Cultura no plural: reflexões e interpretações em (des)construção

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v6i3.1836

Palavras-chave:

Cultura, espaço semiótico, diferença, desconforto, pluriversalidade.

Resumo

Em consonância com as expansões interpretativas ou expansões de perspectivas propostas por Monte Mór (2018), o presente trabalho busca refletir sobre o(s) sentido(s) de cultura a fim de desafiar a lógica dominante que sustenta e regula os processos culturais que determinam as representações sobre nós mesmos e sobre a realidade. A partir de uma perspectiva decolonial, este artigo visa a possibilitar interpretações que acompanhem a pluralidade, a diversidade e a heterogeneidade de formas de pensar e de agir emergentes de localidades múltiplas e que impulsionam novos paradigmas e novos modos de (re)construir a realidade, para que nossas práticas (sociais, acadêmicas, educacionais) não se façam alheias à responsabilidade social, cultural, intelectual e política que ampara a práxis questionadora aqui pretendida. Para tanto, o presente artigo abre espaços de diálogo com teorias diversas, sem delimitar o escopo interpretativo do texto, numa tentativa de abandonar o casulo das certezas relativas e de possibilitar novas interpretações que transcendam as fronteiras disciplinares.

Biografia do Autor

Camila Oliveira Fonseca, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

Doutoranda em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Minas Gerais, na área de Linguística Aplicada. Mestre em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal do Espírito Santo - com bolsa CAPES - na área de Linguística Aplicada Crítica. Possui graduação em Letras - Português / Inglês com Bacharelado em Tradução pela Universidade Federal de Ouro Preto. Membro do NECLLE - Núcleo de Estudos Críticos sobre Linguagens, Letramentos e Educação. 

Referências

ANDREOTTI, V.; MENEZES DE SOUZA, L. M. Translating theory into practice and walking minefields: Lessons from the project ‘Through Other Eyes’. International Journal of Development Education and Global Learning, (1). London: UCL, 2008.

ARENDT, H. The origins of totalitarianism. New York, NY: Meridian Books, 1958.

ARENDT, H. The human condition. Chicago: The University of Chicago Press, 2nd edition, 1998.

BAKHTIN, M. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. São Paulo: Hucitec, 2002.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 2006.

BHABHA, H. K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.

BOLER, M.; ZEMBYLAS, M. Discomforting truths: The emotional terrain of understanding differences. Pedagogies of difference: Rethinking education for social justice, 2003, p. 110-136.

CANAGARAJAH, S. Negotiating diversity in English Language Teaching: A tragedy in four acts. ELTWO: NUS CELC 5th Symposium Proceedings, 2016.

CORNWALL, A. Making spaces, changing places: situating participation in development. IDS, Working Paper 170. Sussex: Institute of Development Studies, October 2002.

DEBARBIEUX, B. Hannah Arendt’s spatial thinking: an introduction. Territory, Politics, Governance, 5:4, 2017, p. 351-367.

FERRAZ, D. M. Educação linguística e transdisciplinaridade. In: PESSOA, R. R.; SILVESTRE, V. P. V.; MONTE MÓR, W. (Orgs.). Perspectivas críticas de educação linguística no Brasil: trajetórias e práticas de professoras(es) universitárias(os) de inglês. 1. ed. São Paulo: Pá de Palavra, 2018.

GARCIA-CANCLINI, N. G. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: UNESP, 2011.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 11 Edição, 2006.

HUNTINGTON, S. Political development and political decay. World Politics, vol. 17, n.3, 1965, p. 386-430.

KUBOTA, R. Critical multiculturalism and second language education. In: Norton, B. & K. Toohey. (Eds.). Critical pedagogies and language learning. Cambridge: Cambridge University Press, 2004.

MACHADO, I. Espaço semiótico em diálogos e fronteiras. CASA: Cadernos de Semiótica Aplicada, v.13, n.1, 2015, p. 87-119.

MAHER, T. M. Do casulo ao movimento: A suspensão das certezas na educação bilíngue e intercultural. In: Cavalcanti, M. C.; Bortoni-Ricardo, S. M. (orgs.). Transculturalidade, linguagem e educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2007, p. 67-94.

MIGNOLO, W. El pensamento decolonial: desprendimiento y apertura: un manifiesto. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GOSFOGUEL, R. (Orgs.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007, p. 25-46.

MIGNOLO, W. Retos decoloniales, hoy. In: BORSANI, M. E.; QUINTERO, P (Orgs.). Los desafíos decoloniales de nuestros días: pensar em colectivo. Neuquén: Educo, 2014, p. 23-46.

MIGNOLO, W. Eurocentrism and Coloniality: The Question of Totality of Knowledge. In: MIGNOLO, W.; WALSH, C (Orgs.). On Decoloniality: Concepts, Analytics, Praxis. Durham: Duke University Press, 2018, p. 194-210.

MONTE MÓR, W. Sobre rupturas e expansão na visão de mundo: seguindo as pegadas e os rastros da formação crítica. In: PESSOA, R. R.; SILVESTRE, V. P. V.; MONTE MÓR, W. (Orgs.). Perspectivas críticas de educação linguística no Brasil: trajetórias e práticas de professoras(es) universitárias(os) de inglês. 1. ed. São Paulo: Pá de Palavra, 2018.

MORGAN, B.; MATTOS, A. Theories and practices in critical language teaching: A dialogic introduction. RBLA, vol. 18, n.2, 2018, p. 213-226.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. Epistemologias do Sul. Coimbra: Almedina, 2009, p. 73-117.

SANTIAGO, Silviano. Uma literatura nos trópicos: ensaios sobre dependência cultural. Rio de Janeiro: Rocco, 2º ed., 2000 (primeira publicação em 1978).

WALSH, C. (Re)pensamiento crítico y (de)colonialidad. In: WALSH, Catherine. (Org.). Pensamiento crítico y matriz (de)colonial. Reflexiones latinoamericanas. Quito: Ediciones Abya-yala, 2005, p. 13-35.

WALSH, C. Interculturalidad crítica y (de)colonialidad. Ensayos desde Abya Yala. Quito: Abya/Yala Instituto Científico de Culturas Indígenas, 2012.

WALSH, C. Decolonialidad, Interculturalidad, Vida desde el Abya Yala-Andino: Notas pedagógicas y senti-pensantes. In: BORSANI, M. E.; QUINTERO, P. (Orgs.). Los desafíos decoloniales de nuestros días: pensar em colectivo. Neuquén: Educo, 2014, p. 47-78.

Downloads

Publicado

07/01/2021

Como Citar

Fonseca, C. O. (2021). Cultura no plural: reflexões e interpretações em (des)construção. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 6(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v6i3.1836

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo