Maracatu do Baque Virado: Da extensão ao diálogo

Autores

  • Carlos Eduardo Amaral Paiva UFMT
  • Jessica Helena Silva UNIFAL

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1547

Palavras-chave:

Maracatu, extensão, diálogo

Resumo

Este artigo relata o projeto de extensão Ritmos e Elementos do Maracatu de Baque Virado, desenvolvido na Universidade Federal de Alfenas nos anos de 2016/2017. A partir da condição de coordenador do projeto e discente extensionista realizamos uma observação participativa e a comparação da prática do Maracatu dentro da Universidade com outros grupos tradicionais. Com isso buscamos problematizar a relação da universidade com as práticas da cultura popular, enfatizando as formas de organização, a transmissão dos saberes e a relação entre a cultura acadêmica e a cultura popular. Chegamos à conclusão que a prática de uma cultura popular dentro da universidade pode se configurar como um importante passo na democratização do espaço acadêmico não apenas no sentido de acesso, mas principalmente no sentido de convivência de diferentes organizações e práticas culturais.

Referências

ABRANTES, Terêsa Maria Otranto. Chico Science: a poesia e a dança. In Congresso Internacional da Abralic, 12, 2011, Curitiba. Anais do Congresso Internacional da ABRALIC, Curitiba, 2011, 14p.

ANDRADE, Mário de. Danças Dramáticas do Brasil, 2º tomo. São Paulo: Livraria Martins Editora, 1959.

BRANDAO, Carlos Rodrigues e FAGUNDES, Maurício Cesar Vitória. Cultura popular e educação popular: expressões da proposta freireana para um sistema de educação. Educ. rev. [online]. n.61, 2016, pp.89-106. <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602016000300089&lng=en&nrm=iso>. ISSN 0104-4060. http://dx.doi.org/10.1590/0104-4060.47204.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1974.

CARVALHO, Frederico Lyra de e SANDRONI, Carlos. Controvérsias Sobre Práticas e Transformações Musicais: concepções de tradição no maracatu pernambucano. In Congresso de Iniciação Científica da UFPE - CONIC, Recife; 2011.

COSTA, F. A. Pereira da. Folk-lore Pernambucano: Subsídios para a história da poesia popular em Pernambuco. 2ª edição. Recife: CEPE, 2004.

DELFINO, Leonara Lacerda. O Rosário dos Irmãos Escravos e Libertos: Fronteiras, Identidades e Representação do Viver e Morrer na Diáspora Atlântica. Freguesia do Pila – São João Del-Rei (1772-1850). Tese (Doutorado em História), Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2015.

FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação. 8ª Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

LIMA, Ivaldo Marciano de França. Maracatus-Nação: Ressignificando Velhas Histórias. Recife: Edições Bagaço, 2005.

GUERRA PEIXE, César. Maracatus do Recife. Rio de Janeiro, São Paulo: Irmãos Vitale Editores, 1980.

OLIVEIRA, Jailma Maria. Rainhas, mestres e tambores: Gênero, corpo e artefatos no maracatu-nação pernambucano. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Programa de Pós Gradução em Antropologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.

SANTOS, Boaventura Sousa. Pela Mão de Alice: O social e o político na pós-modernidade. 7ª ed. Porto: Afrontamento, 1999.

SILVA, Jéssica Helena da. A Tradição Reinventada: memórias sobre o pertencimento, o sagrado e o empoderamento feminino nos maracatus nação de Recife. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Federal de Alfenas (UNIFALMG), Alfenas, 2017.

TSEZANAS, Julia Pittier. O Maracatu de Baque Virado: história e dinâmica cultural. Dissertação (Mestrado em História), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, USP, São Paulo, 2010.

WILLIAMS, Raymond. Cultura e Sociedade: 1780-1950. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1969.

Downloads

Publicado

31/05/2019

Como Citar

Paiva, C. E. A., & Silva, J. H. (2019). Maracatu do Baque Virado: Da extensão ao diálogo. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(5). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1547

Edição

Seção

II - Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura