Pistrak e a escola politécnica: contribuições à Educação Ambiental

Autores

  • Daniele Barros Jardim Universidade Federal do Rio Grande - FURG
  • Andressa Queiroz Souza Universidade Federal do Rio Grande- FURG
  • Danielle Müller de Andrade Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v6i0.1681

Palavras-chave:

Escola Politécnica, Educação Ambiental, Ensino Formal

Resumo

O presente trabalho busca refletir sobre os princípios da construção de uma escola politécnica e suas aproximações com a Educação Ambiental no Ensino Formal, trazendo contribuições do pensamento do pedagogo russo Moisey Pistrak para o enfrentamento dos problemas educacionais atuais. Tal pensamento visava o desenvolvimento de uma ação educativa que, ao considerar a relação entre trabalho, conhecimento e educação sinalizava para uma educação que respondia às demandas produtivas e sociais daquele período. Desta forma, buscamos apontar alguns elementos desta proposta de escola a fim de trazê-las para o campo da Educação Ambiental desenvolvida no âmbito do ensino formal, considerando-as enquanto propostas pedagógicas de cunho transformador da realidade.

Biografia do Autor

Daniele Barros Jardim, Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Mestra em Educação Ambiental. Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental – FURG; Técnica Administrativa em Educação/ Pedagoga- FURG

Andressa Queiroz Souza, Universidade Federal do Rio Grande- FURG

Licenciada em Pedagogia/ FURG. Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental/ FURG. Bolsista CAPES.

Danielle Müller de Andrade, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense

Mestre em Educação Física. Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental - FURG/ Docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense.

Referências

BRASIL. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental, Institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e bases da educação nacional.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 50 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

JAPIASSU, H. O espírito interdisciplinar. In: Cadernos EBAPE.BR. vol.IV. n 3, outubro de 2006. p.1-8 (Periódico da EBAPE/ texto em PDF).

LOUREIRO, C. F. B. Trajetória e fundamentos da educação ambiental. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

PISTRAK, M M. Ensaio sobre a escola politécnica. 1ed. São Paulo: Expressão Popular, 2015. 256p.

PISTRAK, M. M. Fundamentos da escola do trabalho. 3ed. 1ed. São Paulo: Expressão Popular, 2011. 192p.

VASCONCELLOS, H. S. R. A pesquisa-ação em projetos de Educação Ambiental. In: PEDRINI, A. G. (org). Educação Ambiental: reflexões e práticas contemporâneas. 5 ed. Petrópolis: Vozes, 2002, p. 260-289.

TONET, I. Método Científico. Uma abordagem Ontológica. 1 ed. São Paulo: Instituto Luckás, 2013.

Downloads

Publicado

28/05/2020

Como Citar

Jardim, D. B., Souza, A. Q., & de Andrade, D. M. (2020). Pistrak e a escola politécnica: contribuições à Educação Ambiental. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 6. https://doi.org/10.23899/relacult.v6i0.1681

Edição

Seção

Dossiê: X Encontro e Diálogos com a Educação Ambiental (EDEA)