Espaço Público em Sítios Históricos Urbanos no Processo de Formação Territorial na América Latina

Autores

  • Rosalina Burgos Universidade Federal de São Carlos - UFSCar

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1570

Palavras-chave:

cotidiano, espaço público, patrimônio histórico, sítio histórico urbano

Resumo

O processo de formação territorial dos países latino-americanos envolve a gênese dos primeiros núcleos urbanos, num percurso de transformações socioespaciais e consolidação de um conjunto de sítios históricos urbanos na contemporaneidade. Apresentam-se como lócus para estudos sobre memória, identidade e patrimônio para diversas áreas do conhecimento. A partir da questão sobre a gênese, transformação e devir do espaço público, analisou-se o caso da cidade de Iguape no litoral sul paulista, região do Vale do Ribeira que possui territórios indígenas e quilombolas. Para um estudo comparativo no contexto do cone sul latino-americano, analisou-se a cidade de Colônia do Sacramento (Uruguai) bem como o território de fronteira das missões jesuíticas guaranis entre Brasil, Paraguai e Argentina. Caracterizam-se pela gênese num contexto de disputas territoriais no período colonial e por se constituírem na atualidade como patrimônios históricos, revelando ainda hoje conflitos na apropriação de seus espaços públicos em diferentes níveis que incidem sobre o cotidiano. Neste processo, a noção de espaço público subjaz à racionalidade eurocêntrica presente na concepção dos planos urbanísticos e nos padrões de sociabilidade impostos. Há, neste sentido, um hiato que separa uma concepção hegemônica de ver e compreender o mundo em detrimento daquelas que sucumbiram sob a força da violência no decurso da colonização portuguesa e espanhola. Entende-se que os espaços públicos abrigam uma densidade histórica que expressa a sobreposição de conflitos nos diferentes períodos da formação territorial desde o período colonial, apresentando-se como importante campo de investigação para compreensão do devir.

Biografia do Autor

Rosalina Burgos, Universidade Federal de São Carlos - UFSCar

Mestre e Doutora em Geografia Humana (Prorama de Pós-Graduação em Geografia Humana - FFLCH/USP). Docente do Departamento de Geografia, Turismo e Humanidades - CCHB/UFSCar Campus Sorocaba. Área de atuação: geografia humana, geografia urbana, espaço público e vida cotidiana, formação territorial, periferias urbanas.

Referências

AZEVEDO, A. Vilas e cidades do Brasil colonial. São Paulo: USP/FFLCH. Boletim n.208, Geografia, n.11, 1956.

BURGOS, R. Direito à cidade: utopia possível a partir do uso e apropriação dos espaços públicos urbanos. In: COLOQUIO INTERNACIONAL DE GEOCRÍTICA. LAS UTOPÍAS Y LA CONSTRUCCIÓN DE LA SOCIEDAD DEL FUTURO, 14., 2016, Barcelona. Anais… Barcelona, 2016.

BURKER, P. O que é história cultural? Trad. Sérgio Góes de Paula. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005. 191 p.

BRUXEL, A. Os trinta povos Guaranis. 2ª. ed. Porto Alegre: EST/Nova Dimensão, 1987. 166 p.

DIEGUES, A.C. O Vale do Ribeira e Litoral de São Paulo: meio-ambiente, história e população. CENPEC, 2007.

EISENBERG, J. As missões jesuíticas e o pensamento político moderno: Encontros culturais, aventuras teóricas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2000. 264 p.

FIGUEIRA, M. C. Patrimônio Cultural da Humanidade e Mercado Turístico: o Bairro Histórico de Colônia do Sacramento, Uruguai. Patrimônio e Memória, São Paulo, v. 11, n. 1, p. 262-282, jan./jun. 2015.

FORTES, R. Iguape... nossa história. Vol. 1. Iguape: Gráfica Soset, 2000. 304 p.

FUNARI, P.P. Teoria e a arqueologia histórica: a América Latina e o mundo. In: Vestígios – Revista Latino-Americana de Arqueologia Histórica. Belo Horizonte, v.1, n.1, p.49-56, dez., 2007.

FUNDAÇÃO NACIONAL DO INDIO. Disponível em: http://www.funai.gov.br Acessado em 10 março 2018

GIANESELLA, R. R. Paisagens no tempo: vilas litorâneas. 2008. 191 f. Dissertação (Mestrado – Área de Concentração: História e Fundamentos da Arquitetura e Urbanismo) -Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo. 2008.

LEFEBVRE, H. O direito à cidade. São Paulo: Moraes, 1991.

MARX, M. Nosso chão: do sagrado ao profano. São Paulo: EDUSP, 2003. 219 p.

NASCIMENTO, F. B. do; SCIFONI, S. O tombamento de Iguape como patrimônio nacional: novas práticas e políticas de patrimônio nacional. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, v. 6, n. 1, p. 26-38, jan./mar., 2015.

POSSAMAI, P. C. O cotidiano da guerra: a vida na Colônia de Sacramento (1715-1735). 352 f. Tese (Doutorado – História) – Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, Universidade de São Paulo, 2001.

POSSAMAI, P. C. O Rio da Prata como fronteira sul do Brasil. In: GARCIA, D.S. da C.; MICELI, P. C. (Org). História e Fronteira. Cáceres: UNEMAT Editora, 2014. p. 57-68

POSSAMAI, P. C. A Colônia do Sacramento: uma praça de guerra do Império Colonial Português. In: História em Revista, Pelotas, v. 13, p. 09-28, dez., 2007

PROUS, A. O Brasil antes dos brasileiros: a pré-história de nosso país. 2a ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2007. 102 p.

RIBEIRO, D. O povo brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. 453 p.

SCATAMACCHIA, M.C.C. e UCHÔA, D.P. O contato euro-indígena visto através de sítios arqueológicos do Estado de São Paulo. In: Revista de Antropologia. São Paulo, n.7, p.153-173, 1993.

YOUNG, E.G. Subsídios para a história de Iguape. In: Revista do IHGSP. São Paulo: Tipografia do Diário Oficial, vol.II, p.286-375, 1908.

Downloads

Publicado

31/05/2019

Como Citar

Burgos, R. (2019). Espaço Público em Sítios Históricos Urbanos no Processo de Formação Territorial na América Latina. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(5). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1570

Edição

Seção

II - Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura