolvida no Programa de Pós-graduação em Memória Social e Patrimônio Cultural.  

Biografia do Autor

Carolina Gomes Nogueira, Universidade Federal de Pelotas

Graduada em Museologia pela Universidade Federal de Pelotas, atualmente é mestranda do Programa de Pós-graduação em Memória Social e Patrimônio Cultural pela mesma universidade. Possui interesse nos campos da memória, direitos humanos, turismo e museus de memória. Membro do Núcleo de Estudos Sobre Patrimônio em Lugares de Sofrimento (NEMPLuS) - vinculado ao PPGMP/UFPel.

Referências

ABREU, Sérgio Augusto de; SOBRINHO, Lima Florêncio. Desdobramentos recentes no Sistema ONU de Direitos Humanos: o novo Conselho de Direitos Humanos e a atuação do Brasil. In: 60 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos: Conquistas do Brasil. Orgs. Andrea Giovannetti. Brasília: Editora Fundação Alexandre Gusmão, 2009.

BEZERRA, Daniele Borges. A ressonância afetiva das memórias como meio de transmissão para um patrimônio difícil. Tese (Doutorado) — Programa de Pós-Graduação em Memória Social e Patrimônio Cultural, Instituto de Ciências Humanas, Universidade Federal de Pelotas, 2019.

CERVEIRA, Neusah Maria Romanzini Pires; SILVA, Marcos. Memória da dor: a operação condor no Brasil (1973/1985). 2007.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

CANDAU, Joel. Memória e Identidade. Tradução: Maria Leticia Ferreira. São Paulo: Editora Contexto, 2011.

FABRI, S. M. Lugares de memoria y marcaciones territorial: sobre la recuperación de los centros de detención en Argentina y los lugares de memoria en España. Revista Colombiana Cuadernos de Geografia, v. 22, n.º 1, p. 93 - 108, ene. -jun. 2013.

G. LÓPEZ, Loreto. Derechos Humanos, Patrimonio y Memoria. Museos de la Memoria y Sitios de Conciencia. In: Erazo, Ximena; Ramírez, Gloria & Scantlebury, Marcia (Eds.). Derechos Humanos, pedagogía de la memoria y

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2006.

_____________. Los marcos sociales de la memoria. Anthropos Editorial: Concepción: Universidade de la Concepción: Caracas: Universidade Central de Venezuela, 2004.

HIRSCH, Marianne. Postmémoire. Revue pluridisciplinaire de la Fondation Auschwitz. 118, p. 205-206 2004.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Tradução: Yara Aun Khoury. Projeto História, São Paulo (10), dez, 1993.

QUADRAT, Samantha Viz. Operação Condor: o “Mercosul” do terror. Estudos IberoAmericanos, v. 28, n. 1, 2002.

PROJETO DO MUSEU DOS DIREITOS HUMANOS DO MERCOSUL, 2014. Disponibilizado pelo ex-diretor do museu Márcio Tavares Santos.

ROCHA, Marina Maria de Lira. “El río nos quedó adentro”: direitos humanos e os debates sobre desaparecimento forçado e genocídio na Justiça de Transição do território rio-platense. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2018.

SOSA, Ana Maria; FERREIRA, Maria Leticia Mazzucchi. Memoria musealizada: un estudio sobre los procesos de patrimonialización de memorias traumáticas en Uruguay y Brasil. Revista Eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio – PPG-PMUS Unirio | MAST - vol. 7 no 1 – 2014.

SANTOS, Márcio Tavares. História, memória e identidade: como fazer um museu. Revista da Justiça Federal do Rio Grande do Sul, v. 2, n.1, 2014.

SCHINDEL, Estela. Las pequenas memorias y el paisage cotidiano: cartografías del recuerdo en Buenos Aires y Berlin. Trabajos de la Memoria. Arte y ciudad en la postdictadura argentina, Buenos Aires, Ladosur, 2006, p. 51 -73.

TAVARES, Márcio. História, memória e identidade: como fazer um museu. Revista Te s ]xOH, V.1 n° 1, junho - setembro de 2013.

Downloads

Publicado

29/03/2021

Como Citar

Nogueira, C. G. (2021). Museu dos Direitos Humanos do Mercosul: Perspectivas e fronteiras no processo de criação de uma instituição cultural mercosulina. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 6(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v6i3.2026

Edição

Seção

Dossiê: - Patrimônio cultural e memória nas fronteiras

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)