Mulheres, trabalho não pago e sofrimento social no filme A Vida Invisível (2019)

Autores

  • Rachel Tomás dos Santos Abrão Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v6i2.1879

Palavras-chave:

cinema, reconhecimento, sofrimento social, trabalho doméstico

Resumo

Este ensaio apresenta algumas possibilidades de diálogo entre as ideias de reconhecimento e de sofrimento social, se inserindo no campo de uma teoria crítica da sociedade. A partir da constatação da trajetória de indivíduos que compartilham experiências históricas de injustiça, foi possível refletir a respeito do contrato moral existente em torno da divisão sexual do trabalho, e como este designa – de forma naturalizada – às mulheres o cumprimento das funções domésticas. Por meio dessa discussão, notamos como o trabalho doméstico, ao não ser remunerado, torna-se algo estranho ao mundo capitalista; encobrindo duplamente as funções domésticas com invisibilidade e não reconhecimento. Ao final do trabalho, apresenta-se a personagem Eurídice Gusmão, do filme A Vida Invisível (2019), pois sua trajetória nos auxilia a demonstrar como a obrigação conjugal e familiar pode ferir a autonomia feminina.

Biografia do Autor

Rachel Tomás dos Santos Abrão, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

Possui graduação em Ciências Sociais (Bacharelado) e é estudante de Licenciatura do mesmo curso, ambos na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Realizou intercambio acadêmico na Facultad de Ciencias Sociales da Universidad de Buenos Aires (UBA), pelo programa Escala Estudiante de Grado, da Asociación Universitaria Grupo Montevideo (AUGM). Durante a graduação foi bolsista vinculada ao Memorial Catarinense dos Direitos Humanos (MDH/LASTRO), e estagiária na Comissão da Memória e Verdade da Universidade Federal de Santa Catarina (CMV-UFSC). Foi bolsista Iniciação Científica (PIBIC/CNPq) vinculada ao Núcleo de Pesquisa em Movimentos Sociais (NPMS) do Departamento de Sociologia e Ciência Política da UFSC. Foi bolsista de Iniciação Científica no Núcleo de Estudos e Pesquisas Educação e Sociedade Contemporânea (NEPESC/CED/UFSC) e atualmente é mestranda do Programa de Pós-graduação em Sociologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Referências

A VIDA INVISÍVEL. Direção de Karim Aïnouz. Produção de Rodrigo Teixeira. Rio de Janeiro: Rt Features, 2019. Son., color.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: Ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 2012.

COUTO, José Geraldo. Gênero, número e grau. 2019. Disponível em: (https://ims.com.br/blog-do-cinema/genero-numero-e-grau-por-jose-geraldo-couto/ ). Acesso em: 29 mai. 2020

DURKHEIM, Emile. Da divisão do trabalho social. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

FEDERICI, Silvia. O ponto zero da revolução: trabalho doméstico, reprodução e luta feminista. São Paulo: Elefante, 2018.

FREUD, Sigmund. O mal-estar na civilização, novas conferências introdutórias à psicanálise e outros textos (1930-1936). São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

LEÃO REGO, Walquíria; PINZANI, Alessandro. Vozes do Bolsa Família. Autonomia, dinheiro e cidadania. São Paulo: Editora Unesp, 2014

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política: livro I: o processo de produção do capital. São Paulo: Boitempo, 2017.

MOORE Jr, Barrington. Injustiça. As bases sociais da obediência e da revolta. São Paulo: Brasiliense, 1987.

THOMPSON, Edward P. Costumes em comum. Estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo: Companhia das letras, 1998.

Downloads

Publicado

07/10/2020

Como Citar

Tomás dos Santos Abrão, R. (2020). Mulheres, trabalho não pago e sofrimento social no filme A Vida Invisível (2019). RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 6(2). https://doi.org/10.23899/relacult.v6i2.1879

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo