O Problema do Colonialismo na Era dos Museus Hiperconectados

Autores

  • Lucas Monteiro de Araujo Universidade Federal do Pará
  • Agenor Sarraf Pacheco Universidade Federal do Pará

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1535

Palavras-chave:

Museu, Coleções, Colonialismo

Resumo

As últimas décadas presenciaram mudanças ligeiras e exponenciais no campo tecnológico e comunicacional, com destaque para a criação da internet que ampliou e facilitou o acesso a informações em níveis globais. Frente a estas novas reconfigurações, os museus viram surgir uma ferramenta nova e aliada à disseminação de conhecimentos e interação com o público. Atualmente são poucas as instituições museológicas que não possuem website, as antigas cartas deram lugar a e-mails, catálogos deram lugar a coleções online, visitas virtuais, softwares de interação em tempo real, tudo possível de ser acessado em qualquer parte do mundo. O fato é que vivemos em uma era de museus hiperconectados – o próprio Conselho Internacional de Museus escolheu a hiperconectividade como temática para o dia dos Museus de 2018. Contudo, juntamente com estas novas perspectivas, também surgiram novos desafios e problemáticas, valendo destacar aqui a necessidade cada vez mais crescente de informações disponibilizadas pelas instituições museológicas. Este trabalho situa-se dentro deste debate, buscando problematizar o conteúdo veiculados por museus em suas plataformas digitais. Para tanto, tomamos para estudo o caso de coleções marajoaras digitalizadas e disponibilizadas nos sites de museus internacionais. Estas coleções são formadas principalmente por fragmentos cerâmicos, além de espécimes zoológicos e botânicos, cujas informações disponibilizadas se limitam a dados eminentemente técnico. Nossa compreensão é que esta forma de exposição revela um caráter colonialista dos museus, pois além de obscurecerem a “vida social” destes objetos, ainda reduz à cosmovisão dos grupos ali representados a números e medidas.

Referências

AGASSIZ, J. L. R.; AGASSIZ, E. C. Viagem ao Brasil 1865-1866. Brasília: Senado Federal, 2000.

ALMEIDA, A. W. B; OLIVEIRA, M. A. (Org). Museus indígenas e quilombolas: centro de ciências e saberes. Manaus: UEA Edições/ PNCSA, 2017.

APPADURAI, A. The Social Life of Things: commodities in cultural perspective. Cambridge University Press, 1986.

ARAUJO, L. M. Representações Marajoaras Em Relatos De Viajantes: Natureza, Etnicidade e Modos de Vida no Século XIX. Universidade Federal do Pará, Programa de Pós-Graduação em Antropologia. Dissertação de Mestrado, 2017.

BALLESTRIN, L. América Latina e o giro decolonial. In. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 11. Brasília, maio - agosto de 2013, pp. 89-117.

CASTRO-GOMEZ, S. Ciências sociais, violencia epistêmica e o problema da ‘invenção do outro’. In. LANDER, Edgardo (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais, perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005.

CHEN, K. T. N. The Disciplinary Power of Museums. In. International Journal of Social Science and Humanity, v. 3, n. 4, Julho, 2013.

FILHO, M. L.; ATHIAS, R. Dos museus etnográficos às etnografias dos museus: o lugar da Antropologia na contemporaneidade. In. RIAL, C.; SCHWADE, E. (org.). Diálogos antropológicos contemporâneos. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Antropologia, 2016.

FREIRE, J. R. B. Museus indígenas, museus etnográficos e a representação dos índios no imaginário nacional: O que o museu tem a ver com educação? In. KURY, M. X. (Org). Museus e indígenas: saberes e ética, novos paradigmas em debate. São Paulo: Secretaria da Cultura : ACAM Portinari : Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, 2016.

GUALTIERI, R. C. E. Evolucionismo no Brasil: ciência e educação nos museus 1870-1915. São Paulo: Ed. Livraria da Física, 2008.

HALL, S. O ocidente e o resto, discurso e poder. Projeto História 56, 2016, pp. 314-361.

HARTT, C. F. A região de Breves. In. Boletim do Museu Paraense de Hist. Nat. e Etnog. Tomo II, Fascículos 1 -4. Belém: Typografia de Alfredo Silva & Comp. 1898.

LOPES, M. M. J. R. O Brasil descobre a pesquisa científica: os museus e as ciências sociais no século XIX. São Paulo: Aderaldo & Rothschild; Brasília, DF: Ed. da UNB, 2009.

MCCORMACK, Carey. Collection and Discovery: Indigenous Guides and Alfred Russel Wallace in Southeast Asia, 1854-1862. Journal of Indian Ocean World Studies, v. 1, 2017. pp 110-127.

MELLO, J. C. Museus e Ciberespaço: Novas Linguagens da Comunicação na Era Digital. In. Cultura Histórica & Patrimônio. V. 1, n. 2, p. 6-29, 2013. ISSN 2316-5014. Disponível em:https://publicacoes.unifalmg.edu.br/revistas/index.php/cultura_historica_patrimonio/article/view/01_art_v1n2 Acesso em: 15 nov. 2018.

MIGNOLO, W. D. El Pensamiento Decolonial: Desprendimiento Y Apertura. In. CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores, 2007.

MONTECHIARE, R. Museu, objetos e os diferentes tempos confluentes. In. Novos Debates: Fórum de Debates em Antropologia. v. 2, n. 1, jan. 2015. Disponível em: http://novosdebates.abant.org.br/index.php/numeros-anteriores/v2n1 Acesso em: 15 nov. 2018.

OLIVEIRA, T. L. C. Artefatos para o ensino: a pesquisa por meio de práticas criativas com a cultura material. In. BELTRÃO, J. F.; LACERDA, P. M. Amazônias em tempos contemporâneos: entre diversidades e adversidades. Rio de Janeiro: Mórula, 2017.

POSAS, H. C. G, Classificar e ordenar: os gabinetes de curiosidades e a história natural. In. VIDAL, D. G. FIGUEIREDO, B. G. Museus: dos gabinetes de curiosidades à museologia moderna. [s.l.: s.n.], 2013.

RIBEIRO, G. B. VAN VELTHEM, L. H. Coleções Etnográficas: Documentos Materiais para a História Indígena e a Etnologia. In. CUNHA, M. C. SALZANO, F. M. (Orgs.). História dos Índios no Brasil. São Paulo, SP: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, 1992.

SAFIER, Neil. Global Knowledge on the Move: Itineraries, Amerindian Narratives, and Deep Histories of Science. In. Isis, v. 101, p. 133-145, 2010.

SANJAD, N. A coruja de minerva: o museu paraense entre o Império e a República (1866-1907). Brasília: Instituto Brasileiro de Museus; Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi; Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, 2010.

SCHAAN, D. P. Cultura marajoara. Ed. trilíngüe. Rio de Janeiro, RJ : [Belém, Brazil]: Senac Editoras ; Federação de Comércio do Estado do Pará, Centro do Comércio do Pará, 2009.

______. Entre a tradição e a pós-modernidade: a cerâmica marajoara como símbolo da identidade ´paraense´. In: MAUÉS, H. R. e MACIEL, M.E. (ed). Diálogos Antropológicos: diversidades, patrimônios, memórias. Belém: L & A Editora, 2012. pp. 35-68.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil, 1870-1930. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 1993.

SUANO, M. O que é museu. São Paulo: Brasiliense, 1986.

Downloads

Publicado

31/05/2019

Como Citar

de Araujo, L. M., & Pacheco, A. S. (2019). O Problema do Colonialismo na Era dos Museus Hiperconectados. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(5). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1535

Edição

Seção

II - Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura