Aisthesis e a Fruição Estética

Autores

  • Gabriel Pereira Faria Universidade Federal de Mato Grosso
  • Jordan Antonio de Souza Universidade Federal de Mato Grosso
  • Ludmila de Lima Brandão Universidade Federal de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1545

Palavras-chave:

aisthesis, arte, estética, fruição, objeto

Resumo

Pretende-se, neste trabalho, apresentar uma abordagem sobre a estética e a fruição que dela ocorre. Esta discussão torna-se central na arte contemporânea, uma vez que a estética se encontra sob suspeita aos olhos dos especialistas. Para pensar a fruição do expectador diante da obra de arte, coloca-se em voga a questão da estética e a retomada da sua origem semântica, aisthesis, para traçar um percurso sobre a estética que pretenda dialogar com a arte contemporânea. A arte atual dilui os limites entre arte e não arte, não há diferença entre um evento cotidiano e o acontecimento artístico. A arte está sendo feita, o artista está inventado, está em processo de criação e a estética está presa as suas definições tradicionais. Abordamos na origem do termo estética não apenas a aisthesis, como também, poiésis e aisthetikôs na tentativa de expor o fenômeno e a recepção do fenômeno integrante a esta discussão. A estética apresenta-se como o tecido sensível para pensar a arte no ocidente. O texto traz uma abordagem de Rancière sobre o regime estético da arte como uma forma específica de experiência estética.

Biografia do Autor

Gabriel Pereira Faria, Universidade Federal de Mato Grosso

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea da Universidade Federal de Mato Grosso, Mestre em Estudos de Cultura Contemporânea pela Universidade Federal de Mato Grosso, Professor Licenciado em Filosofia.

Jordan Antonio de Souza, Universidade Federal de Mato Grosso

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea da Universidade Federal de Mato Grosso, Mestre em Estudos de Cultura Contemporânea da UFMT, Bacharel em Biblioteconomia pela UFMT, e atua profissonalmente como Bibliotecário-Documentalista na UFMT.

Ludmila de Lima Brandão, Universidade Federal de Mato Grosso

Doutora em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Brasil(1999)
Professor Titular da Universidade Federal de Mato Grosso, Brasil

Referências

ALMEIDA, Rogério de. O mundo, os homens e suas obras: filosofia trágica e pedagogia da escolha. 2015. 204 f. Tese (Livre-docência) - Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação, São Paulo, 2015. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/livredocencia/48/tde-15032016-143517/pt-br.php. Acesso em: 05 mar. 2018.

BAYER, Raymond. História da estética. Trad. José Saramago. Lisboa: Estampa, 1978.

CASTRO, Inês. Aísthesis. Filosoficamente Ocupada, 5 jan. 2013. Disponível em: http://filosoficamenteocupada.blogspot.com/2013/01/aisthesis.html. Acesso em: 26 dez. 2018.

GREGÓRIO, Sério Biagi. Dicionário de Filosofia. Cidade: Ed. Livraria Cultura e amazona, ano. Disponível em: https://sites.google.com/view/sbgdicionariodefilosofia/página-inicial?authuser=0. Acesso em: 26 dez. 2018.

HERMANN, Nadja. Ética e estética: a relação quase esquecida. Porto alegre: EDIPUCRS, 2005. (Coleção Filosofia, 193). Disponível em: http://www.pucrs.br/edipucrs/digitalizacao/colecaofilosofia/eticaeestetica.pdf. Acesso em: 26 dez. 2018.

JIMENEZ, Marc. O que é estética. Trad. Fulvia M. L. Moretto. São Leopoldo: Ed. Unisinos, 2004.

LACOSTE, Jean. A filosofia da arte. Trad. Alvaro Cabral. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1986. Disponível em: https://docente.ifrn.edu.br/rodrigovidal/disciplinas/filosofia-integrado-regular/texto-sobre-estetica-jean-lacoste. Acesso em: 26 dez. 2018.

MEDEIROS, Maria Beatriz de. Aisthesis: estética, educação e comunidades. Chapecó: Argos, 2005.

PAREYSON, Luigi. Os problemas da estética. Trad. Maria Helena Nery Garcez. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

RAMOS, Pedro Hussak van Velthen. Modernidade e regime estético das artes. Aisthe, Rio de Janeiro, v. 8, n. 12, 2014. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/Aisthe/article/view/10511/7835. Acesso em: 26 dez. 2018.

RANCIÈRE, Jacques. Aisthesis: [entrevista 17 nov. 2011]. Entrevista concedida a Eric Loret. Libération, nov. 2011. Disponível em: http://www.editions-galilee.fr/images/3/p_9782718608525.pdf. Acesso em: 26 dez. 2018.

REGIME. In: Dicionários Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2018. Disponível em: https://dicionario.priberam.org/regime. Acesso em: 26 dez. 2018.

SPINELLI, Miguel. Aísthêsis e nóêsis: de como filosofia grega rompeu comas aparências. Kriterion: Revista de Filosofia, Belo Horizonte, v. 50, n. 119, p. 137-158, jun. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-512X2009000100007. Acesso em: 26 dez. 2018.

VAZQUEZ, Adolfo Sanchez. Um convite à estética. Trad. Gilson Baptista Soares. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

Downloads

Publicado

31/05/2019

Como Citar

Pereira Faria, G., Antonio de Souza, J., & de Lima Brandão, L. (2019). Aisthesis e a Fruição Estética. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(5). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1545

Edição

Seção

II - Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura