Diversidade Cultural e Tecnologias Sociais: estudos para incentivar a autogestão de comunidades do Brasil e Argentina

Autores

  • Nadja Maria Mourão Universidade do Estado de Minas Gerais http://orcid.org/0000-0003-3990-0201
  • Rita de Castro Engler UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS
  • Ana Célia Carneiro Oliveira UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1540

Palavras-chave:

Diversidade cultural, tecnologias sociais, Brasil, Argentina, comunidades

Resumo

Em tempos atuais, para combater as constantes crises que assolam as nações em todos os continentes, os padrões pré-estabelecidos não mais atendem as questões vivenciadas pela humanidade. Há uma busca constante por novos modelos de gestão, em todas as áreas e setores que demandam o desenvolvimento. Nesse estudo, apresentam-se dois estudos em comunidades na América Latina (Brasil e Argentina) que constroem experiências participativas para incentivo a autogestão. Acredita-se que as tecnologias sociais, oriundas de ações governamentais e não-governamentais, quase sempre apoiadas em políticas públicas, podem gerar possibilidades empreendedoras sociais, reafirmando suas especificidades identitárias. Pelo método da análise bibliográfica realiza-se uma busca de temáticas que possibilitem uma abrangência de conteúdos e exemplos que atendam aos objetivos da pesquisa. O evento “Encontro dos Povos do Grande Sertão Veredas” é realizado em Chapada Gaúcha, em Minas Gerais/Brasil. evento reúne pessoas de outros municípios, estados e países. Em meio aos festejos, realizam-se a comercialização de produtos locais por meio da moeda social - Veredas. Na Argentina, na periferia da cidade de Buenos Aires, a plataforma “Caminhos da Favela” busca soluções para problemas estruturais das comunidades, que participam da identificação desses problemas e promovem a integração entre os membros. Percebe-se que as tecnologias sociais além de solucionarem problemas pontuais reafirmam a cultura e a identidade das comunidades gestoras. São caminhos percorridos que se transformam em fatores diferenciais para possibilidades de desenvolvimento econômico. Os exemplos da diversidade cultural e modelos de tecnologias sociais em comunidades no Brasil e na Argentina apontam resultados efetivos. O diferencial dos exemplos se constitui no esforço para assegurar a identidade das comunidades e na abordagem da qualidade de vida em geração de renda.

Biografia do Autor

Nadja Maria Mourão, Universidade do Estado de Minas Gerais

Doutoranda em Design, pelo PPGD- Universidade do Estado de Minas Gerais, possui mestrado em Design, UEMG (2011). Área de concentração do PPGD/UEMG: Design, Inovação e Sustentabilidade; Pós-Graduação em Arte Educação pela UEMG - Faculdade de Educação; Bacharel em Decoração (Design de Ambientes) pela Fundação Mineira de Arte Aleijadinho - Escola de Artes Plásticas. Atualmente é membro do CEDTec - Centro de Estudos de Design & Tecnologia / Linha: Cultura, Aspectos Socioeconômicos, Sustentabilidade e Gestão da inovação. Grupo CNPq: Tecnologia Social e Design Inclusivo. Professor titular da UEMG - Escola de Design. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Meio Ambiente, atuando principalmente nos seguintes temas: Tecnologia Social, Sustentabilidade, Design, Cultura e Identidade.

Rita de Castro Engler, UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS

Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Minas Gerais (1985), mestrado em Engenharia de Produção pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1988) e especialização(DEA) e doutorado em Engenharia de Produção e Gestão de Inovação Tecnologica - Ecole Centrale Paris (1993), pós-doutorado em Design na UEMG(1994), pós-doutorado em Design Social na Ryerson University(2014). Foi bolsista de mestrado Na PUC/RJ, chargé des cours na Ecole des Mines de Paris, Bolsista de doutorado e pesquisadora na Ecole Centrale Paris, Coordenadora de Projetos no Centro de Pesquisas e Desenvolvimento da UEMG, Professora e Coordenadora do Mestrado em Gestão de Tecnologia do CEFET/RJ, criou e coordenou o Centro de Lideranças da BSP- Business School São Paulo; diretora e sócia da Eventail Produções & Eventos. Atualmente é professora concursada em Inovação e Design e do programa de doutorado e mestrado em Design da UEMG (onde atuou como coordenadora). Pesquisadora com bolsa de produtividade do CNPq, professora convidada da University of Tennessee, CBU - Christian Brothers University, Middle Tennessee State University, Ryerson University, CPUT- Cape Peninsula University of Technology e Stellenbosch University, responsável no Brasil pelo Consorcio de Engineering Management, e coordenadora do CEDTec - Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design e Tecnologia da UEMG, laboratório membro da Rede DESIS (Rede Mundial de Inovação Social) e do LENSin

Ana Célia Carneiro Oliveira, UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS

Mestre em Design, PPGD/UEMG, área de concentração: Design, Inovação e Sustentabilidade, Pesquisa Design para a Felicidade: objetos de memória em espaços de vivências. Possui Pós-Graduação em Arte Educação pela UEMG - Faculdade de Educação (1999); Bacharel em Decoração (Design de Ambientes) pela Fundação Mineira de Arte Aleijadinho - Escola de Artes Plásticas (1993). Atuante como Designer de Ambientes em Projetos Comerciais.  Membro de projetos de pesquisa e Extensão do CEDTec - Centro de Estudos de Design e Tecnologia da Escola de Design – UEMG. Pesquisadora dos Grupos de Pesquisa do CNPq: Design, Inovação & Tecnologia; Design Inclusivo e Tecnologia Social; Pesquisa, Ensino e Projeto de Design; Design para Ambientes; Estudos em Design, Identidade e Território; Estudos em Design, Comunidades, Tecnologias Sociais e Iniciativas Sustentáveis – Dectesis.

Referências

CANCLINI, N. G. Diferentes, desiguales y desconectados. Mapas de la interculturalidad. Barcelona: Gedisa, 2004.

DICIONÁRIO DO AURÉLIO. Significado de Crise. Disponível em: <https://dicionariodoaurelio.com/crise>. Acesso em: 10 mai. 2019.

FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL - FBB. Caminhos Da Favela (Caminos De La Villa - Argentina). Postado em: Atualizada em: 16 mar. 2018. Disponível em: <http://tecnologiasocial.fbb.org.br/tecnologiasocial/banco-de-tecnologias-sociais/pesquisar-tecnologias/detalhar-tecnologia-741.htm>. Acesso em: 10 mai. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA – IBGE. Censo 2010. Disponível em: <https://censo2010.ibge.gov.br/resultados.html>.Acesso em: 10 mai. 2019.

INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL - ITS. Disponível em: <http://www.itsbrasil.org.br/conheca-o-its-brasil/conheca-o-its-brasil>. Acesso em: 10 mai. 2019.

LAPAGESSE, G. Com a ajuda de novo aplicativo, moradores põem favelas com UPPs no mapa do Rio Comunidade de Manguinhos é a primeira no Rio a participar do projeto. Postado em: 01 nov. 2014. Disponível em: <https://oglobo.globo.com/rio/com-ajuda-de-novo-aplicativo-moradores-poem-favelas-com-upps-no-mapa-do-rio-14433152>. Acesso em: 10 mai. 2019.

MOURÃO, N. M. Apostila Tecnologia Social e design para todos. Belo Horizonte: CEDTec - Centro de Estudos em Design e Tecnologia da Escola de Design da Universidade do Estado de Minas Gerais, 2018.

MOURÃO, N. M. Tecnologias sociais e empreendimentos criativos na Região Metropolitana de Belo Horizonte/MG. Revista Brasileira do Desenvolvimento Regional, PPGDR/Universidade Regional de Blumenau, ISSN 2317-5443, 2017. DOI: <http://dx.doi.org/10.7867/2317-5443.2017v5n1p053-067>. Acesso em: 10 mai. 2019.

PARENTE, C.; COSTA, D.; SANTOS, M.; CHAVES, R. R. Empreendedorismo social: contributos teóricos para a sua definição. In: XIV Encontro Nacional de Sociologia Industrial, das Organizações e do Trabalho Emprego e coesão social: da crise de regulação à hegemonia da globalização. Lisboa, 26 e 27 de Maio de 2011. Disponível em: . Acesso em: 10 mai. 2019.

REYGADAS, L. Ensamblando culturas: diversidad y conflicto en la globalización de la industria. Barcelona: Gedisa, 2002.

TASCA, J. E. et al. An approach for selecting a theoretical framework for the evaluation of training programs. Journal of European Industrial Training, v. 34, n. 7, p. 631- 655, 2010. <http://dx.doi.org/10.1108/03090591011070761>. Acesso em: 10 mai. 2019.

TEIXEIRA, D. L. P.; SOUZA, M. C. A. F. de. Organização do processo de trabalho na evolução do capitalismo. Revista de Administração de Empresas, vol.25 nº. 4 , São Paulo Oct./Dec. 1985. Disponível em:<http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75901985000400007>. Acesso em: 10 mai. 2019.

UNESCO. Declaração Universal sobre a Diversidade Cultural. CLT.2002/WS/9, 2002. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001271/127160por.pdf>. Acesso em: 10 mai. 2019.

WCED - WORLD COMMISSION ON ENVIRONMENT AND DEVELOPMENT (Gro Harlem Brundtland, Chair). Our Common Future. Oxford University Press, Oxford, 1987.

Downloads

Publicado

31/05/2019

Como Citar

Mourão, N. M., Engler, R. de C., & Oliveira, A. C. C. (2019). Diversidade Cultural e Tecnologias Sociais: estudos para incentivar a autogestão de comunidades do Brasil e Argentina. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(5). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1540

Edição

Seção

II - Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

<< < 1 2 3 4 5 6 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.