Memória, fotografia e feminismos na contemporaneidade: experiências e reflexões de mulheres fotógrafas no Cariri-CE

Autores

  • Emanoella Callou Belém Universidade Federal do Cariri
  • Luis Celestino França Júnior Universidade Federal do Cariri- UFCA

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v6i1.1850

Palavras-chave:

Fotografia, Gênero, Memória, Feminismos,

Resumo

Considerando a imagem a partir de sua função documental e partindo da observação de lacunas no registro e reconhecimento do trabalho de mulheres na fotografia, os objetivos desta pesquisa são: conhecer a percepção de fotógrafas sobre atravessamentos da questão de gênero na idealização e exposição de corpos femininos e relatar a experiência da primeira Mostra de Mulheres Fotógrafas do Cariri enquanto espaço de (re)construção da memória da produção fotográfica de artistas do território. Na trajetória da pesquisa realizada de 2018 a 2020 baseou-se nas epistemologias feministas e empregou-se como procedimentos de coleta a realização de entrevistas exploratórias e a aplicação de questionário eletrônico. Para análise de dados empregou-se a análise de conteúdo das informações produzidas/coletadas por meio das entrevistas e questionários. Ressalta-se entre os resultados: os avanços e retrocessos apresentados pelas interlocutoras acerca dos pontos relacionados à exposição e idealização de corpos femininos, a relevância da I Mostra de Mulheres Fotógrafas do Cariri, por ter sido um espaço de encontro e visibilização das fotógrafas do território, que além da qualidade técnica e da sensibilidade artística, construíram a partir da pluralidade de perfis e experiências das participantes uma (re)construção da história e memória local.

Biografia do Autor

Emanoella Callou Belém, Universidade Federal do Cariri

Mestra em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Cariri - UFCA, pós-graduada em Artes Visuais: Cultura e Criação pelo SENAC-CE (2014) e graduada em Comunicação Social pela Universidade Estadual da Paraíba (2009). Desde de julho de 2012 trabalha como técnica do laboratório de fotojornalismo na Universidade Federal do Cariri - UFCA. Coordenou de 2014 a 2018 o Projeto Diálogos com a Fotografia vinculado à Pró-Reitoria de Cultura (PROCULT). Atuou de 2014 a 2016 como Assessora técnica do Núcleo dos Programas Institucionais de Extensão na Linha Temática Relação entre a Universidade e a Escola Básica da Pró-Reitoria de Extensão (Proex/UFCA). De abril de 2018 a março de 2019 atuou como coordenadora de Jornalismo Institucional da Diretoria de Comunicação da Universidade Federal do Cariri-UFCA. Pesquisa e atua na área de Jornalismo, especialmente nas temáticas de fotografia, memória e gênero.

Luis Celestino França Júnior, Universidade Federal do Cariri- UFCA

Possui graduação em Comunicação Social pela Universidade Federal do Ceará (2000), Mestrado em Comunicação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2006) e Doutorado pelo Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco. Atualmente é professor Adjunto da Universidade Federal do Ceará. Atualmente é vice-diretor do Instituto Interdisciplinar Sociedade Cultura e Artes (IISCA) da UFCA. Membro permanente do Programa de Pós-Graduação em Biblioteconomia. Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Comunicação e Política, Jornalismo Impresso, Comunicação e Cultura e as representações midiáticas da fome.

Referências

ARANDAS, Luciana Pionório Rocha de. Por dentro da hashtag Body Positive: ciberativismo e a emergência de uma nova visão do corpo nas redes sociais da internet. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 42º, 2018, Caxambu. Anais [...]. Caxambu: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais – ANPOCS, 2018, p. 1-24. Disponível em: http://www.anpocs.com/index.php/encontros/papers/42-encontro-anual-da-anpocs/spg-5/spg24-3/11587-por-dentro-da-hashtag-body-positive-ciberativismo-e-a-emergencia-de-uma-nova-visao-do-corpo-nas-redes-sociais-da-internet?path=42-encontro-anual-da-anpocs/spg-5/spg24-3. Acesso em 04 set. 2019.

ARCQ, Teresa. Mulheres para mulheres, mecenas e promotoras. Texto expográfico do catálogo da Mostra “Frida Kahlo: conexões entre mulheres surrealistas no México”, 2016.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Tradução Luís Antero Retos, Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições, v. 70, 2011.

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo. 6. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2019.

BUITONI, Dulcilia Schroeder. Fotografia e Jornalismo: a informação pela imagem. São Paulo: Saraiva, 2011.

CORREIA, Maria da Luz; CERQUEIRA, Carla. Desarrumando o nosso álbum: fotografia e género. Comunicação e Sociedade, Braga, v. 32, p. 9-17, dez. 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.17231/comsoc.32(2017).2747. Disponível em http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2183-35752017000200001&lng=pt&nrm=iso. Acessos em 06 fev. 2020.

FAJARDO-HILL, Cecília; GIUNTA, Andrea. Mulheres radicais: arte-latino americana, 1965-1980. São Paulo: Pinacoteca de São Paulo, 2018.

FEMEN. Blog oficial da Femen. [s.d.]. Disponível em: https://femen.org/. Acesso em: 14 fev. 2019.

FRASER, Márcia Tourinho Dantas; GONDIM, Sônia Maria Guedes. Da fala do outro ao texto negociado: discussões sobre a entrevista na pesquisa qualitativa. Paidéia (Ribeirão Preto), Ribeirão Preto, v. 14, n. 28, p. 139-152, ago. 2004. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-863X2004000200004. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-863X2004000200004&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 03 maio 2019.

HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Explosão Feminista: Arte, Cultura, Política e Universidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

HUYSSEN, Andréas. Culturas do passado-presente: modernismos, artes visuais, políticas da memória. Rio de Janeiro: Contraponto, 2014.

KETZER, Patricia. Como pensar uma Epistemologia Feminista? Surgimento, repercussões e problematizações. Argumentos Revista de Filosofia, Fortaleza, ano 9, n. 18, p. 95-106, 2017. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/32159/1/2017_art_pketzer.pdf. Acesso em: 08 jan. 2020.

LONGINO, Helen. Epistemologia Feminista. In: GRECO, John; SOSA, Ernest (Orgs.). Compêndio de epistemologia. Tradução Alessandra Siedschlag Fernandes e Rogério Bettoni. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

MIGUEL, Sylvia. Representatividade feminina no sistema artístico precisa ser mais bem avaliada. Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo, São Paulo, 21 mar. 2017. Disponível em: http://www.iea.usp.br/noticias/representatividade-feminina-no-sistema-artistico-precisa-ser-melhor-avaliada. Acesso em: 11 fev. 2019.

NASCIMENTO, Diego Coelho do. Ser-tão “metropolitano”: espacialidade e institucionalidade na Região Metropolitana do Cariri. 2018. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2018. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/30438. Acesso em: 02 jan. 2020.

NOCHLIN, Linda. Por que não houve grandes mulheres artistas? São Paulo: Edições Aurora, 2016.

NOGUEIRA, Ricardo José Batista. O Movimento FEMEN: geopolítica e neo-feminismo. Revista de Geopolítica, Manaus, v. 4, n. 1, p. 155-168, 2013. Disponível em: http://www.periodicos.ufam.edu.br/revista-geonorte/article/view/1164/1055. Acesso em: 08 abril 2019.

OMOTE, Sadao; PRADO, Paulo Sérgio Teixeira do; CARRARA, Kester. Versão eletrônica de questionário e o controle de erros de resposta. Estud. psicol. (Natal), Natal, v. 10, n. 3, p. 397-405, dez. 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-294X2005000300008.Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-294X2005000300008&lng=en&nrm=iso. Acesso em 10 fev. 2019.

QUIVY, Raymond; CAMPENHOUDT, Luc Van. Manual de Investigação em Ciências Sociais. 4. ed. Lisboa: Gradiva, 2005.

RECHENA, Aida. Sociomuseologia e Género: Imagens da Mulher em Exposições de Museus Portugueses. 2011. Tese (Doutoramento em Museologia) – Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa, 2011. Disponível em: http://www.museologia-portugal.net/files/upload/doutoramentos/aida_rechena.pdf. Acesso em: 4 fev. 2019.

REZZUTTI, Paulo Marcelo. Mulheres do Brasil: A história não contada. Rio de Janeiro: Leya, 2018.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2019.

RUIZ, Juliana Pacetta; NERIS, Natália; VALENTE, Mariana Giorgetti. Revenge porn como violência de gênero: perspectivas internacionais. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL FAZENDO GÊNERO, 11, 2017, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Instituto de Estudos de Gênero – IEG, 2017. Disponível em: http://www.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1503434623_ARQUIVO_FazendoGenero_Revengeporncomoviolenciadegenerofinal.pdf. Acesso em 02 jan. 2020.

SATOU, Danilo. A representatividade da mulher na arte. Blog Centro Cultural São Paulo, São Paulo, 18 out. 2018. Disponível em: http://centrocultural.sp.gov.br/site/a-representatividade-da-mulher-na-arte/. Acesso em: 23 fev. 2019.

SMITH, Ian Haydn. Breve história da fotografia: um guia de bolso para os principais gêneros, obras, temas e técnicas. São Paulo: Gustavo Gili, 2018.

SPIVAK, Gayatri C. Pode o subalterno falar? 1. ed. Tradução Sandra R. Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa e André Pereira. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

WOLF, Naomi. O Mito da Beleza: como as imagens de beleza são usadas contra as mulheres. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2018.

Downloads

Publicado

18/05/2020

Como Citar

Belém, E. C., & França Júnior, L. C. (2020). Memória, fotografia e feminismos na contemporaneidade: experiências e reflexões de mulheres fotógrafas no Cariri-CE. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 6(1). https://doi.org/10.23899/relacult.v6i1.1850

Edição

Seção

Dossiê: - Ser vidente e ser visível: mulheres-autoras, arte e cultura na América Latina