A Pintura de João Sebastião da Costa: a iconografia no espaço sagrado e profano

Autores

  • Valéria Pereira Moreira Universidade Federal de Mato Grosso
  • José Serafim Bertoloto Universidade Federal de Mato Grosso
  • Juliano Batista dos Santos Instituto Federal de Mato Grosso
  • Ana Graciela Mendes Fernandes da Fonseca Voltolini Universidade de Cuiabá

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v6i6.1798

Palavras-chave:

João Sebastião da Costa, artista mato-grossense, iconografia, sagrado e profano, decolonial, América Latina.

Resumo

João Sebastião da Costa é um artista mato-grossense com uma criatividade ímpar, construiu seu legado e marcou a sua existência no cenário brasileiro, das artes visuais. Suas onças antropomórficas romperam os parâmetros das artes, ao se destacar nos inúmeros Salões de Arte Brasileira. A onça não era apenas o animal, ela precisava ter algo mais que isso, então ele elaborou aquilo, que o marcou, que o consagrou: a figura antropomórfica, mítica, encantada, provocativa, curiosa, que observa na espreita, um ser descrito pela crítica de arte, Aline Figueiredo “homem-bicho-santo”, cujos cenários transcendem os limites do real, os seres encantados, a celebração da natureza, a ambiência composta pela fauna, flora, a religiosidade, a devoção, a magia, na imensidão da espacialidade do cerrado, fez um artista peculiar. Na pintura em estudo o artista nos apresenta a figura do São Sebastião, repousando no interior da barriga da serpente, que nos remete à lenda do Minhocão do Parí, que habita o universo mítico dos ribeirinhos do Rio Cuiabá. O santo posicionado na parte inferior do quadro, devorado pela serpente, cria uma atmosfera singular, nos remetendo ao processo colonial na América Latina, uma vez que, o artista cria um cenário mítico, jocoso, cercado de religiosidade, onde seu lugar de fala sobrepõe aos ditames judaico-cristãos. Os fluxos de informações, que transitaram na América Latina, numa circulação e encontro de objetos e pessoas com suas práticas culturais distintas, que se cruzam e produzem outras práticas culturais inusitadas, como vemos na pintura de João Sebastião da Costa, a representação decolonial dos seus santos.

Biografia do Autor

Valéria Pereira Moreira, Universidade Federal de Mato Grosso

Licenciada em Letras - Português e Literaturas pela Universidade Federal de Mato Grosso (1994), Especialização em Semiótica da Cultura pela Universidade Federal de Mato Grosso (1996) e Mestrado em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2003). Atualmente é Assistente em Administração da Universidade Federal de Mato Grosso e doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea, sob a orientação do Prof. Dr. José Serafim Bertoloto. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Artes.

José Serafim Bertoloto, Universidade Federal de Mato Grosso

Membro da Associação Brasileira de Críticos de Arte - ABCA. Possui graduação em Licenciatura e Bacharel em História pela Universidade Federal de Mato Grosso (1985), graduação em Tecnólogo em Bovinocultura pela Universidade Federal de Mato Grosso (1980), mestrado em Artes pela Universidade de São Paulo (1992), especialização em Museu de Arte pelo MAC-USP (1998) e doutorado em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2003). Professor titular da Universidade de Cuiabá, Departamento de Arquitetura e do Programa de Pós-Graduação em Ensino da Universidade de Cuiabá. Hoje aposentado como técnico, mas atua como um dos curadores no Museu de Arte e de Cultura Popular da Universidade Federal de Mato Grosso, onde trabalhou por 28 anos como historiador/pesquisador, e diretor por vários anos. É também professor colaborador no programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea - Área Interdisciplinar / Mestrado e Doutorado. Artista Plástico com vasta experiência na área de Artes, com ênfase em teoria e crítica, atuando principalmente nos seguintes temas: poética, artes visuais, cultura popular, patrimônio artístico cultural, semiótica da arte e do design em Mato Grosso. Principal publicação: Iconografia das Águas: o rio e suas imagens.

Juliano Batista dos Santos, Instituto Federal de Mato Grosso

Doutor e mestre em Estudos de Cultura Contemporânea pela Universidade Federal de Mato Grosso. Especialista em Educação do Campo pelo Instituto Federal de Mato Grosso. Bacharel e licenciado em Filosofia pela Universidade Federal de Uberlândia. Professor de Filosofia no Instituto Federal de Mato Grosso, Campus Cuiabá. Membro do Grupo de Estudos Artes Híbridas: intersecções, contaminações e transversalidades.

Ana Graciela Mendes Fernandes da Fonseca Voltolini, Universidade de Cuiabá

Docente colaboradora do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ensino (Unic/IFMT), Pós-Doutorado na modalidade bolsista Júnior CNPq pela Universidade Federal de Mato Grosso (2017), Doutora em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo, Mestre em Estudos de Cultura Contemporânea e Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Radialismo ambos pela Universidade Federal de Mato Grosso. Bolsista de Iniciação Cientifica PIBIC/CNPq por dois anos durante a graduação e bolsista CAPES no mestrado e doutorado. Atuou como mídia e atendimento publicitário e na elaboração de projetos para Leis de Incentivo e Editais na área da Cultura. Atualmente é docente da Universidade de Cuiabá (Unic) na Faculdade de Comunicação Social (FACS) nos cursos de Jornalismo e Publicidade e também na pós-graduação, além de professora substituta na Universidade Federal de Mato Grosso nos cursos de Radialismo e Cinema e Audiovisual. Elabora materiais e ministra disciplinas EAD (graduação e pós-graduação) para outras IES. Desde o doutorado desenvolve pesquisas e publicações na área de Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação e ensino-aprendizagem, com ênfase nos usos e apropriações de dispositivos móveis e alfabetização midiática. Membro da Associação Brasileira de Educação a Distância - ABED desde 2017.

Downloads

Publicado

30/04/2021 — Atualizado em 30/04/2021

Como Citar

Moreira, V. P., Bertoloto, J. S., dos Santos, J. B., & Mendes Fernandes da Fonseca Voltolini, A. G. (2021). A Pintura de João Sebastião da Costa: a iconografia no espaço sagrado e profano. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 6(6). https://doi.org/10.23899/relacult.v6i6.1798

Edição

Seção

I - Congresso Internacional Online de Estudos sobre Culturas

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)