A Escola Indígena Wakõmēkwa e seus processos de ensino e aprendizagem na perspectiva da Interculturalidade: Um relato de experiência

Autores

  • Raquel Castilho Souza Universidade Federal do Tocantins
  • Karylleila Santos Andrade Universidade Federal do Tocantins

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1480

Palavras-chave:

Cultura. Escola indígena. Interculturalidade. Povo Xerente.

Resumo

Esse trabalho apresenta reflexões de uma pesquisa em andamento referentes às experiências de campo das atividades do Curso de Doutorado em Artes que são realizadas na Escola Indígena Wakõmēkwa, da Aldeia Riozinho Kakumhu, localizada no estado do Tocantins, Brasil. Esta pesquisa é de natureza qualitativa, fundamentada na perspectiva etnográfica, com utilização de procedimentos metodológicos da observação participante. Os autores que sustentam as discussões teóricas e metodológicas perpassam pelos estudos de Bourdieu (1989), Fleuri (2003), Henriques et al. (2007), além dos documentos oficiais que regulamentam a Educação Escolar Indígena. Como resultados preliminares da pesquisa in loco, percebeu-se a manutenção do currículo oficial da educação do estado e a prevalência do uso de material didático em língua portuguesa. Para a comunidade, a escola tem o papel de pertencimento e de aproximação à cultura Xerente. Para eles, a aprendizagem é contínua e diária na aldeia. Ela, como uma “fruta”, como consta registrado na fala dos professores, pode espalhar sementes entre os povos indígenas a partir do conhecimento de mundo. Sendo assim, as reflexões realizadas, até o momento, nos permitem concluir que é preciso compreender melhor as práticas pedagógicas, os dispositivos simbólicos e os movimentos identitários presentes na escola Wakõmẽkwa para que a democratização do ensino indígena seja realmente algo significativo para o grupo no seu processo de formação, em busca de uma educação emancipadora e intercultural.

Biografia do Autor

Raquel Castilho Souza, Universidade Federal do Tocantins

Raquel Castilho Souza é Mestre em Educação, Doutoranda em Artes pela Unesp e leciona as disciplinas Psicologia da Aprendizagem e Didática nos cursos de Licenciatura em Filosofia e Teatro, Universidade Federal do Tocantins, em Palmas (TO).

Karylleila Santos Andrade, Universidade Federal do Tocantins

Karyleilla Santos dos Andrade é Doutora em Linguística e participa do Programa de Pós-Graduação em Letras, câmpus de Araguaína e de Porto Nacional, Universidade Federal do Tocantins. Leciona disciplinas vinculadas aos estudos do Léxico. É Bolsista Produtividade do CNPq PQ2.

Referências

ALMEIDA, S. A. de. A Educação Escolar Apinayé na Perspectiva Bilíngue e Intercultural. In: ALMEIDA, S. A. de. A educação escolar Apinayé de São José e Mariazinha: um estudo de Caso sociolinguístico. Goiânia: Ed. América, 2012, p. 153-233.

BRASIL. Referenciais para a formação de professores indígenas. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC; SEF, 2002.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Tradução de Fernanda Tomaz. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil, 1989.

FLEURI, R. M. Intercultura e educação. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 10, n. 23, p.16-35, maio/ago. 2003.

HENRIQUES, R. et al (Orgs.). Educação Escolar Indígena: diversidade sociocultural indígena ressignificando a escola. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Brasília: Sedac/MEC, 2007.

MEC. Base Nacional Comum Curricular. 3ª versão revista. Ministério da Educação. Brasília, 2017.

MOREIRA, A. F.; CANDAU, V. M. Currículos, disciplinas escolares e culturas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

SANTOS, J. L. dos. O que é Cultura. 15. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

SANTOS, P. M. C. Fronteiras interculturais: especificidades da educação indígena no Tocantins. In: MATA, S. R. da; MOLLO, H. M.; VARELLA, F. F. (Orgs.). Anais do III Seminário Nacional de História da Historiografia: aprender com a história? Ouro Preto: Edufop, 2009.

SANTOS, P. M. C. Educação Indígena: perspectivas de interculturalidade nas demandas e propostas dos povos indígenas do Tocantins. XXII Simpósio Nacional de História – ANPUH. Londrina, 2005.

SOUZA, R. C. A Educação Escolar Indígena Intercultural e o Ensino das Artes: um olhar sobre as práticas da Escola Wakõmẽkwa na Comunidade Riozinho Kakumhu – Povo Xerente – Tocantins. 2019. 258f. Tese de Doutorado em Artes. Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – Unesp, SÃO PAULO, 2019.

THIRY-CHERQUES, H. R. Pierre Bourdieu: a teoria na prática. RAP, Rio de Janeiro, v. 40, n. 1, p. 27-55, Jan./Fev. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rap/v40n1/v40n1a03.pdf>. Acesso em: 2 abr. 2018.

TOCANTINS. Lei nº 1038, de 22 de dezembro de 1998. Publicado no Diário Oficial nº 753. Governador do Estado do Tocantins - Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins. Disponível em: < www.al.to.leg.br/legislacaoEstadual?pagPaginaAtual=97>. Acesso em: 27 dez. 2018.

TOCANTINS. RESOLUÇÃO Nº 78, DE 20 DE JUNHO DE 2007. Governador do Estado do Tocantins – Secretaria da Educação e Cultura, Conselho Estadual de Educação. Disponível em: <http://fncee.com.br/wp-content/uploads/2014/09/res-078-2007-INDIGENA.pdf>. Acesso em: 27 dez. 2018.

TOCANTINS. Lei Nº 2.139, de 3 de setembro de 2009. Publicada no Diário Oficial nº 2.970. Dispõe sobre o Sistema Estadual de Ensino e adota outras providências. Governador do Estado do Tocantins - Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins. Disponível em:

. Acesso em: 27 dez. 2018.

Downloads

Publicado

31/05/2019

Como Citar

Souza, R. C., & Andrade, K. S. (2019). A Escola Indígena Wakõmēkwa e seus processos de ensino e aprendizagem na perspectiva da Interculturalidade: Um relato de experiência. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(5). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1480

Edição

Seção

II - Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura