Clarice e Macabéa: representações do bios e da morte

Autores

  • Anny Caroline de Souza Marques Universidade Federal do Mato Grosso do Sul
  • Edgar Cézar Nolasco Universidade Federal do Mato Grosso do Sul

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1542

Palavras-chave:

A hora da estrela, Crítica biográfica fronteiriça, Intelectual.

Resumo

Este trabalho visa elaborar um perfil ficcional da escritora brasileira Clarice Lispector, fundamentado no recorte epistemológico crítico biográfico fronteiriço (NOLASCO, 2015), teorização cunhada por Edgar Cézar Nolasco no texto “Crítica biográfica fronteiriça”. Para tal, realizaremos uma leitura eminentemente de caráter bibliográfico, relendo A hora da estrela (1997), romance em que Clarice narra, através do escritor Rodrigo S.M., a história de uma jovem nordestina de Alagoas, criada pela tia, na cidade do Rio de Janeiro. Em um primeiro momento, buscaremos abordar a figura da intelectual Clarice à luz dos postulados de Edward Said na obra Representações do intelectual (2005), bem como a política na escritora. Além disso, buscaremos articular esta relação crítica e intelectual com o bios da escritora na esteira das reflexões de Eneida Maria de Souza em Janelas indiscretas (2011). Vale salientar que esta discussão emerge da fronteira-Sul, que é tanto territorial quanto epistemológica, e está atravessada por nossas sensibilidades biográficas (NOLASCO, 2015) enquanto sujeitos que pensam e articulam uma leitura acerca da escritora brasileira a partir deste lugar. Como resultado, espera-se contemplar a figura da intelectual, distanciando-a das imagens atribuídas a ela e à sua obra como “literatura de mulherzinha”. Esse texto respalda-se em teóricos, dentro outros, como Edgar Cézar Nolasco, Eneida Maria de Souza, Walter Mignolo, Edward Said, Silviano Santiago e Nádia Battella Gotlib. Algumas obras que contribuirão para a discussão proposta aqui são: CADERNOS DE ESTUDOS CULTURAIS, Crítica cult (2002), Janelas indiscretas (2011), Representações do intelectual (2005), Histórias locais/projetos globais (2003), A louca da casa (2004), Clarice uma vida que se conta (2010).

Referências

AZEVEDO, Luciene. Representação e performance na literatura contemporânea. In: CERRADOS: revista do Programa de Pós-Graduação em Literatura – Vol. 1, N. 1. Tema: Literatura e presença: Clarice Lispector. Brasília – DF: Universidade de Brasília, 2007, p. 203-217.

CHIAPPINI, Lígia. Pelas ruas da cidade uma mulher precisa andar: leitura de Clarice Lispector. In: Literatura e sociedade. ISSN 1413-2982. São Paulo, 1996, p. 60-80.

GOTLIB, Nádia Battella. Clarice fotobiografia. São Paulo: Edusp; Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2008.

LISPECTOR, Clarice. A hora da estrela. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1998.

NOLASCO. Caldo de Cultura. Campo Grande: Editora UFMS, 2007.

SAID, Edward. Representações do intelectual. São Paulo: Companhia das letras, 2005.

Downloads

Publicado

31/05/2019

Como Citar

de Souza Marques, A. C., & Nolasco, E. C. (2019). Clarice e Macabéa: representações do bios e da morte. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(5). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1542

Edição

Seção

II - Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>