Globalização, Mobilidade e Trabalho na Rota do Turismo Popular

Autores

  • Rosana Eduardo da Silva Leal Universidade Federal de Sergipe

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v6i6.1816

Palavras-chave:

Globalização, Mobilidade, Trabalho, Turismo Popular

Resumo

O presente artigo buscará discutir as novas configurações do mundo do trabalho no âmbito da globalização, tendo como campo empírico o turismo popular proveniente das periferias do Recife. O objetivo é trazer à tona como os serviços turísticos populares inserem-se nos fluxos globais não-hegemônicos, promovendo o deslocamento e a sobrevivência de trabalhadores informais numa economia popular transnacional. Para a construção do trabalho, foram utilizados como ferramentas metodológicas os conteúdos teóricos, jornalísticos e empíricos, tendo como base a pesquisa etnográfica. A intenção é discutir antropologicamente como o turismo popular está contido na globalização não-hegemônica, na medida em que se apresenta como mercado de trabalho e ferramenta de mobilidade dos fatores de produção transnacionais, no âmbito da informalidade.

Biografia do Autor

Rosana Eduardo da Silva Leal, Universidade Federal de Sergipe

Professora do Departamento de Turismo da Universidade Federal de Sergipe, bem como docente do Programa de Pós-Graduação em Culturas Populares (PPGCULT/UFS). Realizou Pós-Doutorado no Programa Interuniversitario de Antropología de Iberoamérica pela Universidad de Salamanca-USAL (Espanha) como bolsista da CAPES. Doutora em Antropologia (PPGA-UFPE), Mestre em Comunicação (PPGCOM/UFPE) e Especialista em Ensino de História das Artes e das Religiões (UFRPE). É Bacharel em Turismo pela Universidade Federal de Pernambuco e Técnica em Turismo pelo Instituto Federal de Pernambuco. Desenvolve atividades de ensino, pesquisa e extensão em áreas que envolvem a relação entre Turismo, Cultura e Sociedade; Estudos Antropológicos do Turismo; Turismo, Cultura e Alimentação, bem como Turismo e Comunidade. É líder do Grupo de Pesquisa em Antropologia e Turismo ANTUR/UFS/CNPQ e afiliada à Associação Brasileira de Antropologia - ABA.

Referências

APPADURAI, Arjun. “Disjunção e diferença na economia cultural global” In: Featherstone, Mike (coord.). Cultura Global: nacionalismo, globalização e modernidade. 2.ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 1998, p.311-327.

ARROYO, João. “Economia Popular e Solidária”. In: MEDEIROS, Alzira; MARTINS, Paulo Henrique (orgs.). Economia Popular e Solidária: desafios teóricos e práticos, 2003, pp.51-58.

AUGÉ, Marc. Hacia uma Antropologia de los mundos contemporaneos. Barcelona: Gedisa, 1994.

BAUMAN, Zygmunt. O mal-estar na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

__________________. Globalização: consequências humanas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1999.

BOURDIEU, Pierre. “Esboço de uma Teoria da Prática”. In: ORTIZ, Renato (org.). Pierre Bourdieu. São Paulo: Ática, 1983.

CASTILHO, Sérgio. “Memória, experiência urbana e consumo entre famílias populares no bairro do Jacintinho, Maceió, Nordeste do Brasil”. In: LEITÃO, Débora K.; OLIVEIRA LIMA, Diana Nogueira de.; MACHADO, Rosana Pinheiro. Antropologia do consumo: diálogos entre Brasil e Argentina. Porto Alegre: AGE, 2006, pp.141-157.

CAVALCANTI, Josefa Salete B. “Globalização e processos sociais na fruticultura de exportação do vale do São Francisco”. In: CAVALCANTI, Josefa Salete B.(org.) Globalização, Trabalho, Meio Ambiente: Mudanças socioeconômicas em regiões frutícolas para exportação. INPSO, Instituto de Pesquisas Sociais, FUNDAJ, Fundação Joaquim Nabuco, Recife, Pernambuco, Brasil, 2004. Disponível em: <http://sala.clacso.org.ar>. Acesso em: 25.05.08.

CLIFFORD, James. Itinerarios transculturales: el viaje y la traducción a fines del siglo XIX. Barcelona: Gedisa, 1999.

DA MATTA, Roberto. A Casa & a Rua. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

DE CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. artes de fazer. 3ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

DOUGLAS, Mary; ISHERWOOD, Baron. O mundo dos bens: para uma antropologia do consumo. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2004.

FEATHERSTONE, Mike. “A Globalização da Mobilidade: experiências, sociabilidade e velocidade nas culturas tecnológicas”. In: Lazer numa sociedade globalizada. São Paulo: SESC /WRLA, 2000, p.47-111.

__________________. O desmanche da cultura: globalização, pós-modernidade e identidade. São Paulo: Studio Nobel: SESC, 1990.

GIDDENS, Anthony. As Consequências da Modernidade. São Paulo: Ed Unesp, 1991.

HALL, Stuart. Da Diáspora: identidades e medições culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

HANNERZ, Ulf. “Cosmopolitas e Locais na Cultura Global”. In: FEATHERSTONE, Mike. (Org.). Cultura Global: nacionalismo, globalização e modernidade. Rio de Janeiro: Vozes, 1999.

HARVEY, David. Condição pós-moderna. 14ª ed. São Paulo: Ed. Loyola, 1989.

JORNAL DO COMMERCIO. “Cobrança de taxa em praias causa tumulto”. In: Caderno Cidades. Reportagem publicada em 16.nov.2006.

LONG, Norman. “Globalization and localization: new challenges to rural research”. In: MOORE, Henrietta (ed.). The future of anthropological knowledge perspectives. London: Routledge, 1996, pp. 37-59.

LYRA, Maria Rejane Souza de Britto. “Sulanca X Muamba: rede social que alimenta a migração de retorno”. In: São Paulo em Perspectiva, v. 19, n. 4, out./dez. 2005, pp. 144-154.

MACCANNELL, Dean. El turista: una nueva teoría de la clase ociosa. Barcelona: Melusina, 2003 [1976].

MACHADO, Rosana Pinheiro. “A garantia soy yo”: etnografia das práticas comerciais entre camelôs e sacoleiros nas cidades de Porto Alegre (Brasil) e Ciudad Del Este (Paraguai). Dissertação apresentada no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2004, 143 p.

MAGNANI, José Guilherme. Festa no Pedaço: cultura popular e lazer na cidade. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1984.

MARIUZZO, Patrícia. Socióloga discute o desemprego e a questão de gênero no mundo do trabalho. Inovação Uniemp , Campinas, v. 2, n. 5, 2006.

MEDEIROS, Bartolomeu F.; LEAL, Rosana E.S. “Patrimônio Cultural, Identidades e Globalização Popular; um estudo de caso desde o Nordeste do Brasil”. In: VI Congresso Chileno de Antropologia, 2007.

MOTTA, Roberto; SCOTT, Parry. Sobrevivência e fontes de renda: estratégias das famílias de baixa renda no Recife. Recife: Ed. Massangana, 1983.

RAMALHO, José Ricardo; SANTANA, Aurélio. Trabalhadores, sindicatos, e a nova questão social. In: RAMALHO, J. R.; SANTANA, A. Além da fábrica: trabalhadores, sindicatos e a nova questão social. São Paulo: Boitempo, 2003, p.11-43.

RIBEIRO, Gustavo Lins. “A condição da transnacionalidade”. In: Série Antropologia. ISSN 1980-9867. Vol. 223, Brasília: DAN/UnB, 1997.

__________________. “Economic globalization from below”. Etnográfica, Vol X (2), nov., 2006, pp.233-249.

_______________. “El sistema mundial no-hegemónico y la globalizactión popular”. In: Série Antropologia. ISSN 1980-9867. Vol. 410, Brasília: DAN/UnB, 2007.

RODRIGUES, Ivanildo Dias. “Os camelôs e as atividades conexas que compõem o circuito de circulação das mercadorias”. In: Revista Pegada. Vol.08. N.01. Junho de 2007. pp.129-152.

SAHLINS, Marshall. Cultura na prática. Rio de Janeiro: UFRJ, 2004.

______________. O “pessimismo sentimental e a experiência etnográfica: por que a cultura não é um objeto em via de extensão” (Parte I). In: Mana. Rio de Janeiro, v.03, n.01, 1997.

SANTOS, Milton. “Lazer popular e geração de empregos”. In: Lazer numa sociedade globalizada. São Paulo: SESC /WRLA, 2000, p. 31-37.

TURNER,Victor. O processo ritual: estrutura e antiestrutura. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 1974.

URRY, John. O olhar do turista: lazer e viagens nas sociedades contemporâneas. 3ª ed. São Paulo: Studio Nobel: SESC, 2001.

Downloads

Publicado

30/04/2021 — Atualizado em 30/04/2021

Versões

Como Citar

Leal, R. E. da S. (2021). Globalização, Mobilidade e Trabalho na Rota do Turismo Popular. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 6(6). https://doi.org/10.23899/relacult.v6i6.1816

Edição

Seção

I - Congresso Internacional Online de Estudos sobre Culturas