A Marginalidade Enquanto Identidade: A Literatura de Periferia e o Empoderamento Cultural de Seus Sujeitos

Autores

  • Lais Botelho das Neves FURG
  • Jonas Simões das Neves UNIPAMPA-ITAQUI

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v2i1.151

Palavras-chave:

Literatura, Cultura, Sociedade

Resumo

O estudo da cultura brasileira se constitui numa área interdisciplinar e que envolve um número significativo de obras e autores, de forma que as abordagens propostas acabam selecionando apenas alguns considerados mais representativos, no entanto essas são escolhas arbitrárias e que comumente desconsideram as contribuições de vertentes marginais do pensamento e da sociedade. Desta forma, neste artigo pretende-se discutir acerca do lugar da Literatura marginal no interior do pensamento social brasileiro, destacando-se, neste sentido, seu espaço social e sua relevância enquanto dimensão capaz de colaborar com a construção da identidade das populações marginalizadas. Neste sentido, verifica-se que se inicialmente eram atribuídas conotações negativas a marginalidade, a partir da ocupação de um espaço de enunciação, essa foi ressignificada, sendo assumida pelos indivíduos marginais, escritores ou não, como dimensão construtora de sua identidade.

Biografia do Autor

Lais Botelho das Neves, FURG

Licenciada em Letras Português Espanhol, Mestre em História da Literatura.

Jonas Simões das Neves, UNIPAMPA-ITAQUI

Graduado em História, Especialista, mestre e doutor em Sociologia

Referências

ANJOS, Gabrielle dos. Homossexualidade, direitos humanos e cidadania. Sociologias, Porto Alegre, ano 4, nº 7, Jan/Jun 2002, p. 222 – 252.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1998

DUBAR, Claude. Trajetórias sociais e formas identitárias: alguns esclarecimentos conceituais e metodológicos. Campinas, Educação & Sociedade. V. 19, N. 62, abril, 1998.

FERRÉZ. Terrorismo literário. In: Ferréz (Org) Literatura Marginal: Talentos da escrita Marginal. Rio de Janeiro: Agir, 2005.

GILROY, Paul. O Atlântico Negro: modernidade, e dupla consciência. Rio de Janeiro: Editora 34, 2001.

GOFFMAN, Erwin. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: LTC, 1988.

GONZAGA, Sérgius. Literatura marginal. In FERREIRA, João Francisco (Org.). Crítica literária em nossos dias e literatura marginal. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 1981.

HOLLANDA, Heloísa Buarque de. Intelectuais x Marginais. In Portal Literal, 1985 disponível em HTTP://www.portalliteral.com.br/artigos/intelectuais-x-marginais acesso em 10 de Agosto de 2011.

IANNI, Octávio. Tendências do pensamento brasileiro. Tempo Social, Revista de Sociologia da USP, São Paulo, 12 (2), 55-74, Novembro de 2000.

KOWARICK, Lúcio. Capitalismo e marginalidade na América Latina. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

OLIVEIRA, Francisco de. Aproximações ao enigma: o que quer dizer desenvolvimento local? São Paulo: POLIS/Programa Gestão Pública e Cidadania/EAESP/FGV, 2001.

PORTELLI, Hugues. Gramsci e o bloco histórico. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

PONGE, Robert. Literatura marginal: tentativa de definição e exemplos franceses. In: FERREIRA, João Francisco (Org.). Crítica literária em nossos dias e literatura marginal. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 1981.

SCHOLLHAMMER,Karl Erik. Literatura brasileira contemporânea. São Paulo: Civilização, 2000.

SCHWARCZ, Lilia; BOTELHO, André. Pensamento social brasileiro, um vasto campo ganhando forma. Lua Nova, São Paulo, 82, 11-16, 2011.

SOUZA, Jessé. A ralé brasileira: que é e como vive. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2009.

SOUZA, Jessé. A tolice da intelectualidade brasileira. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2015.

Downloads

Publicado

09/03/2016

Como Citar

das Neves, L. B., & das Neves, J. S. (2016). A Marginalidade Enquanto Identidade: A Literatura de Periferia e o Empoderamento Cultural de Seus Sujeitos. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 2(1), 213–228. https://doi.org/10.23899/relacult.v2i1.151

Edição

Seção

Dossiê - Literatura, Linguagens e Artes