Os múltiplos extermínios dos corpos negros pela violência de linguagem: Uma reflexão das Fake News sobre Marielle Franco

Autores

  • Ludmila Pereira de Almeida Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1585

Palavras-chave:

Marielle Franco, Fake News, contra-enunciação, decolonialidade

Resumo

A militância política, atualmente, tenta encontrar seu discurso na reivindicação, no desafio da injustiça e, talvez, na enunciação das minorias, tomando seu lugar nas interações políticas atuantes. Nesse sentido, a atuação de Marielle Franco marcou uma posição de enunciação (BENVENISTE, 2006), isto é, o discurso-ato apropriou-se de um corpo politicamente ativo e falou por si, mesmo sendo nomeada de radical, por espaços e discursos dominantes. Seus enunciados tencionaram a conduta social do bom convívio e da cordialidade dos “cidadãos do bem”, os mostrando manifestantes de discursos de ódio. Com o assassinato de Franco ficou claro que, para sobreviver, pelo menos, a enunciação não pode ser um ato discursivo completo e, por conseguinte, não deve passar de um discurso generalizado ou esquivo da realidade. Após o assassinato da vereadora do Rio de Janeiro, o seu lugar de enunciação tentou ser contradito pela ideologia textual Fake News. As Fake News recortam questões reais para fazer enunciados infundamentados, com “seriedade informativa”, uma contra enunciação bem planejada e sustentada pela desinformação séria. Nessa perspectiva, nosso trabalho visa discutir os parâmetros discursivos das Fake News sobre Marielle Franco, considerando não só o seu ativismo, mas também o que o seu corpo simboliza face à estrutura social-racial brasileira (DJAMILA, 2015). Assim, propomos um olhar interseccional (CRENSHAW, 2002) sobre o corpo negro e as práticas de linguagem sobre ele que desembocam em contra enunciações, tensões e ideologias linguísticas que organizam o que é considerado “verdade”, e até quem pode/deve viver e morrer. Tanto que tal caso não é isolado, coincidentemente o homicídio de mulheres negras aumentou (MAPA DA VIOLÊNCIA, 2015) junto ao surgimento de movimentos sociais feministas e suas várias necessidades. Portanto, observamos o quanto as múltiplas execuções de um corpo-símbolo de esperança contra–hegemônica é projetado na mídia dominante, de forma que a construção colonial de uma memória, de um corpo físico e simbólico, passa a ser a representação de todo o grupo do qual faz parte.

Referências

ALMEIDA, Marcos Vinícius e BTR, Carol. Ataque à imagem de Marielle Franco revela a lógica das Fake News. Revista Subjetiva. Medium. 2018. Disponível em: https://medium.com/revista-subjetiva/ataque-%C3%A0-imagem-de-marielle-franco-revela-a-l%C3%B3gica-das-fake-news-f9c60999f07b. Acessado em: 20 de dezembro de 2018.

AUSTIN, John L. Performativo-constativo. Tradução: Paulo Ottoni. In: OTTONI, Paulo

Roberto. Visão Performativa da linguagem. Campinas: Editora da Unicamp, 1998.

-144.

BENTES, Ivana. Marielle: Operacões de mídia, anunciação e necropolítica. In: Revista Cult. Disponível em: https://revistacult.uol.com.br/home/marielle-operacoes-de-midia-necropolitica/. Acessado em: 18 de dezembro de 2018.

BENVENISTE, Émile. Problemas de Linguística Geral I. Tradução Maria da Gloria Novak e Maria Luiza Neri. 2ª edição. Campinas: Pontes Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1988.

_____. Problemas de Linguística Geral II. Tradução Eduardo Guimarães et al. 2ª edição. Campinas: Pontes Editores, 2006.

BUTLER, Judith P. Excitable speech: a politics of the performative. New York:

Routledge, 1997. p. 1-41

CRENSHAW, Kimberle. A interseccionalidade na discriminação de raça e gênero. Revista de Estudos Feministas nº 2. Universidade Católica de Salvador. 2002.

DAVIS, Angela. Transcrição da fala de Ângela Davis na Reitoria da Universidade Federal da

Bahia no dia 25.7.2017. Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades.

Disponível em: http://www.ceert.org.br/noticias/genero-mulher/18464/transcricao-da-fala-deangela-davis-na-reitoria-da-universidade-federal-da-bahia-no-dia-2572017?fbcommentid= 1361670007286990_1361689173951740. Acessado em: 29 de dezembro de 2018.

GASPAR, Gabriel Rocha; NOVO, Maria Fernanda e OLIVEIRA, Vanessa. Violência como regra. Revista Cult. Disponível em: https://revistacult.uol.com.br/home/violencia-como-regra/. Acessado em: 25 de dezembro de 2018.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais

Hoje, Anpocs, p. 223-244, 1984.

GRAGNANI, Juliana. Marielle era uma das 32 mulheres negras entre 811 vereadores eleitos em capitais brasileiras. BBC, 2018. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-43424088. Acessado em: 25 de dezembro de 2018.

MARCUSCHI, Luiz. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Editora Parábola, 2008.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais.

Trad.: Julio Cesar Casarin Barroso Silva. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de

Ciencias Sociais – Clacso, 2005.

RAMPINELLI, Waldir José. Tema 09 - Um genocídio, um etnocídio e um memoricídio. In: Revista Andes. 2014. Disponível em: http://www.andes.org.br/andes/print-revista-conteudo.andes?idRev=41&idArt=212. Acessado em: 20 de dezembro de 2018.

RIBEIRO, Djamila. Brasil: onde racistas só se surpreendem com o racismo dos outros. Carta Capital. 2015.

TIBURI, Marcia. Marielle Franco e o mal radical. Revista Cult. 2018. Disponível em: https://revistacult.uol.com.br/home/marielle-franco-e-o-mal-radical/.Acessado em: 20 de dezembro de 2018.

WALSH, C. Interculturalidad crítica y pedagogía de-colonial: apuestas (des)de el in-surgir,

re-existir y re-vivir. 2009.

Downloads

Publicado

31/05/2019

Como Citar

de Almeida, L. P. (2019). Os múltiplos extermínios dos corpos negros pela violência de linguagem: Uma reflexão das Fake News sobre Marielle Franco. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(5). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1585

Edição

Seção

II - Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura