Abandono de estações férreas: cartografia nas cidades de Jaguarão e Rio Branco na fronteira Brasil-Uruguay

Autores

  • Vanessa Forneck Universidade Federal de Pelotas
  • Eduardo Rocha Universidade Federal de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v6i4.1751

Resumo

Durante quase um século, as estações férreas funcionaram como ponto de embarque e desembarque de passageiros. Por volta de 1990 ocorre a interrupção de seu uso original e as edificações tornaram-se obsoletas e, por consequência, criaram-se territórios abandonados. Neste trabalho, busca-se explorar os territórios no entorno das estações férreas abandonadas, analisando as relações dessas edificações com quem habita aqueles espaços, compreendendo de que modo o local é sentido e vivenciado. O método adotado é o da cartografia sensível, onde são mapeados os processos vivenciados a partir de uma experiência em um território. As cidades-gêmeas de Jaguarão e Rio Branco apresentam a presença da ponte e da passagem do trem como indicadores de uma ação de ruptura, do atravessamento dessa linha de fronteira. Assim, as estações férreas possuíam uma força que atuava na conexão entre os países, e que hoje, não são mais encontradas. De forma simplificada, o abandono das estações férreas apresenta-se de duas maneiras. A primeira é um abandono visível, é estar nitidamente abandonada, sendo perceptível seus sintomas através de rachaduras aparentes, infiltrações, depredações. A segunda maneira é de um abandono invisível, oculto, que vai além da aparência material. As especificidades encontradas nesses territórios, auxiliam na elaboração de pistas que revelam as potencialidades que surgem a partir desses atravessamentos. Compreende-se o modo que as pessoas se apropriam das estações férreas e de que maneira podem ser propostas futuras intervenções nesses espaços, pensando na valorização da edificação patrimonial e nas novas dinâmicas encontradas nesses territórios.

Biografia do Autor

Vanessa Forneck, Universidade Federal de Pelotas

Bacharel em Arquitetura e Urbanismo, mestranda em Arquitetura e Urbanismo na linha de Urbanismo Contemporâneo; Universidade Federal de Pelotas – UFPel; Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil

Eduardo Rocha, Universidade Federal de Pelotas

Doutor em Arquitetura e Urbanismo; Universidade Federal de Pelotas – UFPel; Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil

Downloads

Publicado

29/03/2020

Como Citar

Forneck, V., & Rocha, E. (2020). Abandono de estações férreas: cartografia nas cidades de Jaguarão e Rio Branco na fronteira Brasil-Uruguay. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 6(4). https://doi.org/10.23899/relacult.v6i4.1751

Edição

Seção

V - Encontro Humanístico Multidisciplinar