Trabalho, Globalização e Antropologia

Autores

  • Rosana Eduardo da Silva Leal Universidade Federal de Sergipe

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i3.1727

Palavras-chave:

Globalização, Antropologia, Trabalho

Resumo

O trabalho é ainda uma das forças centrais da sociedade. Trata-se de um espaço simbólico em que perpassam relações de exploração, reivindicação, negociação, rede de solidariedade ou competição, apresentando-se também como campo em que dialogam saberes, ofícios, técnicas e tecnologias distintas. Para a Antropologia, o mundo do trabalho não se constitui apenas de valores pecuniários, pois oferece uma multiplicidade de produções culturais possíveis de serem estudadas. Os estudos antropológicos sobre o trabalho observam as formas de controle no recrutamento dos trabalhadores, as hierarquias construídas, o processo de qualificação transnacional e as formas de valorização e reconhecimento de ofícios tradicionais. Considera ainda os tipos de trabalho, as formas de rendimento e como estes interferem na vida social comunitária dos respectivos trabalhadores. Neste âmbito, o presente artigo tem como objetivo desenvolver um debate teórico sobre os caminhos percorridos pelo mundo do trabalho em tempos de globalização. Busca ainda estabelecer uma análise sobre o papel, os desafios e as contribuições da Antropologia na teorização e pesquisa sobre o tema. Diante do exposto, consideramos que o estudo do mundo do trabalho envolve situações extremas quando descortinam ambientes de desigualdades sociais, formas de exploração diversas (prostituição, trabalho infantil, trabalho escravo), bem como práticas discriminatórias e de exclusão, exigindo posicionamentos críticos, éticos e políticos do antropólogo.

Biografia do Autor

Rosana Eduardo da Silva Leal, Universidade Federal de Sergipe

Professora do Departamento de Turismo da Universidade Federal de Sergipe, bem como docente do Programa de Pós-Graduação em Culturas Populares (PPGCULT/UFS). Realizou Pós-Doutorado no Programa Interuniversitario de Antropología de Iberoamérica pela Universidad de Salamanca-USAL (Espanha) como bolsista da CAPES. Doutora em Antropologia (PPGA-UFPE), Mestre em Comunicação (PPGCOM/UFPE) e Especialista em Ensino de História das Artes e das Religiões (UFRPE). É Bacharel em Turismo pela Universidade Federal de Pernambuco e Técnica em Turismo pelo Instituto Federal de Pernambuco. Desenvolve atividades de ensino, pesquisa e extensão em áreas que envolvem a relação entre Turismo, Cultura e Sociedade; Estudos Antropológicos do Turismo; Turismo, Cultura e Alimentação, bem como Turismo e Comunidade. É líder do Grupo de Pesquisa em Antropologia e Turismo ANTUR/UFS/CNPQ e afiliada à Associação Brasileira de Antropologia - ABA.

Referências

ABRAMO, LAÍS. Desafios atuais da sociologia do trabalho na América Latina: Algumas hipóteses para a discussão. En publicacion: Los retos teóricos de los estudios del trabajo hacia el siglo XXI. Enrique de La Garza Toledo. CLACSO, 1999.

ANTUNES, Ricardo. A nova morfologia do trabalho e o desenho multifacetado das ações coletivas. In: RAMALHO, José Ricardo & SANTANA, Aurélio. Além da fábrica: trabalhadores, sindicatos e a nova questão social. São Paulo: Boitempo, 2003, p.179-212.

APPADURAI, Arjun. “Disjunção e diferença na economia cultural global” In: Featherstone, Mike (coord.). Cultura Global: nacionalismo, globalização e modernidade. 2.ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 1998, p.311-327.

BENDINI, Mônica. Entre maçãs y pêras: globalização, competitividade e trabalho. In: CAVALCANTI, Josefa Salete B.(org.) Globalização, Trabalho, Meio Ambiente: Mudanças socioeconômicas em regiões frutícolas para exportação. INPSO, Instituto de Pesquisas Sociais, FUNDAJ, Fundacao Joaquim Nabuco, Recife, Pernambuco, Brasil,

Disponível em: <http://sala.clacso.org.ar>. Acesso em: 25.05.08.

BEYNON, Huw. O sindicalismo tem futuro no século XXI? In: RAMALHO, José Ricardo & SANTANA, Aurélio. Além da fábrica: trabalhadores, sindicatos e a nova questão social. São Paulo: Boitempo, 2003, p.44-71.

BONANNO, Aessandro. A globalização da economia e da sociedade: fordismo e pós-frodismo no setor agroalimentar. In: CAVALCANTI, Josefa Salete B.(org.) Globalização, Trabalho, Meio Ambiente: Mudanças socioeconômicas em regiões frutícolas para exportação. INPSO, Instituto de Pesquisas Sociais, FUNDAJ, Fundacao Joaquim Nabuco, Recife, Pernambuco, Brasil, 2004. Disponível em: <http://sala.clacso.org.ar>. Acesso em: 25.05.08.

CAVALCANTI, Josefa Salete B. Globalização e processos sociais na fruticultura de exportação do vale do São Francisco. In: CAVALCANTI, Josefa Salete B.(org.) Globalização, Trabalho, Meio Ambiente: Mudanças socioeconômicas em regiões frutícolas para exportação. INPSO, Instituto de Pesquisas Sociais, FUNDAJ, Fundação Joaquim Nabuco, Recife, Pernambuco, Brasil,

Disponível em: <http://sala.clacso.org.ar>. Acesso em: 25.05.08.

CAVALCANTI, Josefa S. B. Frutas para o mercado global. São Paulo: Estudos avançados. Vol 11, n.29. Abr. 1997.

CLIFFORD, James. Dilemas de la Cultura: antropóloga, literatura y arte em la perspectiva posmoderna. Barcelo: GEDISA, 2001.

COPANS, Jean; GODELIER, Maurice; TORNAY, Serge; BACKES-CLEMENT, Catherine. Antropologia. Ciências das Sociedades Primitivas? Lisboa, Edições 70, p.21-56.

GEERTZ, Cliffod. Nova luz sobre a Antropologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001, p.191-228.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. São Paulo: Editora UNESP, 1991.

GODELIER, Maurice. O ocidente, espelho partido: uma avaliação parcial da antropologia social, acompanhada de algumas perspectivas. RCBS. n 21, ano 08, fev. de 1993. p. 05-21.

HARVEY, David. Condição pós-moderna. 14ª ed. São Paulo: Ed. Loyola, 1992.

IANNI, Octavio. As ciências sociais na época da globalização. Revista Brasileira de Ciências Sociais. vol.13, n.37, São Paulo, junho, 1998.

MACHADO, Rosana Pinheiro. “A garantia soy yo”: etnografia das práticas comerciais entre camelôs e sacoleiros nas cidades de Porto Alegre (Brasil) e Ciudad Del Este (Paraguai). Dissertação apresentada no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2004, 143 p.

MAYBURY-LEWIS, David. A antropologia numa era de confusão. RBCS, Vol.17, nº 50. outubro/2002.

MOREIRA, Manuel Belo. Globalização e Agricultura: zonas rurais desfavorecidas. Oeiras: Celta,2001.

NOVAES, José Roberto.O drama dos cortadores de cana. Disponível em: <http://www.cptpe.org.br/modules.php?name=News&file=print&sid=105>. Acesso em: 28. 05.2008.

OLIVEIRA, Ana Maria Soares. O processo de reordenamento territorial e produtivo do capital agroindustrial canavieiro e a nova geografia do trabalho migrante no Brasil. In: VII Jornada do Trabalho. Modernidade e os Signos da Civilização da Barbárie para a Classe Trabalhadora. Centro de Geografia do Trabalho – CEGeT (Universidade Estadual Paulista/UNESP). São Paulo, de 29 à 31 de outubro de 2007. Disponível em: <http://www4.fct.unesp.br/ceget/viiijornada.htm>. Acesso em: 28.05.08.

RAMALHO, José Ricardo & SANTANA, Aurélio. Trabalhadores, sindicatos, e a nova questão social. In: RAMALHO, José Ricardo & SANTANA, Aurélio. Além da fábrica: trabalhadores, sindicatos e a nova questão social. São Paulo: Boitempo, 2003, p.11-43.

RAMALHO, José Ricardo. Novas conjunturas industriais e participação local em estratégias de desenvolvimento. Dados, Rio de Janeiro, v. 48, n. 3, 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br>. Acesso em: 29 May 2008.

RIBEIRO, Gustavo Lins. Antropologias mundiais. Para um novo cenário global na Antropologia. RBS, vol.21.n.60, fevereiro, p.-147-165.

RIBEIRO, Gustavo Lins. El sistema mundial no-hegemónico y la globalización popular. Série Antropologia – 410. Brasília, 2007. Disponivel em:

SAHLINS, Marshall. O “pessimismo sentimental e a experiência etnográfica: por que a cultura não é um objeto em via de extensão” (Parte I). Mana. Rio de Janeiro, v.03, n.01, 1997.

SANTOS, Boaventura de Sousa Santos. Os processos da globalização. In: SANTOS, Boaventura de Sousa Santos (org.). A globalização e as Ciências Sociais. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2002, p. 25-102.

VELHO, Otávio. Globalização: Antropologia e Religião. Mana 3(1), 1997, p.133-154.

Downloads

Publicado

10/03/2020

Como Citar

Leal, R. E. da S. (2020). Trabalho, Globalização e Antropologia. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i3.1727

Edição

Seção

Dossiê - É possível globalizar sem polarizar? Diferença e diversidade no contexto latino-americano e caribenho