Educação Integral como política pública de acesso à Educação Ambiental Patrimonial

Autores

  • Célia Souza da Costa Pontifícia Universidade Católica do Paraná-PUC

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1568

Palavras-chave:

Educação Ambiental Patrimonial, Espaços de Ensino e Aprendizagem, Educação Integral. Política Pública.

Resumo

A educação integral é uma política pública que aos poucos vem sendo incorporada na educação brasileira, o que gera transformações nas práticas pedagógicas, no currículo escolar e nos espaços de ensino e aprendizagem. Neste cenário, a escola abre possibilidades, para que além das disciplinas obrigatórias, também sejam oferecidas aos alunos oportunidades de conhecer, discutir e refletir sobre diversas temáticas, dentre elas está a Educação Ambiental Patrimonial. Portanto, o objetivo deste trabalho é discutir como a educação integral possibilita o desenvolvimento paradigmático e prático da educação ambiental patrimonial. Deste modo, a metodologia utilizada foi a pesquisa qualitativa de cunho bibliográfico, documental exploratório e de análise reflexiva. Para conceituar e refletir sobre a educação ambiental patrimonial foram eleitos os autores Marchette (2016), Florêncio et al. (2014), Florêncio (2015) e Riffel (2017). No âmbito da educação integral, analisamos documentos oficiais do Ministério da Educação e Cultura (MEC) e contextualizamos essas informações com o aporte teórico apresentado por Pestana (2014) e Pinho e Peixoto (2017). Ademais, a pesquisa ressalta a importância da educação ambiental patrimonial no contexto escolar que exerce um papel fundamental na construção de um indivíduo social e ambiental, pois é por meio de atividades específicas da educação ambiental patrimonial que o discente aprimora a sua identidade cultural, as questões de pertencimento, do cuidado, de conservação e de preservação dos bens materiais e imateriais que se constituem enquanto patrimônio cultural.

Biografia do Autor

Célia Souza da Costa, Pontifícia Universidade Católica do Paraná-PUC

Doutoranda vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Católica do Paraná (PUC-PR). Participa dos Grupos de Pesquisa: Políticas, Formação do Professor,Trabalho Docente e Representações Sociais; Fundamentos Epistemológicos das Políticas Educacionais e a Problemática da Escola na Contemporaneidade; do Grupo Pensamento Educacional Brasileiro: História e Políticas e do grupo Bioética e Educação na linha de pesquisa Bioética, ciência e sociedade. Mestre em Direito Ambiental e Políticas Públicas (PPGDAPP) pela Universidade Federal do Amapá (UNIFAP).É especialista em Docência do Ensino Superior e especialista em Educação Especial e Inclusiva. Possui graduação em Licenciatura em Filosofia; graduação em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo; Bacharelado em Direito e Licenciatura em Pedagogia. Tem experiência na docência e elaboração de projetos, trabalha com educação especial e inclusiva, patrimônio cultural, educação profissional e mídia (Tv, rádio, impresso e rede sociais). Tem interesse nos seguintes temas: Educação Especial e Inclusiva, Pedagogia, Educação Profissional, Cultura e Escola, Educação Ambiental Patrimonial, Etnografia, Cultura Amazônica, Relações Étnico-Raciais, Práticas Sociais, Processos Educativos, Minorias, Educação Popular, Justiça Social, Direito Ambiental, Ética, Liberdade, Dialética, Hegel, Filosofia Política, Filosofia do Direito.

Referências

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Tradução Magda Lopes. Porto Alegre: Artmed, 2010. 296 p.

FLICK, U. Qualidade na pesquisa qualitativa. Tradução Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artmed, 2009. 191 p.

FLORÊNCIO, S.R.R. Educação Patrimonial: algumas diretrizes conceituais. In: PINHEIRO, A.R.S. (Org.). Cadernos do Patrimônio Cultural: educação patrimonial. Fortaleza: Seculfor/IPHAN, 2015. p. 21-30.

FLORÊNCIO, S.R.R. et al. Educação Patrimonial: histórico, conceitos e processos. Brasília: IPHAN,2014. 65 p.

GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas,2010. 184 p.

GOHN, M.G. Educação não-formal na pedagogia social. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE PEDAGOGIA SOCIAL, 1., 2006, São Paulo. Anais do I Congresso Internacional de Pedagogia Social. São Paulo, 2006.

GRAY, D.E. Pesquisa no mundo real. Tradução Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Penso,2012. 486 p.

Instituto do Patrimônio Histórico Artístico Nacional (IPHAN). Educação Patrimonial: histórico, conceitos e processos. Brasília: IPHAN, 2014.62 p.

PESTANA, S.F.B. Afinal, o que é educação integral? Revista Contemporânea de Educação, v. 9, n. 17, p.24-34, jan./jun.2014. ISSN 1809-5747. Disponível em:https://revistas.ufrj.br/index.php/rce/article/viewFile/1713/1562.Acesso em: 15 jul. 2018.

PINHO, M.J.; PEIXOTO, E.R.B. A educação integral diante do novo paradigma: perspectivas e desafios. Revista Educação e Linguagens, v. 6, n. 10, p. 197-216, jan./jun. 2017. ISSN 2238-6084. Disponível em:http://www.fecilcam.br/revista/index.php/educacaoelinguagens/article/viewFile/1293/90.Acesso em: 16 jul. 2018.

Ministério da Educação e Cultura (MEC). Educação Integral. Disponível em: http://educacaointegral.mec.gov.br/. Acesso em: 15 julho 2018.

_____. Programa Mais Educação: passo a passo. 2011.Disponível em:http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=down%20load&alias=8168epassoapassomaiseducacao18042011pdf&category_slug=junho2011%20pdf&Itemid=30192. Acesso em: 15 dezembro 2018.

¬¬¬_____. Histórico-Mais Educação. Disponível em:http://portal.mec.gov.br/apresentacao-sp-778261474/116quemequem1534541290/sebeducacaobasica2024241802/41181%20historico-mais-educacao. Acesso em: 15 julho 2018.

_____. Manual Operacional de Educação Integral. 2014. Disponível em:http://educacaointegral.mec.gov.br/link-de-noticias/33-manual-operacional-de-educacao-integral-2014. Acesso em: 15 julho 2018.

_____. Programa Novo Mais Educação: caderno de orientações pedagógicas versão II.2018.Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=90251caderno-orientador-pnme&category_slug=junho-2018-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 15 julho 2018.

_____. Programa Novo Mais Educação. Disponível em:http://educacaointegral.mec.gov.br/historico-mais-educacao. Acesso em: 15 julho 2018.

RIFFEL, R. Educação Patrimonial e os processos educativos: referências culturais como espaços de ensino-aprendizagem na educação básica. Revista História UNICAP- Universidade Católica de Pernambuco, [S.l.], v. 4, n. 07, p. 47-59, jan./jun 2014. ISSN 2359-2370.Disponível em:http://www.unicap.br/ojs/index.php/historia/article/view/968/897. Acesso em: 15 dez. 2018.

SEVERINO, A.J. Metodologia do trabalho científico. 23.ed. rev. e atual. São Paulo: Cortez, 2010. 302 p.

Downloads

Publicado

31/05/2019

Como Citar

Costa, C. S. da. (2019). Educação Integral como política pública de acesso à Educação Ambiental Patrimonial. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(5). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1568

Edição

Seção

II - Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura