Pontes e Viadutos e a Cidade Contemporânea: Pontes ou zonas Fronteiriças na Cidade?

Autores

  • FABIANE KROLOW Universidade Federal de Mato Grosso
  • José Serafim Bertoloto UFMT - Universidade Federal de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1531

Palavras-chave:

Cidade Contemporânea, Cultura Contemporânea, Obras de Arte da Engenharia, Pontes e Viadutos.

Resumo

Diferenças e concepções de fronteiras, em zonas fronteiriças urbanas. A interconexão entre terrestre e águas, a problemática entre fronteiras, espaços semelhantes, diferentes e miscigeno. As ligações possíveis em Cuiabá Mato Grosso através da Ponte Júlio Muller. O presente artigo propõe uma análise em relação aos diferentes processos de reterritorialização e ressignificação nos espaços criados na cidade com a construção de Pontes e Viadutos, buscando entender a efetiva criação de “pontes” culturais na cidade. A análise realizada no artigo tem como objeto de estudo da principal Ponte de Cuiabá, na região metropolitana do Vale do Rio Cuiabá, que une as cidades de Cuiabá e Várzea Grande.

Biografia do Autor

FABIANE KROLOW, Universidade Federal de Mato Grosso

Graduada em Engenharia Civil (UNIVAG) e CST em Design de Interiores (UNIC), projetista e professora universitária no curso de Arquitetura, Urbanismo da FAU - UNIC (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Cuiabá) nas disciplinas com as competências de engenharia e design e Mestranda no Programa de Pós Graduação em Estudos de Cultura Contemporâneas na Universidade Federal de Mato Grosso (ECCO - UFMT).

José Serafim Bertoloto, UFMT - Universidade Federal de Mato Grosso

Membro da Associação Brasileira de Críticos de Arte - ABCA. Possui graduação em Licenciatura e Bacharel em História pela Universidade Federal de Mato Grosso (1985), graduação em Tecnólogo em Bovinocultura pela Universidade Federal de Mato Grosso (1980), mestrado em Artes pela Universidade de São Paulo (1992), especialização em Museu de Arte pelo MAC-USP (1998) e doutorado em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2003). Professor titular da Universidade de Cuiabá, Departamento de Arquitetura e do Programa de Pós-Graduação em Ensino da Universidade de Cuiabá. Hoje aposentado como técnico, mas atua como um dos curadores no Museu de Arte e de Cultura Popular da Universidade Federal de Mato Grosso, onde trabalhou por 28 anos como historiador/pesquisador, e diretor por vários anos. É também professor colaborador no programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea - Área Interdisciplinar / Mestrado e Doutorado. Artista Plástico com vasta experiência na área de Artes, com ênfase em teoria e crítica, atuando principalmente nos seguintes temas: poética, artes visuais, cultura popular, patrimônio artístico cultural, semiótica da arte e do design em Mato Grosso. Principal publicação: Iconografia das Águas: o rio e suas imagens.

Referências

AGIER, Michel. Antropologia da cidade: lugares, situações, movimentos. São Paulo: Terceiro Nome, 2011. pp. 47-100.

BERGER, Petter L.; LUCKMAN, Thomas. A construção social da realidade: Tratado de sociologia do conhecimento. 24. ed. Petrópolis: Vozes, 1985.

BERTOLOTO, José Serafim. ICONOGRAFIA DAS ÁGUAS: O RIO E SUAS IMAGENS. Cuiabá: Catedral, 2006.

CASTELLS, Manoel. “O espaço dos fluxos”. In: A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999. pp. 467-521.

CULLEN, Gordon. Paisagem urbana. 70. ed. Lisboa: Arquitectura e Urbanismo, 2013. 202 p.

DE CERTEAU, Michel. “Terceira parte: Práticas de Espaço”. In: DE CERTEAU, M. A Invenção do Cotidiano. 1. artes de fazer. 3ª ed. Petrópolis: Vozes,

DELEUZE, Gilles; GUATARRI, Félix. Mil platôs: Capitalismo e esquisofrenia. São Paulo: 34, 1980.

PAIS, José Machado. Sociologia da vida cotidiana. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2002.

FAULHABER, Priscila. A Fronteira na Antropologia Social: As Diferentes Faces de um Problema. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais - Bib, São Paulo, n. 51, p.105-125, 2001. Semestral.

SILVA, Marlon Lima da; TOURINHO, Helena Lúcia Zagury. Território, territorialidade e fronteira: o problema dos limites municipais e seus desdobramentos em Belém/PA. Urbe Revista Brasileira de Gestão Urbana (brazilian Journal Of Urban Management), Curitiba, v. 1, n. 9, p.96-109, jan. 2017. Trimestral. Disponível em: <http://www2.pucpr.br/reol/pb/index.php/urbe?dd1=16361&dd99=view&dd98=pb>. Acesso em: 20 jul. 2018.

GAZETA DIGITAL. Gazeta Digital (Org.). Ponte Júlio Müller tem nova intervenção. 2014. Disponível em: <http://www.gazetadigital.com.br/editorias/cidades/ponte-julio-muller-tem-nova-intervencao/415381>. Acesso em: 22 dez. 2018.

WILSON PIRES DE ANDRADE (Olha Direto). Há 74 anos inaugurava a primeira ponte ligando Cuiabá a Várzea Grande.2016. Disponível em: <http://www.olhardireto.com.br/artigos/exibir.asp?id=7800&artigo=ha-74-anos-inaugurava-a-primeira-ponte-ligando-cuiaba-a-varzea-grande>. Acesso em: 21 dez. 2018.

WILSON PIRES DE ANDRADE. O Documento. Primeira ponte sobre o rio Cuiabá comemora 76 anos. 2018. Disponível em: <http://odocumento.com.br/fatos-e-memoria/primeira-ponte-sobre-o-rio-cuiaba-comemora-76-anos,28338>. Acesso em: 20 dez. 2018.

WILSON PIRES DE ANDRADE. Vg Notícias. Primeira ponte sobre o Rio Cuiabá comemora 76 anos. 2018. Disponível em: <https://www.vgnoticias.com.br/artigos/primeira-ponte-sobre-o-rio-cuiaba-comemora-76-anos/44617>. Acesso em: 21 dez. 2018.

Downloads

Publicado

31/05/2019

Como Citar

KROLOW, F., & Bertoloto, J. S. (2019). Pontes e Viadutos e a Cidade Contemporânea: Pontes ou zonas Fronteiriças na Cidade?. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(5). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1531

Edição

Seção

II - Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)