Estudos para incentivar soluções sociocriativas por meio de tecnologias sociais na America Latina

Autores

  • Rita de Castro Engler UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS
  • Nadja Maria Mourão Universidade do Estado de Minas Gerais http://orcid.org/0000-0003-3990-0201

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1534

Palavras-chave:

Tecnologias sociais, soluções sociocriativas, fronteira, geração de renda, inclusão social

Resumo

No mundo atual, as tecnologias sociais se tornaram alternativas para solução de problemas estruturais da sociedade, de forma simples, de baixo custo, replicáveis e apoiadas por instituições. Elas estão fundamentas em duas bases para sua propagação: a participação de pessoas das comunidades que as desenvolvem, e a sustentabilidade nas soluções apresentadas. No Brasil e países vizinhos, são encontrados exemplos de tecnologias sociais, certificadas pela Fundação Banco do Brasil, que geram soluções sociocriativas. Pelo perfil associativo e solidário, essas tecnologias sociais são mecanismos que promovem a autogestão, fator relevante, em tempos de crise econômica. O objetivo dessa pesquisa é analisar o desenvolvimento dos projetos de tecnologias sociais, de forma que possam ser replicados em outras comunidades da América Latina, em soluções sociocriativas. A metodologia compreende pesquisa bibliográfica de contextos temáticos. As questões das comunidades de fronteiras podem ser compreendidas pela semelhança das dificuldades territoriais, que são abrandadas por fatores culturais. É analisado o potencial de compartilhamento das tecnologias sociais em inteligência sociocriativa. Esta pesquisa é um estudo das possibilidades de gerar soluções em conjunto, em um mundo onde, as opiniões diferentes de questões políticas e culturais, geram conflitos e exclusão. A inteligência sociocriativa propõe a conexão da diversidade de olhares e pensamentos, inclusive opostos, para criar realidades mais inclusivas e sustentáveis. Modelos de tecnologias sociais podem promover o diálogo entre comunidades, inclusive entre fronteiras, em experiências semelhantes. Um dos exemplos é o projeto "10caminhos" que propõe solução em geração de renda para as populações em situação de vulnerabilidade econômica ao crime. Tem como objetivo organizar o primeiro distrito criativo na tríplice fronteira Brasil, Argentina e Paraguai. Assim, em Foz do Iguaçu/Brasil, foi criado o primeiro núcleo na comunidade da Vila C - uma tecnologia social em modelo sociocriativo. Espera-se que este se torne um distrito criativo, um referencial da tríplice fronteira Latina Americana.

Biografia do Autor

Rita de Castro Engler, UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS

Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Minas Gerais (1985), mestrado em Engenharia de Produção pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1988) e especialização(DEA) e doutorado em Engenharia de Produção e Gestão de Inovação Tecnologica - Ecole Centrale Paris (1993), pós-doutorado em Design na UEMG(1994), pós-doutorado em Design Social na Ryerson University(2014). Foi bolsista de mestrado Na PUC/RJ, chargé des cours na Ecole des Mines de Paris, Bolsista de doutorado e pesquisadora na Ecole Centrale Paris, Coordenadora de Projetos no Centro de Pesquisas e Desenvolvimento da UEMG, Professora e Coordenadora do Mestrado em Gestão de Tecnologia do CEFET/RJ, criou e coordenou o Centro de Lideranças da BSP- Business School São Paulo; diretora e sócia da Eventail Produções & Eventos. Atualmente é professora concursada em Inovação e Design e do programa de doutorado e mestrado em Design da UEMG (onde atuou como coordenadora). Pesquisadora com bolsa de produtividade do CNPq, professora convidada da University of Tennessee, CBU - Christian Brothers University, Middle Tennessee State University, Ryerson University, CPUT- Cape Peninsula University of Technology e Stellenbosch University, responsável no Brasil pelo Consorcio de Engineering Management, e coordenadora do CEDTec - Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design e Tecnologia da UEMG, laboratório membro da Rede DESIS (Rede Mundial de Inovação Social) e do LENSin.

Nadja Maria Mourão, Universidade do Estado de Minas Gerais

Doutoranda em Design, pelo PPGD- Universidade do Estado de Minas Gerais, possui mestrado em Design, UEMG (2011). Área de concentração do PPGD/UEMG: Design, Inovação e Sustentabilidade; Pós-Graduação em Arte Educação pela UEMG - Faculdade de Educação; Bacharel em Decoração (Design de Ambientes) pela Fundação Mineira de Arte Aleijadinho - Escola de Artes Plásticas. Atualmente é membro do CEDTec - Centro de Estudos de Design & Tecnologia / Linha: Cultura, Aspectos Socioeconômicos, Sustentabilidade e Gestão da inovação. Grupo CNPq: Tecnologia Social e Design Inclusivo. Professor titular da UEMG - Escola de Design. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Meio Ambiente, atuando principalmente nos seguintes temas: Tecnologia Social, Sustentabilidade, Design, Cultura e Identidade.

Referências

ALENCAR, E. M. L. S. Criatividade no Contexto Educacional: Três Décadas de Pesquisa. Revista Psicologia: Teoria e Pesquisa, Vol. 23 n. especial, p. 045-049, 2007.

BAUMGARTEN, M. Tecnologia. In: CATTANI, A.; HOLZMANN, L. Dicionário de trabalho e tecnologia. Porto Alegre: Ed. UFRGS, p. 288-292, 2006.

BUCHE, Patrícia. Ponte da Amizade: a fronteira mais movimentada do país. Postado em: 07 Dez, 2017. Disponível em: <https://www.100fronteiras.com/ponte-da-amizade-fronteira-mais-movimentada-do-pais/>. Acesso em 28 dez. 2018.

CAMARA DOS DEPUTADOS. Ciência e Tecnologia. Câmara aprova criação da Política Nacional de Tecnologia Social. Postado em: 16 ago. 2017. Disponível em:<http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/CIENCIA-E-TECNOLOGIA/539215-CAMARA-APROVA-CRIACAO-DA-POLITICA-NACIONAL-DE-TECNOLOGIA-SOCIAL.html>. Acesso em: 22 dez. 2018.

CARNEIRO FILHO, C. P. Tríplice fronteira Brasil-Argentina-Paraguai: transfronteirização através do crime. Revista Relações Internacionais no Mundo Atual, Curitiba, vol.2, nº 16, 2012.

DAGNINO, R. [Org.]. Tecnologia Social: ferramenta para construir outra sociedade. Campinas: Komedi, 2010.

DIRETORIA EXECUTIVA NACIONAL (DEN). Projeto Fronteira em Foco, Brasília: Sindicato Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil, 2011. Disponível em: <https://www.sindifisconacional.org.br/images/atividades/Fronteira_em_Foco/Fronteira_em_Foco.pdf>. Acesso em: 22 dez. 2018.

ESTIVILL, J. Panorama da Luta contra a Exclusão Social. Conceitos e Estratégias. Genebra: Bureau Internacional do Trabalho, Programa Estratégias e Técnicas contra a Exclusão Social e a Pobreza, 2003.

FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIFBB. Banco de tecnologias sociais.

Disponível em: . Acesso em: 02 dez. 2018.

GARDNER, H. Inteligências Múltiplas: a Teoria na Prática. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2002.

INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL - ITS. Declaração das ONGs: ciência e tecnologia com inclusão social, 2005.

KLIASS, P. A importância da tecnologia social. In: carta maior.com.br, 2012.

MACIEL, A. L. S.; FERNANDES, R. M. C. Tecnologias sociais: interface com as políticas públicas e o Serviço Social. Revista Serviço Social & Sociedade, São Paulo, nº 105, p. 146-165, jan./mar., 2011.

MANZINI, E. Design para a inovação social e sustentabilidade: comunidades criativas, organizações colaborativas e novas redes projetuais. Rio de Janeiro: E-papers, 2008.

MARTINEZ, A. Cultura e Mercado. 10 atitudes sociocriativas. Postado em: 5 mar. 2015. Disponível em: <http://www.culturaemercado.com.br/site/destaque/10-atitudes-sociocriativas/>. Acesso em: 22 dez. 2018.

MINISTÉRIO DA CULTURA. Guia do Empreendedor Sociocultural. Disponível em: <https://sociocriativo.files.wordpress.com/2017/12/guia_empreendedor_sociocultural.pdf>. Acesso em: 22 dez. 2018.

MOURÃO, N. M. Tecnologias sociais e empreendimentos criativos na Região Metropolitana de Belo Horizonte/MG. Revista Brasileira do Desenvolvimento Regional, PPGDR/Universidade Regional de Blumenau, ISSN 2317-5443, 2017. DOI: <http://dx.doi.org/10.7867/2317-5443.2017v5n1p053-067>. Acesso em: 22 dez. 2018.

PERUZZO, C. M. K. ; VOLPATO, M. O. Conceitos de comunidade, local e região: inter-relações e diferença. Revista Líbero, São Paulo, v. 12, n. 24, p. 139-152, dez. de 2009. Disponível em: <http://www.unipublicabrasil.com.br/uploads/materiais/98faa318d1ce26fd10a1a6bc901e3e4a26072016161928.pdf>. Acesso em: 22 dez. 2018.

PIRES, V. S.; ALBAGLI, S. Estratégias empresariais, dinâmicas informacionais e identidade de marca na economia criativa. Revista Perspectivas em Ciência da Informação, v.17, n.2, p.109-122, abr./jun. 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pci/v17n2/a08v17n2.pdf>. Acesso em: 22 dez. 2018.

UNILA - Universidade Federal da Integração Latino-Americana. 10Caminhos. Disponível em: <https://www.unila.edu.br/noticias/10caminhos>. Acesso em: 22 dez. 2018.

Downloads

Publicado

31/05/2019

Como Citar

Engler, R. de C., & Mourão, N. M. (2019). Estudos para incentivar soluções sociocriativas por meio de tecnologias sociais na America Latina. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(5). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1534

Edição

Seção

II - Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)