O MURO NO DISCURSO JORNALÍSTICO: EM QUESTÃO DA ANÁLISE DE DISCURSO

Autores

  • Renata Carneiro Lemes Universidade de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v6i2.1814

Palavras-chave:

Discurso, Sentido, Revistas Jornalísticas, Muros

Resumo

A partir da teoria da análise de discurso, este artigo, procura analisar sequencias discursivas de revistas jornalísticas “Veja” que tematizam sobre os muros, com o intuito de compreender o modo como dão visibilidade ao sentido de muro na sua relação com o sujeito. Uma vez que os sentidos em relação aos sujeitos se constituem simultaneamente, e a língua para significar inscreve na história. No percurso deste artigo, as leituras, imersão teórica possibilita compreender o muro no discurso jornalístico veiculado pela revista “Veja” é atravessado por distintas posições ideológicas que o significa distintamente, uma vez que o sentido de “muro” não se prende ao pré-estabelecido, da literalidade à palavra, varia conforme as distintas posições sujeito que constituem as condições de produção.

Biografia do Autor

Renata Carneiro Lemes, Universidade de Mato Grosso

Doutoranda em Linguística

Referências

HOUAISS, A.; VILLAR, M. S. Dicionário Houaiss de Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2010.

LAGAZI, Suzi. O desafio de dizer não. Campinas, SP: Pontes, 1988.

MARIANI, Bethania. O PCB e a imprensa: as conquistas no imaginário dos jornais 1922- 1989. Campinas, SP. Ed. Da Unicamp, RJ, Ed. Revan, 1998.

ORLANDI, Eni P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas, SP: Pontes,1999.

ORLANDI, Eni P. Paráfrase e Polissemia. A fluidez nos Limites do Simbólico. Revista do Núcleo de Desenvolvimento da Criatividade da UNICAMP, Campinas, nº. 4, mar. 1998.

ORLANDI, Eni P. Sentidos em fuga: Efeito da polissemia e do silêncio. In: Sujeito, Sociedade, Sentidos. Campinas, Editora RG, 2012.

PÊCHEUX, Michel. (1975). Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio.Tradução de Eni P. Orlandi [et al.]. Campinas: Editora da UNICAMP, 1995.

PÊCHEUX, Michel. Papel da memória. In: ACHARD, P. et al. Papel da memória. Tradução José horta Nunes. Campinas: Pontes, 2010.

PÊCHEUX, Michel. O discurso: Estrutura ou Acontecimento? 2. ed. Trad. Eni Pulcinelli Orlandi.Campinas, São Paulo: Pontes, 2012.

ROBIM, Régine. A memória Saturada. Campinas SP: Editora da Unicamp, 2016.

SOUZA, Tânia C. C. de. “A análise do não verbal e os usos da imagem nos meios de comunicação”. In: Revista do Núcleo de Desenvolvimento da Criatividade da Unicamp, n º 7 março 2001.

WATKINS, Nathalia. VEJA. Folha de São Paulo, São Paulo, 2 setemb. 2015. p. 68.

Downloads

Publicado

23/11/2020

Como Citar

Carneiro Lemes, R. (2020). O MURO NO DISCURSO JORNALÍSTICO: EM QUESTÃO DA ANÁLISE DE DISCURSO. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 6(2). https://doi.org/10.23899/relacult.v6i2.1814

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo