Memória Coletiva e Objetos Biográficos: estudo dos oratórios em Minas Gerais/Brasil do período colonial

Autores

  • Nadja Maria Mourão Universidade do Estado de Minas Gerais http://orcid.org/0000-0003-3990-0201
  • Ana Célia Carneiro Oliveira UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1572

Palavras-chave:

Memória coletiva, objetos bibliográficos, oratório, período colonial, Minas Gerais

Resumo

O cotidiano da sociedade emerge das tradições de um povo e do seu convívio com o entorno. Alguns objetos recebem uma carga emotiva da vida humana e podem se transformar em objetos biográficos - que representam a cultura de uma sociedade. A memória coletiva é o conjunto de fatos escolhidos por um grupo social, com significados que constituem sua identidade, seus hábitos, sua cultura e tradições. Este trabalho apresenta o estudo dos oratórios, objetos biográficos oriundos da cultura portuguesa, identificados pela memória coletiva, de comunidades do Estado de Minas Gerais, desde o período colonial. A metodologia se realiza pela pesquisa bibliográfica de contextos temáticos e históricos. Em definição, oratório é um nicho ou armário, como uma capela doméstica. Essa pequena capela surgiu na Idade Média, como local para orações e reflexões, para o rei dedicado às práticas religiosas. Os oratórios são objetos que se estabeleceram na cultura mineira, sendo encontrados desde os grandes casarões até em senzalas, desde os tempos do Brasil Colônia. Há registros destes altares nas famílias devotas, que tem o desejo de guardar as relíquias e os objetos de piedade, em atitudes de intimidade com o mundo do sagrado. Os oratórios eram passados de mãe para filha, que guardavam os objetos de devoção em seus quartos e, quando se casavam, eles eram conduzidos para a nova família. Alguns oratórios são bem rebuscados, com entalhes, pinturas e diversos ornamentos. Outros oratórios são simples, como se fossem apenas pequenos armários. Os diversos materiais, tamanhos e estilos mostram hábitos e tradições. Além da influência da cultura portuguesa e seus artistas, são encontrados registros de entalhes de artistas espanhóis e franceses, que ajudaram a manter a herança da religiosidade nas famílias brasileiras. Contudo, esses objetos se constituem na diversidade da cultura mineira, oriundas da memória coletiva de seu povo.

Biografia do Autor

Nadja Maria Mourão, Universidade do Estado de Minas Gerais

Doutoranda em Design, pelo PPGD- Universidade do Estado de Minas Gerais, possui mestrado em Design, UEMG (2011). Área de concentração do PPGD/UEMG: Design, Inovação e Sustentabilidade; Pós-Graduação em Arte Educação pela UEMG - Faculdade de Educação; Bacharel em Decoração (Design de Ambientes) pela Fundação Mineira de Arte Aleijadinho - Escola de Artes Plásticas. Atualmente é membro do CEDTec - Centro de Estudos de Design & Tecnologia / Linha: Cultura, Aspectos Socioeconômicos, Sustentabilidade e Gestão da inovação. Grupo CNPq: Tecnologia Social e Design Inclusivo. Professor titular da UEMG - Escola de Design. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Meio Ambiente, atuando principalmente nos seguintes temas: Tecnologia Social, Sustentabilidade, Design, Cultura e Identidade.

Ana Célia Carneiro Oliveira, UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS

Mestre em Design, PPGD/UEMG, área de concentração: Design, Inovação e Sustentabilidade, Pesquisa Design para a Felicidade: objetos de memória em espaços de vivências. Possui Pós-Graduação em Arte Educação pela UEMG - Faculdade de Educação (1999); Bacharel em Decoração (Design de Ambientes) pela Fundação Mineira de Arte Aleijadinho - Escola de Artes Plásticas (1993). Atuante como Designer de Ambientes em Projetos Comerciais.  Membro de projetos de pesquisa e Extensão do CEDTec - Centro de Estudos de Design e Tecnologia da Escola de Design – UEMG. Pesquisadora dos Grupos de Pesquisa do CNPq: Design, Inovação & Tecnologia; Design Inclusivo e Tecnologia Social; Pesquisa, Ensino e Projeto de Design; Design para Ambientes; Estudos em Design, Identidade e Território; Estudos em Design, Comunidades, Tecnologias Sociais e Iniciativas Sustentáveis – Dectesis.

Referências

AVILA, C; TRINDADE, S. C. A geografia do Sagrado na Minas Colonial. In: GUTIERREZ, A. (org.). Catálogo Oratório Relíquias do Barroco Brasileiro. Belo Horizonte: Instituto Cultural Flávio Gutierrez, 2014.

BOSI, E. O tempo vivo da memória: ensaios de psicologia social. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

DAMÁSIO, A. E o cérebro criou o homem. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

GARCÍA, A. A. R. Los objetos bibliográficos confirmados en la integración compleja de la descripción y acceso a recursos. Revista Investigación Bibliotecológica, vol.23, nº. 48, México: Centro Universitario de Investigaciones Bibliotecológicas de la UNAM, 2009.

GUTIERREZ, A (Org.). Catálogo Oratório Relíquias do Barroco Brasileiro. Belo Horizonte: Instituto Cultural Flávio Gutierrez, 2014.

HALBWACHS, Maurice. A Memória Coletiva. Tradução de Beatriz Sidou. 2ª ed. São Paulo: Ed. Centauro, 2013.

INSTITUTO CENTRO CAPE. Disponível em: <http://www.centrocape.org.br>. Acesso em: 10 mai. 2019.

KUBLER, G. A forma do tempo: Observações sobre a História dos Objetos. Lisboa: Vega, 2ª. Edição, 1977.

LAGES, Sônia Regina Corrêa. Mulheres na encruzilhada: encontros e desencontros no discurso de mulheres possuídas pela entidade da Pomba-Gira Cigana na Umbanda. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro: UERJ, 2007.

LE BETRON, D. As paixões ordinárias. Antropologia das emoções. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2009.

MOURÃO, Nadja Maria. Sustentabilidade na produção artesanal com resíduos vegetais: uma iniciativa prática de design sistêmico no cerrado mineiro. (Dissertação) Mestrado em Design. Belo Horizonte: Universidade do Estado de Minas Gerais, 2011.

MUSEU DO ORATÓRIO. Disponível em: <http://museudooratorio.org.br/>. Acesso em: 10 mai. 2019. .

PINO, Angel. A Afetividade e vida de relação. Campinas: UNICAMP, 2000.

RIOS, F. Memória coletiva e lembranças individuais a partir das perspectivas de Maurice Halbwachs, Michael Pollak e Beatriz Sarlo. In: Revista Intratextos, 2013, vol 5, no1, p. 1-22. DOI: <http://dx.doi.org/10.12957/intratextos.2013.7102>. Acesso em: 10 mai. 2019.

RUSSO, S. M. T. Espaço doméstico, devoção e arte: a construção histórica do acervo de oratórios brasileiro, séculos XVIII e XIX. Tese (Doutorado). São Paulo: FAUUSP, 2010.

SANTOS, M. O espaço do cidadão. 7. ed. São Paulo: EdUSP, 2007.

SENNETT, Richard. O Artífice. Rio de Janeiro: Editora Record, 2012.

SILVA, Giovani José da. Objetos biográficos de memória: reconhecendo-se como agentes históricos a partir de aulas de prática de ensino de história. Revista Textos FCC, São Paulo, v. 50, p. 1-148, nov. 2016. Disponível em: <http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/textosfcc/article/view/4319/3235>. Acesso em: 10 mai. 2019.

TREINTA, F. T.; FARIAS FILHO, J. R.; SANT’ANNAC, A. P; RABELO, L. M. Metodologia de pesquisa bibliográfica com a utilização de método multicritério de apoio à decisão. Revista Produção, São Paulo, v.24, n.3, p.508-520, jul/set, 2014.

Downloads

Publicado

31/05/2019

Como Citar

Mourão, N. M., & Oliveira, A. C. C. (2019). Memória Coletiva e Objetos Biográficos: estudo dos oratórios em Minas Gerais/Brasil do período colonial. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(5). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1572

Edição

Seção

II - Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)