O grafismo Kadiwéu no ensino de arte na perspectiva antropológica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v7i4.1993

Palavras-chave:

ensino de Arte, Antropologia da arte, imagens, cultura.

Resumo

O presente artigo apresenta os resultados preliminares de uma investigação desenvolvida no Programa de Mestrado Profissional em Educação, na linha de pesquisa: Formação de professores e diversidade, da Unidade Universitária de Campo Grande da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. Visa apresentar compreensões sobre o processo de ensino de Arte quando oportuniza uma discussão sobre cultura, perspectiva e estética não ocidental com fotografias da etnia Kadiwéu. As fotografias de Boggiani pertence ao acervo particular da família Fric e foram recuperadas pelos netos, Pavel Fric e Yvonna Fricova e publicadas em 1997 em um livro. Nesse contexto, a abordagem com as imagens busca promover uma reflexão relacional entre arte e Antropologia da arte, por meio da leitura de imagem no ensino de Arte na Educação Básica. Dessa maneira, interpõe-se a problemática quanto ao diálogo entre culturas, bem como as percepções e imagens entre o “eu” e o “outro” que descortinam na maneira de ver novas possibilidades de ser, de viver e de conceber o mundo circundante. Os resultados indicam que a abordagem e as possibilidades da imagem como agência e cognição de processos são inferidas na relação entre a percepção das diferenças e das estéticas culturais mediadas pela alteridade.

Biografia do Autor

Verônica Lindquist, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Possui graduação em Artes Visuais - Bacharelado pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Programa de Formação Pedagógica, Licenciatura em Artes, pelo Centro Universitário Filadélfia (UNIFIL). Curso de extensão em educação para as Relações étnico-raciais: Cultura e História Africanas e Afro-brasileiras, pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Especialização em Relações étnico-raciais, gênero e diferenças no contexto do ensino de História e Cultura Brasileiras pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Educação pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS).

Léia Teixeira Lacerda, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Docente do Curso de Pedagogia e do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Mestrado Profissional em Educação da Unidade Universitária de Campo Grande, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil. Líder do Grupo de Pesquisa: Educação Cultura e Diversidade, UEMS/CNPq, disponível em: http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhorh/0416559581832830. Acesso em: 28 jun. 2020. Pesquisadora Associada do Centro de Pesquisa, Ensino e Extensão em Educação, Linguagem, Memória e identidade.

Referências

BARBOSA, Andréa; CUNHA, Edgar Teodoro da Cunha. Antropologia e imagem. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed; 2006.

BELTING, Hans. Por uma Antropologia da imagem. Concinnitas, ano 6, volume 1, número 8, julho 2005. Disponível em: http://www.fnac.pt/Antropologia-da-Imagem-HansBelting/a802003. Acesso em: 04 abr. 2020.

BELTING, Hans. O fim da história da arte: uma revisão dez anos depois. São Paulo: Cosac & Naify, 2012.

DURAN, Maria Raquel da Cruz. Leituras antropológicas sobre a arte kadiwéu. Cadernos de campo, São Paulo, n. 24, p. 43-70, 2015. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/97466. Acesso em: 23 maio 2020.

GELL, Alfred. Arte e agência: uma teoria antropológica. Tradução: Jamille Pinheiro Dias. São Paulo: Ubu editora, Coleção Argonautas, 2018.

GUSMÃO, Neusa. Desafios da diversidade na escola. Revista Mediações, Londrina, v. 5, n. 2, p. 9-28, jul./dez, 2000. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index. php/mediacoes/article/view/9158. Acesso em: 10 nov. 2019.

GOW, Peter. Visual compulsion: Design and image in Western Amazonian art. In:

Revindi. Revista indigenista Americana. Budapeste, p. 19-32, 1988.

INGOLD, Tim. "Pare, olhe, escute! Visão, audição e movimento humano". Revista do NAU, ano 2, jul., 2008.

MACIEL, Léia Teixeira Lacerda. Corpos, culturas e alteridade em fronteiras: educação escolar e prevenção das Doenças Sexualmente Transmissíveis e da Aids entre indígenas da Reserva Kadiwéu, Mato Grosso do Sul-Brasil. 2009. 246 p. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, 2009. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-08122009-154200/pt-br.php. Acesso em: 25 maio 2020.

LAGROU, Els. Antropologia e arte: uma relação de amor e ódio. Ilha. Revista de Antropologia (Florianópolis), v. 5, p. 93-113, 2003.

LAGROU, Els. A fluidez da forma: arte, alteridade e agência em uma sociedade amazônica (Kaxinawa, Acre). Rio de Janeiro: Topbooks, 2007.

LAGROU, Els. Arte indígena no Brasil: agência, alteridade e relação. Belo Horizonte: C/ Arte, 2009.

LAGROU, Els. Podem os grafismos ameríndios ser considerados quimeras abstratas?: uma reflexão sobre uma arte perspectivista. In: Carlo Severi e Els Lagrou (orgs.), Quimeras em diálogo: grafismo e figuração na arte indígena. Rio de Janeiro: 7Letras, 2013. pp. 67-109.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes trópicos. Tradução Wilson Martins. São Paulo: Ed. Anhembi, 1957.

LÉVI-STRAUSS, Claude; ERIBON, Didier. De perto e de longe; tradução de Léa Mello e Julieta Leite. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

MAUSS, Marcel. As técnicas do corpo. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2003, p. 399-422.

NOVAES, Sylvia Caiuby. Jogos de espelhos: imagens da representação de si através dos outros. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1993.

NOVAES, Sylvia Caiuby. Imagem, magia e imaginação: desafios ao texto antropológico. Mana [online]. 2008, vol.14, n.2, pp.455-475. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/mana/v14n2/a07v14n2.pdf. Acesso em: 25 maio 2020.

SANTAELLA, Lucia; NÖTH, Winfried. Imagem, cognição, semiótica, mídia. 2. ed. São Paulo: ILUMINURAS, 2015.

TASSINARI, Antonella M. Sociedade indígenas: introdução ao tema da diversidade cultural. In: LOPES DA SILVA, Aracy; GROUPIONI, Donizete Benzi (Orgs.). A temática indígena na escola: novos subsídios para professores de 1º e 2º graus. 2ª ed. São Paulo: Global; Brasília: MEC; MARI; UNESCO, 1998.

VIDAL, Lux Boelitz. Grafismo Indígena, estudos de antropologia estética. São Paulo: Studio Nobel/Fapesp/Edusp, 2000.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio.In: Mana 2. Rio de Janeiro: Museu Nacional, Contracapa, p. 115-144, 1996.

Downloads

Publicado

30/04/2021

Como Citar

Lindquist, V., & Lacerda, L. T. (2021). O grafismo Kadiwéu no ensino de arte na perspectiva antropológica. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 7(4). https://doi.org/10.23899/relacult.v7i4.1993

Edição

Seção

II - Congresso Internacional Online de Estudos sobre Culturas