A Cultura Alimentar e os Reflexos de um Aprisionamento da Condição Social

Autores

  • Ana Carolina Einsfeld Mattos Universidade do Vale do Rio dos Sinos| UNISINOS http://orcid.org/0000-0001-7111-8477
  • Victória Santos de Azevedo Universidade do Vale do Rio dos Sinos| UNISINOS

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1483

Palavras-chave:

Cultura alimentar, Globalização alimentar, Alimentação contemporânea, Resgate da Cultura Alimentar.

Resumo

Primeiramente: Comer é um ato político! Mas somente para quem pode escolher o que comer! Segundo, a alimentação é um direito humano. Comer é uma atividade humana central, porque cedo se torna a esfera onde se permite alguma escolha. O pensamento antropológico da alimentação diz que o comportamento relativo à comida revela repetidamente a cultura. Comer! Comer é natural, é cotidiano. O que, como e quando comemos caracteriza respostas culturais a contextos sociais, políticos, econômicos, étnicos, ambientais e morais. A globalização respinga uma nova forma de constituir alimentação. Os fast- foods acompanhado do marketing das grandes empresas transnacionais tem contribuído para essa mudança nas estruturas alimentares. O fio condutor entre alimentação e cultura parece limitar-se ao nível biológico, que coloca o alimento com foco nos nutrientes, porém um enfoque nas ciências sociais amplia o olhar para a relação do alimento enquanto componente de vida e do viver em sociedade. Assim, os hábitos e práticas alimentares produzidos historicamente se transformam em hábitos culturais que integram o viver coletivo. Considera-se também que existem hábitos e práticas alimentares advindas de um sistema capitalista e que por tanto não constituem um caráter homogêneo. Há diferentes modos de estabelecer a alimentação e a comida, a estratificação da mesa e do gosto produz efeitos sobre a condição social da pessoa que reduz a possibilidade de escolha alimentar em uma espécie de aprisionamento da condição social. A preferência alimentar transmite mais que a utilização do alimento, um estabelecimento de uma preparação culinária, temperada, saboreada, estabelece identidade social. Alimenta-se e alimentar ao próximo é uma das maiores riquezas quando pensamos em constituição de relações sociais. O guia Alimentar para a população Brasileira constitui uma das estratégias para promoção da alimentação adequada, visa o resgate da cultura alimentar e faz parte da Política Nacional de Alimentação e Nutrição.

Biografia do Autor

Ana Carolina Einsfeld Mattos, Universidade do Vale do Rio dos Sinos| UNISINOS

Mestranda em Ciências Sociais; nutricionista e especialista em saúde mental pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS; São Leopoldo, Rio Grande do Sul, Brasil; anamattos50@gmail.com

Victória Santos de Azevedo, Universidade do Vale do Rio dos Sinos| UNISINOS

Mestranda em Ciências Sociais e advogada pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS; São Leopoldo, Rio Grande do Sul, Brasil; vics.azevedo@gmail.com

Referências

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Marco de Referência de Educação Alimentar e Nutricional para as políticas Públicas. – Brasília, DF: MDS; Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional; 2012. (obra completa)

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia Alimentar Para a População Brasileira. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica- 2. Ed., 2 reimpr.- Brasília: Ministério da Saúde, 2015. (obra completa)

CARNEIRO, H. Comida e Sociedade: Uma história da alimentação. Rio de Janeiro: Campus, 2003. (obra completa)

CASTRO, J. Geografia da fome: o dilema brasileiro: pão ou aço. Rio de Janeiro: Edições Antares, 1984. (obra completa)

FREITAS, M. C. S.; PENA, P. G. L.; FONTES, G. A. V.; SILVA, D. O.; SANTOS, L. A.; MELLO, A. O.; ALMEIDA, M. D. Uma leitura Humanista da nutrição. In: FREITAS, M. C. S.; FONTES, G. A. V.; OLIVEIRA, N.(org.). Escritas e Narrativas sobre Alimentação e Cultura. Salvador: EDUFBA, 2008. (Capítulo de Livro)

GÁNDARA, Manuel. Derechos humanos y capitalismo: reflexiones en perspectiva socio-histórica. REDHES - Revista de Derechos Humanos y Estudios Sociales nº.10, año V, julio-diciembre 2013. P. 135-156. Disponível em: http://www.derecho.uaslp.mx/Documents/Revista%20REDHES/N%C3%BAmero%2010/Redhes10-06.pdf. Acesso em: 22 dezembro. 2018. (Artigo em Periódico Digital)

HOFFMANN, R. Pobreza, insegurança alimentar e desnutrição no Brasil. Estudos Avançados, v. 9, n. 24, 1995. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ea/v9n24/v9n24a07.pdf. Acesso em: 22 dezembro. 2018. (Artigo em Periódico Digital)

LEONARDO M. Antropologia da Alimentação. Revista Antropos – Volume 3, Ano 2, Dezembro de 2009. Disponível em: http://revista.antropos.com.br/downloads/dez2009/Artigo%201%20-%20Anntropologia%20da%20Alimenta%E7%E3o%20-%20Maria%20Leonardo.pdf. Acesso em: 17 maio. 2018. (Artigo em Periódico Digital)

MAGALHÃES, R. Fome: uma (re) leitura de Josué de Castro. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1997. (obra completa)

MINTZ, S. W. Comida e antropologia: Uma breve revisão. RBCS Vol. 16 nº 47 outubro/2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v16n47/7718. Acesso em: 17 maio. 2018. (Artigo em Periódico Digital)

MONTEIRO, C. A. A dimensão da pobreza, da desnutrição e da fome no Brasil. Estudos Avançados, v. 17, n. 48, 2003. Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/ea/v17n48/v17n48a02.pdf. Acesso em: 22 dezembro. 2018. (Artigo em Periódico Digital)

MOTA, S. E. C.; PENA, G. L. Significados socioculturais da alimentação em uma comunidade de Marisqueiras no Recôncavo Baiano. In: FREITAS, M. C. S.; SILVA, D. O. (org.). Narrativas sobre o comer no mundo da Vida. Salvador: EDUFBA, 2014. (capítulo de Livro)

OLIVEIRA,N.; FREITAS, M. C. S. Fast-Food: Um aspecto da modernidade alimentar. In: FREITAS, M. C. S.; FONTES, G. A. V.; OLIVEIRA, N.(org.). Escritas e Narrativas sobre Alimentação e Cultura. Salvador: EDUFBA, 2008. (capítulo de Livro)

PACHECO, S. S. M. O hábito alimentar enquanto comportamento culturalmente produzido. Im: FREITAS, M. C. S.; FONTES, G. A. V.; OLIVEIRA, N.(org.). Escritas e Narrativas sobre Alimentação e Cultura. Salvador: EDUFBA, 2008. (capítulo de Livro)

PINTO, C. R. J. A sociedade civil e a luta contra a fome no Brasil (1993- 2003). Sociedade e Estado, Brasília, v. 20, n. 1, p. 195-228, jan.-abr., 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/se/v20n1/v20n1a09.pdf. Acesso em: 22 dezembro. 2018. (Artigo em Periódico Digital)

POLLAN, M. Regras da Comida: Um Manual da Sabedoria Alimentar. Tradução de Adalgisa Campos da Silva. – Rio de Janeiro: Intrínseca, 2010. (obra completa)

SANTOS, C. R. A. A alimentação e seu lugar na história: os tempos da memória gustativa. Editora UFPR História: Questões & Debates, Curitiba, n. 42, p. 11-31, 2005. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/%EE%80%80historia%EE%80%81/article/viewFile/4643/3797. Acesso em: 18 maio. 2018. (Artigo em Periódico Digital)

SIDEKUM, A.; WOLKMER, A. C.; RADAELLI, S. M. Enciclopédia Latino-americana dos Direitos Humanos. Blumenau: Edifurb; Nova Petrópolis: Nova Harmonia, 2016. (obra completa).

Downloads

Publicado

31/05/2019

Como Citar

Einsfeld Mattos, A. C., & Santos de Azevedo, V. (2019). A Cultura Alimentar e os Reflexos de um Aprisionamento da Condição Social. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(5). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1483

Edição

Seção

II - Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura