A trajetória de vida de Judith Cortesão através de seu arquivo pessoal

Autores

  • Vania da Costa Machado Universidade Federal de Pelotas. Programa de Pós-Graduação em Memória Social e Patrimônio Cultural

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v2i1.160

Palavras-chave:

Maria Judith Zuzarte Cortesão, arquivos pessoais, trajetória de vida, história de vida, biografia

Resumo

O presente trabalho é fruto da pesquisa desenvolvida no âmbito do Programa de Pós-Graduação em Memória Social e Patrimônio Cultural, da Universidade Federal de Pelotas, na qual pesquisa-se a trajetória profissional da professora Dr.ª Maria Judith Zuzarte Cortesão, a partir do seu arquivo pessoal, bem como busca-se analisar o processo de institucionalização desse acervo. Pretende-se, neste artigo, abordar os arquivos pessoais enquanto suporte da memória e de representação de seus titulares, nos mais diversos papéis sociais que estes tenham desempenhado ao longo de suas trajetórias de vida, além de buscar elucidar conceitos como de trajetória de vida, história de vida e biografia.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Vania da Costa Machado, Universidade Federal de Pelotas. Programa de Pós-Graduação em Memória Social e Patrimônio Cultural

Graduação em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG), Especialização em Gestão de Projetos pela Faculdade Anhanguera, mestranda do Programa de Pós-Graduação em Memória Social e Patrimônio Cultural, da Universidade Federal de Pelotas (UFPel).

Referências

ANTIGOS estudantes ilustres da Universidade do Porto: Agostinho da Silva. 2010. Disponível em: <https://sigarra.up.pt/up/pt/web_base.gera_pagina?P_pagina=1004222>. Acesso em 25 nov. 2015.

ARTIÈRES, Philippe. Arquivar a própria vida. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 11, n. 21, p. 9-34, 1998. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/

view/2061>. Acesso em: 24 fev. 2015.

AZEVEDO, Francisca L. Nogueira de. Biografia e gênero. In: GUAZZELLI, Cesar Augusto Barcellos et al (Org.). Questões de teoria e metodologia da História. Porto Alegre: UFRGS, 2000. p. 131-146.

BORN, Cláudia. Gênero, trajetória de vida e biografia: desafios metodológicos e resultados empíricos. Sociologias, Porto Alegre, ano 3, n. 5, jan.-jun. 2001, p. 240-265.

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: FERREIRA, Marieta de Moraes; AMADO, Janaína (Org.). Usos & abusos da história oral. 8. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2006. p. 183-191.

BRASIL. Decreto nº 73.030, de 30 de outubro de 1973. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 30 out. 1973. Seção 1, parte 1, p. 11024-11025.

O BRASIL na Antártida. Manchete, Rio de Janeiro, n. 1608, p. 4-10, 12 fev. 1983.

CASTELLS, Manuel. A era da informação: economia, sociedade e cultura, vol. 2: O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

CORTESÃO, Judith. Curriculm Vitae. [S.l.]: [s.n.], 1998.

DAUSIEN, Bettina. Biographie und geschlecht - zur biographischen konstruktion sozialer

wirklichkeit in frauenlebensgeschichten. Bremen: Donat, 1996.

FRAIZ, Priscila. A dimensão autobiográfica dos arquivos pessoais: o arquivo de Gustavo Capanema. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 11, n. 21, p. 59-87, 1998. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/2060>. Acesso em: 25 nov. 2015.

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO RIO GRANDE. Contrato de pessoal por tempo determinado. Rio Grande, 1994.

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE. Pró-Reitoria Administrativa. MEMO No. 083/01 – PROAD. Rio Grande, 2001.

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE. Sala Verde Judith Cortesão: articulação e implementação de ações entre universidade, escola e comunidade – edital 1/2005/Ministério do Meio Ambiente. Rio Grande, 2005.

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE. Gabinete do Reitor. Ato Executivo nº 031, de 25 de agosto de 2006. Rio Grande, 2006.

GOMES, Angela de Castro. Nas malhas do feitiço: o historiador e os encantos dos arquivos privados. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 11, n. 21, p. 121-127, 1998. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/2069>. Acesso em: 25 nov. 2015.

GONÇALVES, Daniel Nunes. Lições e histórias da matriarca da ecologia. Terra, São Paulo, ano 8, n. 4, ed. 84, p. 60-63, abr. 1999.

GONÇALVES, Rita de Cássia; LISBOA, Teresa Kleba. Trajetórias de vida: visibilizando e reconstruindo a história das mulheres. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL FAZENDO GÊNERO, 7., 2006, Florianópolis. Anais eletrônicos... Florianópolis: UFSC, 2006. Disponível em: <http://www.fazendogenero.ufsc.br/7/artigos/G/Goncalves-Lisboa_42_10.pdf>. Acesso em: 27 nov. 2015.

HEYMANN, Luciana Quillet. Indivíduo, memória e resíduo histórico: uma reflexão sobre arquivos pessoais e o caso Filinto Müller. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 10, n. 19, p. 42-66, 1997. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/

>. Acesso em: 25 nov. 2015.

______. De arquivo pessoal a patrimônio nacional: reflexões sobre a construção social do “legado” de Darcy Ribeiro. 2009. 247 f. Tese (Doutorado em Ciências Humanas) – Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

______. Arquivos pessoais em perspectiva etnográfica. In: TRAVANCAS, Isabel; ROUCHOU, Joëlle; HEYMANN, Luciana (Org.). Arquivos pessoais: reflexões multidisciplinares e experiências de pesquisa. Rio de Janeiro: FGV, 2013.

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO MBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Portaria n. 271, de 30 de março de 2009. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 01 abr. 2009. Seção 1, p. 67.

MARRE, Jacques Léon. História de vida e método biográfico. Cadernos de Sociologia, Porto Alegre, v. 3, n. 3, p. 89-141, jan./jul. 1991.

MCKEMMISH, Sue. Evidence of me. The Australian Library Journal, v. 45, n. 3, p. 174-187, 1996. Disponível em: <http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/00049670.1996.

>. Acesso em: 25 nov. 2015.

MENIN, Delza Rocha de Freitas. Ecologia de A a Z: pequeno dicionário de Ecologia. Porto Alegre, L&PM, 2000.

MINISTRO assina protocolo em RG. Correio do Povo, Porto Alegre, p. 16, 18 jun. 2003.

MORRE em Genebra a guardiã da natureza Judith Cortesão. Zero Hora, Porto Alegre, 26 set. 2007.

NAHAS, Patricia Viceconti. Brasil Arquitetura: memória e contemporaneidade. Um percurso do Sesc Pompéia ao Museu do Pão (1977 – 2008) - Volume II. 2008. 668 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2008.

OLIVEIRA, Lucia Maria Velloso de. Descrição e pesquisa: reflexão em torno dos arquivos pessoais. Rio de Janeiro: Móbile, 2012.

PEREIRA, Lígia Maria Leite. Algumas reflexões sobre histórias de vida, biografias e autobiografias. História Oral, Rio de Janeiro, v. 3, p. 117-127, 2000.

ROBBE-GRILLET, Allain. Le miroir qui revient. Paris: Minuit, 1984.

SANTOS, Klécio. A primeira-dama da ecologia: a portuguesa radicada em Rio Grande Judith Cortesão é hoje a mais ativa ecologista do país. Zero Hora, Porto Alegre, p. 47, 03 jul. 1999.

SCHAFFNER, Fábio. Uma das nossas maiores ambientalistas, a portuguesa Judith Cortesão, que vive na Praia do Cassino, domina 14 idiomas e escreveu 16 livros. Zero Hora, Porto Alegre, 08 set. 2002.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE. Núcleo de Memória “Eng. Francisco Martins Bastos” (NUME). DE/PARA nº 033, de 11 de dezembro de 2008. Rio Grande, 2008.

VIANNA, Aurélio; LISSOVSKY, Maurício; SÁ, Paulo Sergio Moraes de. A vontade de guardar: lógica da acumulação em arquivos privados. Arquivos & Administração, Rio de Janeiro, v. 10-14, n. 2, p. 62-76, jul./dez. 1986. Disponível em: <http://www.aab.org.br/wp-content/uploads/2013/07/V10_14N21986-revista30.pdf>. Acesso em: 12 mar. 2015.

Downloads

Publicado

09/03/2016

Como Citar

Machado, V. da C. (2016). A trajetória de vida de Judith Cortesão através de seu arquivo pessoal. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 2(1), 185–197. https://doi.org/10.23899/relacult.v2i1.160

Edição

Seção

Dossiê - História, Memória e Identidades