Tradições Alimentares Regionais em uma América Latina Neocolonial: a luta pela manutenção de costumes e da soberania alimentar

Autores

  • MARCOS ROBERTO PISARSKI JUNIOR Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1601

Palavras-chave:

Cultura, Neocolonialismo, Produção de Alimentos, Soberania Alimentar, Tradições Alimentares.

Resumo

A alimentação deve ser compreendida como expressão cultural de um grupo ou sociedade, sendo formada pela relação dialética entre a materialidade do acesso aos alimentos e da subjetividade de crenças, gostos e costumes. Na atual sociedade capitalista, a globalização impõe um modelo global de alimentação diretamente ligado aos interesses da produção alimentar voltada para o mercado, assim transformando alimentos em commodities. Este trabalho tem como objetivo apresentar e analisar as tradições alimentares regionais em contraposição as facetas da globalização nos hábitos alimentares e de suas relações com os modelos de produção de alimentos na América Latina. A metodologia utilizada nesta pesquisa se baseia em uma aprofundada revisão bibliográfica em trabalhos voltados a análise da alimentação como cultura, da globalização, das relações neocoloniais e conceitos de integração cultural da Latino-América, além da experiência do autor no tema de tradições alimentares em produções acadêmicas e na prática com vivências e visitas a grupos tradicionais e de resistência diretamente ligados a produção de alimentos e manutenção de costumes culturais, como: faxinalenses, quilombolas, indígenas e assentados de reforma agrária. Neste trabalho se possibilitou notar relações diretas entre o modelo de produção dos alimentos enquanto commodities no Brasil e demais países da américa latina, e a ameaça que isto representa perante a manutenção das tradições e da soberania alimentar, contribuindo assim à ideia de neocolonialismo, visto a implantação de um modelo de alimentação global. Conclui-se que  a manutenção e resistência de tradições alimentares regionais encontra no modelo neocolonialista de produção de alimentos o seu antagonismo, assim transformando esta discussão em um objeto fundamental na defesa da soberania alimentar, costumes populares e do empoderamento de grupos tradicionais e de resistência, demonstrando assim que debates mais aprofundados e o desenvolvimento de políticas públicas são essenciais para a preservação destes elementos que constituem o povo latino-americano.

Biografia do Autor

MARCOS ROBERTO PISARSKI JUNIOR, Universidade Federal do Paraná

Mestrando em Turismo na Universidade Federal do Paraná, Graduado em Gastronomia na Pontifícia Universidade Católica do Paraná e em Marketing no Centro Universitário Internacional.

Referências

CAMACHO. R. S. O agronegócio latifundiário versus a agricultura camponesa: a luta política e pedagógica do campesinato. In: Anais do XIX Encontro Nacional de Geografia Agrária, São Paulo, 2009, p. 1-34

CHANG, M. Y. Sistema Faxinal: Uma forma de organização camponesa em desagregação no Centro-sul do Paraná. Londrina: IAPAR,1988, 124f. (Boletim nº 22)

CHONCHOL, J. A Soberania Alimentar. Dossiê América Latina. Estudos avançados, vol. 19, nº 55, São Paulo, set-dez/2005.

GIRARDI, E. P.; RIBEIRO, E. S.; PAULI, L. Dinâmicas Recentes do Campo Brasileiro: Atualização e Aprimoramento do Atlas da Questão Agrária Brasileira. 2014. 12 f. - Curso de Geografia, Universidade do Estado de São Paulo, São Paulo, 2014.

GOMES JUNIOR, N. N.; ALY JUNIOR, O. Soberania Alimentar e Agronegócio: Notas Além da Porteira. Revista Eletrônica Retratos de Assentamentos, v. 18, n. 2, 2015.

HARVEY, D. A brief history of neoliberalism. Oxford: Oxford University Press; 2005.

MATTA, R. O que faz o Brasil, Brasil?, Rio de Janeiro: Rocco; 1986.

MCMICHAEL, P. A food regime genealogy. The Journal of Peasant Studies. Vol. 36, nº 1, January 2009.

MONTANARI, M. Comida como cultura: tradução de Letícia Martins de Andrade. São Paulo: editora SENAC: 2008

MOOZ, P. F. P.; PISARSKI JUNIOR, M. R. O sistema faxinal como mecanismo mitigador dos impactos da globalização nas tradições alimentares In: Anais do VIII Simpósio Internacional de Geografia Agrária, Curitiba, 2017.

PLOEG, J. D. V. D. Camponeses e impérios alimentares: lutas por autonomia e sustentabilidade na era da globalização. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2008.

PRADO JR, Caio. Sentido da colonização. Formação do Brasil contemporâneo: colônia. São Paulo: Brasiliense, 1979.

RITZER, G. The McDonaldization of society. Thousand Oaks, CA: Pine Forge Press; 2004.

SANTOS, C. R. A. O Império Mcdonald e a Mcdonalização da Sociedade: Alimentação, Cultura e Poder. Seminário facetas do império na história, 2006 nov. Disponível em: http://people. ufpr.br/~andreadore/antunes.pdf. Acesso em: 29 de maio de 2017.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 13. ed. Rio de Janeiro: Record, 2006.

VIA CAMPESINA. Declaração final do Fórum Mundial de Soberania Alimentar; Havana, Cuba/2001. Disponível em: http://www.social.org.br/cartilhas/cartilha003/

Downloads

Publicado

31/05/2019

Como Citar

PISARSKI JUNIOR, M. R. (2019). Tradições Alimentares Regionais em uma América Latina Neocolonial: a luta pela manutenção de costumes e da soberania alimentar. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(5). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1601

Edição

Seção

II - Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura

Artigos Semelhantes

1 2 3 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.