O suicídio como problema de saúde coletiva na América Central Continental: uma análise dos casos consumados entre 2010-2016

Autores

  • Roberth Steven Gutiérrez Murillo Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA)
  • Carmen Justina Gamarra Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA)
  • Walfrido Kühl Svoboda Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA)
  • Noeli Kühl Svoboda Ministério Público do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v6i1.1781

Palavras-chave:

Sistema de assistência social, Sistema de saúde, Suicídio, Autolesões.

Resumo

Na última década na América Central, como nas demais regiões latino-americanas, registrou-se notável incremento nos índices de mortalidade tendo como motivo de óbito o suicídio. Tal situação representa desafio hodierno para os sistemas de saúde e de assistência social centro-americanos. Nesse sentido, este trabalho teve por objetivo identificar o perfil dos casos de suicídios consumados entre 2010 e 2016, em países do trecho continental centro-americano. Para tanto, delineou-se um estudo ecológico, analítico-descritivo, com abordagem quantitativa, que analisou dados secundários disponibilizados pelo Observatorio Centroamericano y República Dominicana de la Conducta Suicida. Os dados foram tratados pela estatística descritiva, empregando medidas de dispersão (média, desvio padrão, limites inferior e superior), logo apresentadas por meio de tabelas comparativas, por meio de valores absolutos (f) e relativos (%). Os resultados obtidos apontam que o suicídio na América Central, trecho continental, é predominantemente maior em homens (76,84%); Guatemala foi a nação que mais registrou óbitos suicidas (26,13%) e Belize reportou a menor incidência (1,49%). Em relação à época do ano, houve maior número de suicídios durante o segundo trimestre dos anos verificados, ou seja, há mais mortes autoprovocadas durante os meses de abril, maio, e junho. Ressalta-se a magnitude do suicídio como problema de saúde coletiva no trecho continental da sub-região centro-americana, requisitando abordagens multidimensionais que visem entender a questão por diferentes ângulos; assim, possibilitando a proposição de intervenções interprofissionais que venham fortalecer a conscientização e a prevenção desse agravo no âmbito da saúde mental.

Biografia do Autor

Roberth Steven Gutiérrez Murillo, Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA)

Sanitarista Bacharel em Saúde Coletiva pela Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA, 2016-19). Mestrando no Programa de Pós-graduação em Gerontologia pela Universidad Europea del Atlántico (UNEATLANTICO/Espanha, 2020-21). Certificação Internacional Nível Básico na Atenção à Saúde do Idoso pela Organização Pan-americana da Saúde (OPAS, 2018). Sanitarista Residente no Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família pela UNILA (2020-21).

Carmen Justina Gamarra, Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA)

Bacharel e Licenciada em Enfermagem - Universidad Nacional de Misiones, Argentina (2000). Título revalidado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul -Brasil (2015). Especialização em Enfermagem no controle do câncer - INCA-RJ. Mestrado em Enfermagem pela Escola de Enfermagem Anna Nery /UFRJ (2004). Doutorado (2009) e pôs-doutorado (2012) em Saúde Coletiva pelo IMS/Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal da Integração Latino-Americana- UNILA. Tem experiência no Ensino e na Pesquisa na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Epidemiologia.

Walfrido Kühl Svoboda, Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA)

Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Federal do Paraná-UFPR (1994), mestrado em Engenharia de Alimentos pela Universidade Estadual de Campinas-UNICAMP (1997) e doutorado em Ciência Animal pela Universidade Estadual de Londrina-UEL (2007), onde desenvolveu tese sobre Vigilância da Febre Amarela e outras zoonoses de interesse à Saúde Pública. Possui duas especializações pela UFPR: Docência em Educação à Distância (EAD)(1999) e Terapia Comunitária Integrativa (TCI)(2012-2013). Atualmente cursa Teologia Livre pelo Instituto Bíblico Quero Viver - IBQV (2017-atual). Atualmente é Professor Associado do Curso de Saúde Coletiva, do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas e Desenvolvimento e do Programa de Residência Multiprofissional de Saúde da Família da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA)

Noeli Kühl Svoboda, Ministério Público do Paraná

Psicóloga graduada pela Universidade Tuiuti do Paraná (1988), Teóloga graduada pelo Centro Universitário Filadélfia (2013), Especialista em Direito de Família pela PUC/PR (2002), Mestre em Direito pela Universidade Internacional de Lisboa (2006), Terapeuta de Família, Terapeuta Floral, Especialista em Homeopatia pela HOMEOBRAS e Faculdade Inspirar (2016), Consteladora pelo Espaço Luz do Ser, Acupunturista pelo Instituto de Educação e Cultura Chinesa (1999), Especialista em Administração Pública pela Fundação Getúlio Vargas (1994), Especialista em Perícia de Trânsito pela UFSC (2009). Técnica em Contabilidade pelo Colégio Bom Jesus (1978).

Referências

ARAGÃO, J. Introdução aos estudos quantitativos utilizados em pesquisas científicas. Práxis, [S.l.], v. 3, n. 6, p. 59-62, 2011. Disponível em: http://revistas.unifoa.edu.br/index.php/praxis/article/view/566/0. Acesso em: 12 dez. 2019.

ARIAS, E; BLANCO, I. Una aproximación al entendimiento del suicidio en zonas rurales y remotas de América Latina. Estudios Sociológicos, [S.l.], v. XXVIII, n. 82, p. 185-210, 2010. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/598/59820675008.pdf. Acesso em: 01 jan. de 2020.

BETANCORT, E. M. N.; RODRÍGUEZ, J. H.; PÉREZ, P. L. Los límites de la prevención del suicidio. Revista Asociación Española de Neuropsiquiatría, [S.l.], v. 39, n. 135, p. 193-214, 2019. Disponível em: http://www.revistaaen.es/index.php/aen/article/view/17085. Acesso em: 10 jan. 2020.

MINISTÉRIO DA SAÚDE DO BRASIL – MS. Resolução nº 446, de 12 de dezembro de 2012. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html Acesso em: 19 jan. 2020.

CAVALIERI, E. O suicídio na abordagem fenomenológica. In: CAMPOS, I. F. (Org.). Vidas interrompidas. Vitória: DIO, 2009. Disponível em: https://ciatox.es.gov.br/Media/toxcen/Material%20Informativo/6-Livro%20Vidas%20Interrompidas%20-%20Preven%C3%A7%C3%A3o%20do%20Suic%C3%ADdio.pdf. Acesso em: 22 dez. 2019.

CONSEJO DE MINISTROS DE SALUD DE CENTROAMÉRICA – COMISCA. Observatorio Centroamericano y República Dominicana de la conducta suicida, 2018. Disponível em: http://comisca.net/content/observatorio_suicidio?Idm=1. Acesso em: 12 dez. 2019.

COMISIÓN ECONÓMICA PARA AMÉRICA LATINA Y EL CARIBE. Base de datos y publicaciones estadísticas. Perfiles nacionales. Disponível em: https://estadisticas.cepal.org/cepalstat/perfilesNacionales.html?idioma=spanish Acesso em: 12 dez. 2019.

FERNÁNDEZ, L. G. et al. Suicidio en el adulto mayor. Revista Información Científica, [S.l.], v. 76, n. 4, 2012. Disponível em: http://www.revinfcientifica.sld.cu/index.php/ric/article/view/819/1777. Acesso em: 23 jan. 2020.

GARCÍA, A. G. G.; CONTRERAS, C. M.; RODRÍGUEZ, R. C. O. El suicidio, conceptos actuales. Salud Mental, [S.l.], v. 29, n. 5, p. 66-74, 2006. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/582/58229510.pdf. Acesso em: 15 dez. 2019.

GUEDES, T.A et al. Estatística descritiva. Projeto de ensino aprender fazendo estatística. 2005. Disponível em: http://www.each.usp.br/rvicente/Guedes_etal_Estatistica_Descritiva.pdf. Acesso em: 30 abr. 2020.

HARO, J. G.; PASCUAL, G. H.; GONZÁLEZ, M. G. Un enfoque contextual-fenomenológico sobre el suicidio. Revista Asociación Española de Neuropsiquiatría, [S.l.], v. 38, n. 134, p. 381-400, 2018. Disponível em: http://www.revistaaen.es/index.php/aen/article/view/17052. Acesso em: 02 dez. 2019.

HEIN, P.; LARROBLA, C. Introdução geral. In: CANETTI, A. et al. (Orgs.). 70 años de Suicidio en Uruguay: 7 disciplinas, 7 entrevistas, 7 encuentros. Montevideo, Uruguay: González, Víctor, 2017.

HERNÁNDEZ, A. M. C. et al. Epidemiología del suicidio en el Estado de Guanajuato. Salud Mental, [S.l.], v. 27, n. 2, p. 15-20, 2004. Disponível em: http://www.revistasaludmental.mx/index.php/salud_mental/article/view/991. Acesso em: 29 dez. 2019.

HERRERA, A.; SOLORZANO, L.; BASAURI, V. A.; CALDERA, T. Suicidio en Centroamérica y República Dominicana, 1998-2008. Cuadernos de Psiquiatría Comunitaria, [S.l.], v. 9, n. 2, p. 177-186, 2009. Disponível em: http://www.aen.es/docs/Cuadernos9.2.pdf. Acesso em: 12 jan. 2020.

LIMA-COSTA, M. F.; BARRETO, S. M. Tipos de estudos epidemiológicos: conceitos básicos e aplicações na área do envelhecimento. Epidemiologia e Serviços de Saúde; 12(4): 189 – 20, 2003. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742003000400003. Acesso em: 07 jan. 2020.

MADRID, J. C. C. Locos por nuestros derechos: comunidad, salud mental y ciudadanía en el Chile contemporáneo. Quadernos de Psicologia, [S.l.], v. 21, n. 2, e1502, 2019. Disponível em: https://www.quadernsdepsicologia.cat/article/view/v21-n2-Cea. Acesso em: 12 dez. 2019.

MINAYO, M. C. S. Suicídios nas Américas: um problema de saúde pública e para a sociedade. In: CANETTI, A. et al. (Orgs.). 70 años de Suicidio en Uruguay: 7 disciplinas, 7 entrevistas, 7 encuentros. Montevideo, Uruguay: González, Víctor, 2017.

MOLINA, R.T; LECHUGA, E.N. Factores de riesgo asociados al suicidio e intento de suicidio. Salud Uninorte, [S.l.], n. 17, p. 19-28, 2003. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/817/81701703.pdf. Acesso em: 07 jan. 2020.

MORA, M. T.; MOYA, D. Z.; CALDERÓN, J. E. Análisis de lesionología de una muestra de 353 autopsias de suicidios, Departamento de Medicina Legal, Costa Rica del 2010 al 2016. Revista Medicina Legal de Costa Rica, [S.l.], v. 36, n. 2, p. 06-16, 2019. Disponível em: https://www.scielo.sa.cr/pdf/mlcr/v36n2/2215-5287-mlcr-36-02-6.pdf. Acesso em: 07 jan. 2020.

MUÑOZ, J. V.; VEGA, D. J.; MENDOZA, A.; MUÑOZ, V. H. Suicidio e intento de suicidio por salto desde altura en el Puente Villena. Revista de Neuro-Psiquiatría, [S.l.], v. 68, n. 3-4, p. 140-152, 2005. Disponível em: http://sisbib.unmsm.edu.pe/BVRevistas/Neuro_psiquiatria/v68_n3-4/pdf/a03.pdf. Acesso em: 07 jan. 2020.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. Folha informativa: suicídio, 2018. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5671:folha-informativa-suicidio&Itemid=839 Acesso em: 29 jan. 2020.

ORGANIZACIÓN MUNDIAL DE LA SALUD. Clasificación internacional de enfermedades – CIE-11, 2019. Disponível em: https://icd.who.int/browse11/l-m/es#/http%3a%2f%2fid.who.int%2ficd%2fentity%2f851395624 Acesso em: 14 jan. 2020.

ORGANIZACIÓN PANAMERICANA DE LA SALUD. Informe regional: mortalidad por suicidio en las Américas. Washington D. C., 2014. Disponível em: https://www.paho.org/hq/dmdocuments/2014/PAHO-Mortalidad-por-suicidio-final.pdf Acesso em: 07 jan. 2020.

PIRES, D. X.; CALDAS, E. D.; RECENA, M. C. P. Uso de agrotóxicos e suicídios no Estado do Mato Grosso do Sul, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, [S.l.], v. 21, p. 598-604, 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csp/v21n2/27.pdf. Acesso em: 09 dez. 2019.

REYES, W. G. Epidemiología de la conducta suicida. Revista Cubana de Medicina General Integral, Ciudad de La Habana, v. 18 n. 2, 2002. Disponível em: http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0864-21252002000200007. Acesso em: 11 jan. 2020.

ROCHA, M. A. S.; BORIS, G. D. J.; MOREIRA, V. A experiência suicida numa perspectiva humanista-fenomenológica. Revista da Abordagem Gestáltica, [S.l.], v. XVIII, n. 1, p. 69-78, 2012. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-68672012000100010. Acesso em: 22 dez. 2019.

RODRIGUES, M. B. F. Suicídio, tabu e silêncio. In: CAMPOS, Í. F. (Org.). Vidas interrompidas. Vitória: DIO, 2009.

SANDOVAL, M. T. R.; HERNÁNDEZ, J. L. A.; GARCÍA, O. W. C. C. Informe final: conducta suicida y factores asociados en la ciudad de Jutiapa. Guatemala: Universidad Juan Carlos de Guatemala, 2016. Disponível em: https://digi.usac.edu.gt/bvirtual/informes/puiis/INF-2016-30.pdf. Acesso em: 02 jan. 2020.

SCHNEIDER, A. População e perfil sanitário: perspectivas para 2030. Fundação Oswaldo Cruz: Saúde amanhã. Publicado em setembro de 2014. Disponível em: https://saudeamanha.fiocruz.br/populacao-e-perfil-sanitario-perspectivas-para-2030/#.XhudalMzbpA. Acesso em: 28 jan. 2019.

SILVA, J. A.; BARBOSA, C. A. N. O suicídio na visão da doutrina espírita e das ciências: revisão de literatura. Revista Psicologia Saúde e Debate, [S.l.], v. 5, n. 2, p. 96-111, 2019. Disponível em: http://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V5N2A7. Acesso em: 13 de janeiro de 2020.

SISTEMA DE INTEGRACIÓN CENTROAMERICANA – SICA. Consejo de ministros de salud de Centroamérica (COMISCA). Quiénes somos: COMISCA y su secretaria ejecutiva, 2013. Disponível em: https://www.sica.int/comisca/breve.aspx. Acesso em: 22 jan. 2020.

SUELVES, J. M.; ROBERT, A. La conducta suicida: una mirada desde la salud pública. Revista Española de Medicina Legal, [S.l.], v. 38, n. 4, p. 137-142, 2012. Disponível em: https://www.elsevier.es/es-revista-revista-espanola-medicina-legal-285-articulo-la-conducta-suicida-una-mirada-S0377473212000879. Acesso em: 10 dez. 2019.

VENCO, S.; BARRETO, M. O sentido social do suicídio no trabalho. Revista do Tribunal Superior do Trabalho, Brasília, vol. 80, no 1, 2014. Disponível em: https://juslaboris.tst.jus.br/handle/20.500.12178/61186. Acesso em: 19 de dezembro de 2019.

WALSH, F; MCGOLDRICK, M. Morte na família: sobrevivendo às perdas. Artmed, 2004.

ZILLMER, J. G. V. et al. Modelo bioecológico de Urie Bronfenbrenner e inserção ecológica: uma metodologia para investigar famílias rurais. Texto contexto - enfermagem, Florianópolis, v. 20, n. 4, p. 669-674, dez. 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-07072011000400004&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 09 jan. 2020.

Downloads

Publicado

01/05/2020

Como Citar

Gutiérrez Murillo, R. S., Gamarra, C. J., Kühl Svoboda, W., & Kühl Svoboda, N. (2020). O suicídio como problema de saúde coletiva na América Central Continental: uma análise dos casos consumados entre 2010-2016. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 6(1). https://doi.org/10.23899/relacult.v6i1.1781

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo