A dança entre grupos tradicionais e o imaginário mítico para sua constituição

Autores

  • Claudio Baptista Carle Universidade Federal de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v6i4.1747

Palavras-chave:

Danças tradicionais, Imaginário, Ameríndios, Afroamericanos

Resumo

O texto que apresento é fruto de um contexto exploratórios de manifestações dançadas específicas de grupos que posso considerar tradicionais eu de manifestações tradicionais de grupos no Brasil. Os grupos estudados são os ameríndios e as sociedades africanas arrastadas para a América que desenvolveram uma série de danças espelhadas no imaginário mítico tradicional. A forma de aproximação com estas danças foi feita a partir da “aura do imaginário” do Círculo de Eranos. O Imaginário estudado pelo Circulo de Eranos, inicialmente na Europa, investigou sistemas míticos que já estavam escritos, mas quando nos deparamos com as sociedades tradicionais no Brasil verifica-se que estas míticas são vivas e em constante transformação, sem contudo perder suas bases simbólicas originais.  O imaginário me possibilita identificar as bases simbólicas que formaram as míticas que apresentam as imagens que se buscam manter nessas sociedades em destaque. Neste trabalho apresento alguns exemplos destas míticas, dos símbolos originais e as formaram a partir da investigação da externalização dessas, que eu chamo de apresentação. Estudando esses contextos étnicos tradicionais é possível verificar a persistência simbólica, que possibilita manter a própria tradição e com isso perpetuar sua identidade étnica. Foquei nas “danças afro” desenvolvidas no sul do Brasil e algumas manifestações dançadas dos ameríndios do sul e do norte do Brasil. Estas danças são hoje reconhecidamente danças de expressão da persistência, das formas de pensar e agir, com/no mundo, dessas comunidades, na contraposição ao contexto simbólico trazido pelos invasores europeus, transformando estas danças em manifestações socioculturais de resistência dos afro-americanos e ameríndios.

Biografia do Autor

Claudio Baptista Carle, Universidade Federal de Pelotas

Graduado em História

Mestre em História Ibero Americana

Doutor em História com Área de Concentração em Arqueologia

Referências

ACCURSO, Anselmo da Silva. Capoeira: um instrumento de educação popular. Porto Alegre: Edição Independente, 1995

BACHELARD, Gaston, A água e os sonhos: ensaio sobre a imaginação da matéria. (Coleção Tópicos); [tradução Antônio de Pádua Danesi]. - São Paulo : Martins Fontes, 1997.

BACHELARD, Gaston, A poética do devaneio. [tradução Antônio de Pádua Danesi.] - São Paulo: Martins Fontes, 1988.

BARBOSA, Maria Jose Somerlate . Capoeira: A gramática do corpo e a dança das palavras. Luso-Brazilian Review 42:1 ISSN 0024-7413, by the Board of Regents of the University of Wisconsin System (pp. 78-98), 2005

BARTH, F. Grupos Étnicos e suas fronteiras. In: POUTIGNAT, P. Teorias da etnicidade. Seguido de grupos étnicos e suas fronteiras de Fredrik Barth, Philippe Poutignat, Jocelyne Streiff-Fenard. Tradução de Elcio Fernandes. São Paulo: UNESP, 1998.

BORGES, Júlio César. Peixes, Lontras e Arraias: resistência étnica dos índios Krahô através da festa. In Revista Anthropológicas, Ano 19, 26(1):15-44, 2015

CASSIRER, Ernst. Antropologia filosófica. Introducción a una filosofía de la cultura. 5ª ed., Cid. Do México: Fondo de Cultura Econômica,1968

CASSIRER, Ernst. Linguagem e Mito. 3ª ed., São Paulo: Perspectiva, 1992

DURAND, Gilbert. Campos do Imaginário. Lisboa: Instituto Piaget, 1996 (Longínquo Atlântico e próximo Telúrico, imaginário lusitano e imaginário Brasileiro, pp 197-204).

DURAND, Gilbert. Estruturas Antropológicas do Imaginário. Introdução a Aquetipologia Geral. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

DURAND, Gilbert. O imaginário. Ensaio acerca das ciências e da filosofia da imagem. [Tradução René Eve Levié], 3ª Ed., Rio de Janeiro: Difel, 2004.

HEIDDEGER, Martim. Introdução a Metafísica, Rio de Janeiro,:Tempo Brasileiro, 1966

HENTGES, Angelita. Imaginários Fermentadores de Educação nas Rodas de Capoeira Angola do Accara: Elementos de uma Educação Circular. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS. 136f, 2016

LÉVI-STRAUSS, C. O Cru e o Cozido (Mitológicas 1). São Paulo: Brasiliense,1991

MACEDO, Aurinete Silva. Saberes tradicionais Krahô e educação escolar indígena: um diálogo possível na escola indígena 19 de abril. (Oror Prof. Dr. Francisco Edviges Albuquerque) Dissertação Mestrado em Ensino de Língua e Literatura – Universidade Federal do Tocantins - PPGL, Araguaína: UFT,130f, 2015.

PINTO, Marilina C. Oliveira Bessa Serra . A Amazônia e o imaginário das águas. Trabalho apresentado na mesa-redonda Populações Amazônicas do 1◦ Encontro da Região Norte da Sociedade Brasileira de Sociologia, em 16/10/08 promovido pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia PPGS/UFAM. Manaus, 2008

PITTA, Danielle P. Rocha. Imaginário: derivações de métodos no Brasil. Téssera. Uberlândia, MG, v.1, n.1,p.154-172, jul./dez. 2018

Downloads

Publicado

29/03/2020

Como Citar

Carle, C. B. (2020). A dança entre grupos tradicionais e o imaginário mítico para sua constituição. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 6(4). https://doi.org/10.23899/relacult.v6i4.1747

Edição

Seção

V - Encontro Humanístico Multidisciplinar