Escavar, descobrir e aprender: a arqueologia no processo de ensino-aprendizagem na Educação Básica

Autores

  • Washington Kuklinski Pereira Fundação de Estudos do Mar (FEMAR); Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro (SME-RJ)

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1567

Palavras-chave:

Pré-História, Ensino-Aprendizagem, Sala de Aula, Multiculturalidade, Práticas Pedagógicas.

Resumo

A disciplina História, na Educação Básica, tem como objetivo a análise das relações humanas desde o período da Pré-História até o período da decadência do Império Romano. O estudo sobre a Pré-História e a Antiguidade dos povos da Mesopotâmia, Egito, Grécia e Roma é distante cronologicamente e geograficamente da realidade dos estudantes brasileiros. Por este motivo, é um grande desafio para os professores de História o desenvolvimento do processo ensino-aprendizagem dessas temáticas. Por estes motivos, o objetivo deste trabalho é investigar e apresentar práticas docentes que, apesar do excesso de abstração para o desenvolvimento dos estudos históricos, que explorem em sala de aula projetos, atividades e práticas pedagógicas que auxiliem o conhecimento histórico sobre a pré-história e a antiguidade, tendo como base as experiências arqueológicas e a multiculturalidade no processo de aprendizagem.

Biografia do Autor

Washington Kuklinski Pereira, Fundação de Estudos do Mar (FEMAR); Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro (SME-RJ)

Doutor em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo;Professor de História da Marinha Mercante da Fundação de Estudos do Mar; Professor da Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro;

Referências

BOAS, Franz. El arte primitivo. México: Fondo de cultura economica, 1947.

_________. The Mind of Primitive Man.New York: Macmillan Company. 1938.

BRANCO, Renato Castelo. Pré-História Brasileira – Fatos & Lendas. São Paulo: Quatro artes, 1971.

CAINELLI, Marlene Rosa. Entre continuidades e rupturas: uma investigação sobre o ensino e aprendizagem da História na transição do quinto para o sexto ano do Ensino Fundamental. Educ. rev. no.42 Curitiba out./dez. 2011

CUNHA, Manuela Carneiro da. História do índio no Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 1992.

FONSECA, Selva Guimarães. Prática e didática de ensino de História. São Paulo: Papirus, 2010

FOLEY, Robert. Principles of Human Evolution. London: Blackwells, 2003.

GADOTTI, Moacir. Concepção dialética da educação: um estudo introdutório. São Paulo: Cortez, 2001.

GOMES, Denise Maria Cavalcante. Cerâmica arqueológica da Amazônia: vasilhas da Coleção Tapajônica MAE-USP. São Paulo: FAPESP/EDUSP/ Imprensa Oficial de São Paulo. 2002.

MARTINS. Gabriela. Pré-História do Nordeste do Brasil. Recife: Abeu, 2008.

MATURANA, Humberto. Emoções e linguagens na educação e na política. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2002.

PROUST, André. Arqueologia Brasileira. Brasília: Editora UNB, 1992.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora. Cognição histórica situada: que aprendizagem histórica é esta? In: BARCA, Isabel; SCHMIDT, Maria Auxiliadora (Orgs.). Aprender História: perspectivas da Educação Histórica. Ijuí: Editora Unijuí, 2009.

SOUZA, Antôni Clarindo Barbosa de. A importância de aprender a Pré-História na Escala. In:

OLIVEIRA, Thomas Bruno. Pré-História II: Estudos para arqueologia da Paraíba. João Pessoa: JRC Editora, 2011.

WARBURG, Aby. Imagens da região dos índios Pueblo da América do Norte, in:

Concinnitas, vol.1, n.8, UERJ, 2005.El Ritual de laSerpiente. Madrid, Sexto Piso, 2008.

Downloads

Publicado

31/05/2019

Como Citar

Pereira, W. K. (2019). Escavar, descobrir e aprender: a arqueologia no processo de ensino-aprendizagem na Educação Básica. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(5). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1567

Edição

Seção

II - Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura