Os direitos do outro sob uma óptica pós-colonial de interculturalidade

Autores

  • Thaís Maciel de Oliveira URI

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1553

Palavras-chave:

Direitos humanos, Interculturalidade, Multiculturalismo, Reconhecimento.

Resumo

O paradigma eurocêntrico dos direitos humanos apregoa o discurso da heterogeneidade cultural, sem todavia esvaziar-se das bases ideológicas de poder e dominação. Dessa forma, o presente resumo rompe com a lógica colonial hegemônica e excludente, e propõe uma dialética ético-política da interculturalidade, problematizando as dinâmicas das relações culturais de gênero na atualidade. O objetivo do resumo caracteriza-se por propor a interculturalidade como resposta a uma perspectiva colonial ocidental de direitos humanos. Desse modo, instiga-se através da interculturalidade promover e impulsionar a diferença nas estruturas coloniais de poder, edificando novas compreensões, convivências, colaborações e alteridade. Portanto, essa lógica pós-colonial não tolera, nem incorpora o diferente dentro dos limites de um padrão pré-estabelecido de indivíduo. A lógica pós-colonial, nesse aspecto, vem criticar a visão multicultural de direitos humanos, a qual mantém e convive com a desigualdade social. Logo, através de um modo de raciocínio dedutivo, pesquisa qualitativa e bibliográfica, o estudo propõe o diálogo intercultural que torne visível a diferença e problematize a colonialidade do poder. Por conseguinte, a interculturalidade oferece o outro como paradigma para possibilitar a compreensão do pensar a partir do outro. Nesse sentido, a interculturalidade ultrapassa o discurso representando uma lógica, construída a partir da diferença. Com efeito, a pesquisa busca instigar a luta por reconhecimento das mais variadas identidades sob a perspectiva de gênero. Principalmente, diante das complexidades existentes nas relações sociais e das pluralidades de identidades, é necessário fomentar um diálogo que instigue o reconhecimento pelo outro, que proponha a alteridade e aceitação, para que não se torne apenas mais um discurso hegemônico reminiscente.

Biografia do Autor

Thaís Maciel de Oliveira, URI

Mestranda bolsista CAPES/TAXA do Programa de Pós-graduação em Direito Stricto Sensu - Mestrado em Direitos Especiais da Universidade Regional do Alto Uruguai e das Missões – Campus Santo Ângelo, Rio Grande do Sul, Brasil.  Pós-graduanda em Filosofia na Contemporaneidade pela URI-SA. Membro do grupo de pesquisa: "Direito, Cultura e Religião: conexões e interfaces" (Linha I – Direito e Multiculturalismo), cadastrado no CNPQ e vinculado ao Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Direito, Mestrado e Doutorado da URI, campus Santo Ângelo. Bacharela em Direito pela Instituição de Ensino Superior de Santo Ângelo – CNEC/IESA.

Referências

ARENDT, Hannah. Origens do totalitarismo: antissemitismo, imperialismo, totalitarismo. Editora Companhia das Letras, 2013.

BRAGATO, Fernanda Frizzo; DE PAULO BARRETTO, Vicente; DA SILVEIRA FILHO, Alex Sandro. A interculturalidade como possibilidade para a construção de uma visão de direitos humanos a partir das realidades plurais da América Latina. Revista da Faculdade de Direito UFPR, v. 62, n. 1, p. 33-59, 2017. Disponível em: < https://revistas.ufpr.br/direito/article/view/47133/32425 >. Acesso em: 11 jul. 2018.

BRAGATO, Fernanda Frizzo. Pessoa humana e direitos humanos na Constituição Brasileira de 1988 a partir da perspectiva pós-colonial. 2009. 350 p. 2009. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Direito, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo/RS. Disponível em: < http://www.repositorio.jesuita.org.br/bitstream/handle/UNISINOS/2494/FernandaBragatoDireito.pdf?sequence=1&isAllowed=y >. Acesso em: 22 maio 2018.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução Renato Aguiar. – 13ª ed. – Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

DAMÁZIO, Eloise da Silveira Petter et al. Colonialidade e decolonialidade da (anthropos) logia jurídica: da uni-versalidade a pluri-versalidade epistêmica. 2011. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/95973/299229.pdf?sequence=1&isAllowed=>. Acesso em: 12 de jul. de 2018.

HONNETH, Axel, Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. Tradução de Luiz Repa; apresentação de Marcos Nobre. – 2º ed. - São Paulo: Editora 34, 2009.

RESTA, Eligio. Percursos da identidade: uma abordagem jusfilosófica. Ijuí: Ed. Unijuí, 2014.

RUANO, Javier Collado. Interculturalidad y descolonialidad: Retos y desafíos epistemológicos. Revista nuestrAmérica, v. 5, n. 9, p. 38-57, 2017. Disponível em: < http://repositorio.unae.edu.ec/bitstream/123456789/96/1/Texto.pdf >. Acesso em: 13 jul. 2018.

SANTOS, André Leonardo Copetti; LUCAS, Doglas Cesar. A (in)diferença no direito. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2015.

SPAREMBERGER, Raquel Fabiana. Direitos humanos e descolonialidade: uma leitura a partir da (anthropos)logia jurídica e formas “outras” de conhecimento. In: SANTOS, André; LUCAS, Doglas (org.). Pós-colonialismo, pensamento descolonial e direitos humanos na América Latina. – Santo Ângelo: FURI, 2014.

WASH, Catherine. Interculturalidad y colonialidad del poder: un pensamento y posicionamento outro desde la diferencia colonial. In: WALSH, Catherine E.; MIGNOLO, Walter; LINERA, Álvaro García. (org.) Interculturalidad, descolonización del estado y del conocimiento. Ediciones del Signo, 2006.

MIGNOLO, Walter. El desprendimiento: pensamiento crítico y giro descolonial. . In: WALSH, Catherine E.; MIGNOLO, Walter; LINERA, Álvaro García. (org.) Interculturalidad, descolonización del estado y del conocimiento. Ediciones del Signo, 2006.

Downloads

Publicado

31/05/2019

Como Citar

Maciel de Oliveira, T. (2019). Os direitos do outro sob uma óptica pós-colonial de interculturalidade. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(5). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1553

Edição

Seção

II - Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura