A prática docente Guarani Mbya – liderança, engajamento e luta

Autores

  • Janaína Aline dos Santos e Souza Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1602

Palavras-chave:

Educação escolar indígena, Inovação educacional, Guarani Mbya, Prática docente.

Resumo

O presente trabalho apresenta as considerações finais da dissertação de mestrado “A prática docente Guarani Mbya – liderança, engajamento e luta”, que trata sobre como as professoras e professores indígenas guarani mbya entendem sua prática docente. Parte do pressuposto de que a educação escolar indígena começa a ser ressignificada a partir de 1990, quando o Estado reconhece e dá maior respaldo às demandas dos movimentos e organizações indígenas. Assim, reestrutura-se uma instituição tipicamente não-indígena, norteada até então por princípios de catequização, civilização, integração e preservação. Ao se reconstruir junto aos projetos de futuro de cada etnia, a escola indígena se constitui como inovação educacional. A pesquisa de campo verificou qual a visão que docentes indígenas têm de suas práticas, considerando a hipótese de que estas se centram no modo de transmissão dos saberes tradicionais de sua cultura ou na mera reprodução do modelo de ensino escolar predominante, originalmente não-indígena, ainda que se trate oficialmente de uma escola diferenciada. O foco das observações centrou-se na Escola Estadual Indígena Guarani Gwyra Pepo, situada na aldeia Tenonde Porã, em Parelheiros, capital de São Paulo. Foram feitas entrevistas com as professoras e professores guarani. As informações recolhidas foram analisadas com bases teóricas das pesquisas antropológicas sobre a etnia Guarani e sociológicas sobre inovação educacional, bem como pelo recurso às produções da etnologia ameríndia sobre educação escolar indígena. Conclui-se que a prática docente das professoras e professores guarani é entendida como forma de luta, favorecida pelos espaços de discussão sobre educação escolar indígena e pela própria atuação como liderança. É vista tanto como valorização do nhandereko quanto como subsídio para compreender e enfrentar a sociedade não-indígena dominante, sendo modelo de engajamento e luta para reconceituação da educação pública de modo geral.

Referências

ABBONIZIO, A. C. O. Educação escolar indígena como inovação educacional: a escola e as aspirações de futuro das comunidades. São Paulo, 2013. 193 p. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2013.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Referenciais para a formação de professores. Brasília: MEC, 2002.

GHANEM, E. As inovações da escola Tuyuka: superando a educação colonialista. Relatório Científico. São Paulo, 2016.

__________. Inovação em escolas públicas de nível básico: o caso redes da maré (Rio de Janeiro, RJ). Educação e Sociedade, Campinas, v. 34, n. 123, p. 425-440, abr/jun. 2013.

SANTOS, D. L. dos. Inovação educacional entre os Guarani Mbya da aldeia Tenonde Porã. São Paulo, 2017. 191 p. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Educação da Universidade de

TASSINARI, A. M. I. A educação indígena: novos horizontes teóricos, novas fronteiras de educação. In: SILVA, A. L., FERREIRA, M. K. L. Antropologia, história e educação: a questão indígena e a escola. São Paulo: Global, 2001.

TESTA, A. Q. Palavra, sentido e memória: educação e escola nas lembranças dos Guarani Mbya. 2007. 213f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação – Universidade de São Paulo. São Paulo, 2007.

______. Caminhos de saberes guarani mbya: modos de criar, crescer e comunicar. 2014. 308 p. Tese (Doutorado em Antropologia Social). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas – Universidade de São Paulo. São Paulo, 2014.

Downloads

Publicado

31/05/2019

Como Citar

Souza, J. A. dos S. e. (2019). A prática docente Guarani Mbya – liderança, engajamento e luta. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(5). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1602

Edição

Seção

II - Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura