Pós-modernidade ou o quê? Reflexões acerca do aqui-agora

Autores

  • Fabio Jarbeson da Silva Trajano Centro de Pesquisa e Formação Continuada Paulo Freire (CPFPF)/Secretaria Municipal de Educação de Duque de Caxias (SME)

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v6i3.1930

Palavras-chave:

Pós-modernidade, Hipermodernidade, Literatura, Felicidade, Consumismo.

Resumo

Desde sua fase incipiente até o presente momento a pós-modernidade já passou por consideráveis transformações, que, inevitavelmente, também afetaram a natureza do diálogo travado por ela tanto com o passado como com o futuro. Nenhuma surpresa, portanto, que para alguns já se deva falar de uma era da hipermodernidade. O objetivo deste ensaio é precisamente analisar algumas dessas principais mudanças em diversos aspectos sociais, bem como de que forma e até que ponto elas afetam e podem ser observadas no aqui-agora. Para tal fim, se levará em conta alguns posicionamentos teóricos sobre o tema, como os de Gilles Lipovetsky e Zygmunt Bauman. Do mesmo modo, verificar-se-á alguns exemplos de como essa realidade, por vezes material, por vezes virtual, tem marcado presença na literatura. Após refletir sobre as questões propostas neste artigo, o leitor não apenas será capaz de apreender alguns dos mecanismos negativos desta nova fase da época pós-moderna, mas também, espera-se, de contribuir individual e coletivamente para superá-los.

Biografia do Autor

Fabio Jarbeson da Silva Trajano, Centro de Pesquisa e Formação Continuada Paulo Freire (CPFPF)/Secretaria Municipal de Educação de Duque de Caxias (SME)

Mestre em Literaturas de Língua Inglesa pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Atualmente professor-pesquisador no Centro de Pesquisa e Formação Continuada Paulo Freire (CPFPF)/Secretaria Municipal de Educação de Duque de Caxias (SME).

Referências

ABDALA JUNIOR, B. Fronteiras múltiplas e hibridismo cultural: novas perspectivas ibero-afro-americanas. In: SCARPELLI, Marli Fantini; DUARTE, Eduardo de Assis. (Org.). Poéticas da Diversidade. Belo Horizonte: UFMG/FALE/Pós-lit, 2002. p. 15-35.

ANDRADE, C. D. Eu, etiqueta. In: ______. Corpo. Rio de Janeiro: Record, 1995. p. 85-87.

ANDREONI, R. Museu, memória e poder. Questão, Porto Alegre, v. 17, n. 2, p. 167-179, jul./dez. 2011.

ASHCROFT, B.; GRIFFITHS, G.; TIFFIN, H. (Eds.). Post-Colonial Studies: The Key Concepts. London: Routledge, 2002. 275 p.

BARKER, C. Cultural Studies. London: Sage, 2008. 525 p.

BAUMAN, Z. Dentro e fora da caixa de ferramentas da sociabilidade. In: ______. Amor líquido. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2004. p. 55-96.

______. Individualidade. In: ______. Modernidade líquida. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001. p. 64-106.

BÍBLIA. Português. Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas. Cesário Lange: Associação Torre de Vigia de Bíblias e Tratados, 1986. 1662 p.

BLAKE, W. Complete Writings with Variant Readings. London: Oxford Press, 1966. 944 p.

DU GAY, P. Organizing Identity: Entrepreneurial Governance and Public Management. In: HALL, S.; ______. (Eds.). Questions of Cultural Identity. London: Sage Publications, 2002. p. 151-69.

FERNANDES, G. M. Pós-moderno. In: FIGUEIREDO, Eurídice. (Org.). Conceitos de literatura e cultura. Juiz de Fora: UFJF, 2005. p. 365-91.

FISH, S. E. Doing What Comes Naturally: Change, Rhetoric, and the Practice of Theory in Literary and Legal Studies. London: Duke University Press, 1990. 613 p.

FUCKS, S. A sociedade do conhecimento. Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 152, p. 75-101, jan./mar. 2003.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 2005. 102 p.

______. Introduction: Who Needs ‘Identity’? In: ______; DU GAY, P. (Eds.). Questions of Cultural Identity. London: Sage Publications, 2002. p. 1-17.

JOBIM, J. L. Nacionalismo e Globalização. In: ______. Formas da teoria: sentidos, conceitos, políticas e campos de força nos estudos literários. Rio de Janeiro: Caetés, 2002. p. 19-66.

LIMA, L. C. Pós-modernidade: contraponto tropical. In: ______. Pensando nos trópicos. Rio de Janeiro: Rocco, 1991. p. 119-137.

LIPOVETSKY, G. Homo felix: grandeza e miséria de uma utopia. In: ______. A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade do hiperconsumo. Tradução de Maria Lúcia Machado. Lisboa: Edições 70, 2006. p. 285-317.

______. Tempo contra tempo, ou a sociedade hipermoderna. In: CHARLES, Sébastien; ______. Os tempos hipermodernos. São Paulo: Barcarolla, 2004. p. 49-103.

PAES, J. P. Ao shopping center. In: ______. Prosas seguidas de odes mínimas. São Paulo: Companhia das Letras, 2001. 73 p.

SEABROOK, J. The Leisure Society. Oxford: Blackwell, 1988. 195 p.

SILVA, E. C. Interminável busca da felicidade. Mediações, v. 14, n. 1, p. 297-299, 2009.

SMITH, P.; RILEY, A. The Cultural Analysis of Postmodernism and Postmodernity. In: ______; ______. Cultural Theory: An Introduction. Malden: Blackwell Publishing, 2009. p. 207-27.

SÓFOCLES. A trilogia tebana: Édipo rei, Édipo em Colono, Antígona. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 15ª Edição, 2011.

Downloads

Publicado

07/01/2021

Como Citar

Trajano, F. J. da S. (2021). Pós-modernidade ou o quê? Reflexões acerca do aqui-agora. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 6(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v6i3.1930

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo