A Trilogia das Máscaras e os bens culturais:

um estudo de caso sobre a expansão da economia criativa no Brasil e suas implicações patrimoniais e econômicas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v7i1.1929

Palavras-chave:

Bens culturais, economia criativa, economia do patrimônio

Resumo

O presente artigo debate a posição dos jogos analógicos e dos bens culturais dentro da economia criativa, analisado sob a ótica da análise econômica do direito, buscando o diálogo interdisciplinar entre os campos do patrimônio cultural, dos jogos e do Direito, em um fenômeno processual-cultural, econômico-identitário-histórico. Para isso iniciou-se uma análise do que é o Patrimônio Cultural, o que é cultura e como o bem cultural se difere de outros bens patrimoniais. Como estudo de caso para arrimar o aporte teórico, se utilizou os jogos de tabuleiro que compõe a chamada Trilogia das Máscaras: um grupo de jogos baseados na simplificação das culturas maia (Tikal), inca (Cuzco) e asteca (Méxica), disponível em diversos países e línguas, inclusive no Brasil, em português. A intenção foi de aflorar as discussões sobre os bens culturais protegidos no país e no mundo e na forma que estes têm sido utilizados em apropriações privadas, para fins essencialmente econômicos.

Biografia do Autor

Albano Francisco Schmidt, Univille - Universidade da Região de Joinville

Doutorando em Patrimônio Cultural e Sociedades pela UNIVILLE. Mestre em Direito pela PUC-PR. Advogado. Professor de Direito na UNISOCIESC.

Bárbara Cristina Berger, UNISOCIESC

Acadêmica de Direito da UNISOCIESC

Referências

ALEXANDRINO, José de Melo. O conceito de bem cultural. Área Científica de Direito–IPBeja, 2009. Disponivel em: <http://icjp.pt/sites/default/files/media/565-466.pdf> Acesso em:05/2020

APATIAS, Jaime C. O espetáculo no telejornal sensacional. In: Cultura, comunicação e espetáculo. COELHO, Carlos N. P.; CASTRO, Valdir J. (Orgs.) - São Paulo. Paulus, 2016 - Coleção Comunicação

BBC. World of Warcraft Classic: hit game goes back to basics (2019). Disponível em: <https://www.bbc.com/news/technology-49448935>. Acesso em: 05/2020.

BLIZZARD. World of Warcraft. Disponível em: <https://worldofwarcraft.com/pt-br/> Acesso em: 05/2020.

BOURDIEU, Pierre. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo

científico. São Paulo: UNESP, 2004.

BRASIL. Lei de propriedade industrial. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9279.htm>. Acesso em: 30 jun, 2020.

BRUXELAS. Declaração de Bruxelas sobre o patrimônio. Disponível em: <https://pt.unesco.org/courier/2017nian-di-3qi/uma-resolucao-historica-proteger-o-patrimonio-cultural>. Acesso em: 30 jun, 2020.

BUTILHEIRO. Anderson. O mercado de board games no mundo (com valores): Como o crescimento recente do nicho de jogos de tabuleiro tem impactado o mercado no Brasil e no mundo. MEDIUM. 2019. Disponível:<https://medium.com/deathmatch/o-mercado-de-board-games-no-mundo-com-valores-69fa103e1d24>. Acesso em:05/2020

LUZ, Alan R. Gamificação motivação e a essência do jogo. In: Gamificação em Debate. SANTAELLA, L.; NESTERIUK, S.; FAVA, F. (orgs). São Paulo: Blucher, 2018.

FARTHING, Stephen. Tudo sobre arte. Rio de Janeiro: Sextante, 2011.

FIANI, Ronaldo. A crise dos bens culturais como mercadorias. The crisis of cultural goods as merchandise. Liinc em Revista, v. 5, n. 2, 2009. Disponível: <http://revista.ibict.br/liinc/article/view/3198> Acesso em: 05/2020

FREIRE, Juciley Silva Evangelista. A constituição do ser social: trabalho e formação humana em Marx. Revista Observatório. v. 4 n. 2 (2018): Vol. 4 N. 2 (2018) Estudos sobre a naturalização da cultura da violência na sociedade midiatizada Abr-Jun 2018 / Dossiê Temático II / Thematic dossier II / Dossier temático II.

FONSECA, Maria Cecília Londres. Referências culturais: base para novas políticas de patrimônio. 2001. Disponível em: <http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/4775> Acesso em: 05/2020

LEVY, Larry. Special K - Wolfgang Kramer. The game journal. 2001. Disponível em:< http://www.thegamesjournal.com/articles/SpecialK2.shtml> Acesso em: 5 mai, 2020.

PIRES, Maria Coeli Simões. Da proteção ao Patrimônio Cultural. Belo Horizonte: Del Rey, 1994.

SACHS, Ignacy. Desenvolvimento includente, sustentável e sustentado. Rio de Janeiro: SEBRAE, 2004.

SAX, David. A vingança dos analógicos: porque os objetos de verdade ainda são importantes. Editora Rocco, 2017

SCHAAN, Denise Pahl. Arqueologia, público e comodificação da herança cultural: o caso da cultura Marajoara. Revista Arqueologia Pública, v. 1, n. 1 [1], p. 19-30, 2006. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8635819/3531>. Acesso em: 05/2020

SCHMIDT, A.; GUSSO, L.; CARELLI, M. Uma breve análise econômica do Direito a Cultura sob a ótica da economia criativa. Encontro Virtual do CONPEDI - 2020. Anais.

SPECTOR, Warren (2007). "Tikal". In Lowder, James (ed.). Hobby Games: The 100 Best. Green Ronin Publishing. pp. 322–326. ISBN 978-1-932442-96-0.

SOMMADOSSI, Guilherme. Mercado de jogos de tabuleiro ganha espaço no Brasil. Forbes. 2019. Disponivel em: <https://forbes.com.br/colunas/2019/07/mercado-de-jogos-de-tabuleiro-ganha-espaco-no-brasil/>

SOARES, Anauene Dias. Destruição do Patrimônio Cultural como crime de guerra. Vía Iuris, n. 25, p. 1-30, 16 jul. 2018. Disponível em: <https://tinyurl.com/y7f9x5fd> Acesso em: 05/2020

VELHO, G.; CASTRO, E. B. V. 1982. O conceito de cultura e o estudo das sociedades complexas. Cadernos Feema, Rio de Janeiro.

Downloads

Publicado

16/05/2021

Como Citar

Schmidt, A. F., & Berger, B. C. (2021). A Trilogia das Máscaras e os bens culturais: : um estudo de caso sobre a expansão da economia criativa no Brasil e suas implicações patrimoniais e econômicas. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 7(1). https://doi.org/10.23899/relacult.v7i1.1929

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo