Sou Diáspora: Construção Social e Mobilidade através da Memória de Haitianos no Brasil

Autores

  • Taíse Staudt Universidade Federal da Fronteira Sul

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1475

Resumo

O objetivo da pesquisa é a análise de lembranças de haitianos que atualmente residem no Brasil. Este trabalho é uma versão reduzida da pesquisa de conclusão de curso para graduação de História pela Universidade Federal da Fronteira Sul - Campus Chapecó. A pesquisa realiza-se a partir de entrevistas de História de Vida, dentro da metodologia de História Oral. As entrevistas foram realizadas com três imigrantes haitianos que residem no oeste de Santa Catarina, com diferenciações em gênero e idade, sendo posteriormente transcritas e transformadas em texto. A partir dos temas que se destacam nessas narrativas, são analisados alguns fatores determinantes para a formação social e cultural haitiana, da construção da característica de mobilidade e das experiências dos indivíduos na trajetória e no Brasil. Para além, são realizadas reflexões sobre o que foi dito e não dito nas narrativas e a fórmula do sucesso que envolve a saída do Haiti. Os resultados demonstram a carga da violência colonial nas experiências desses indivíduos e da estruturação de uma sociedade diáspora. Revelam a ligação indissociável da memória e da identidade com a mobilidade nas falas dos haitianos no Brasil. Espera-se que essa pesquisa coloque em evidência, com base nas histórias de vida, a experiência de mobilidade contemporânea pela visão dos indivíduos que passaram e passam por tal processo, contribuindo na redução de preconceitos e na criação de políticas públicas que facilitem a mobilidade e integração dos indivíduos

Biografia do Autor

Taíse Staudt, Universidade Federal da Fronteira Sul

Graduada no curso de Licenciatura em História na Universidade Federal da Fronteira Sul no ano de 2018. Pesquisa na área de História do tempo presente, memória, mobilidades contemporâneas, diáspora, negritude, branquidade, relações sociais e sociabilidades. Trabalha principalmente com as temáticas relacionadas ao Haiti e à mobilidade haitiana na América.

Referências

ALBERTI, Verena. Manual de História Oral. 3. ed. Rio de Janeiro: Fgv, 2005.

ANDREOLA, Neuri José. Os Brasileiros e os Estrangeiros: as relações de sociabilidade entre o grupo de brancos e o grupo de negros "em um bairro de Chapecó". 2015. 73 f. TCC (Graduação) - Curso de Ciências Sociais, Universidade Federal da Fronteira Sul, Chapecó, 2015.

BERNADEL, Louis Sainne. Entrevista concedida à Taíse Staudt. Xanxerê, 2018. Gravada. Transcrita.

BRASIL. Conselho Nacional de Imigração. Resolução Normativa CNIg no 97 de 12/01/2012. Dispõe sobre a concessão do visto permanente previsto no art. 16 da Lei no 6.815, de 19 de agosto de 1980, a nacionais do Haiti. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 13 jan. 2012. Disponível em: <https://www.diariodasleis.com.br/busca/exibelink.php?numlink=225206>. Acesso em: 11 mar. 2018.

CÉSAIRE. Aimé. Discurso sobre o colonialismo. Anísio Garcez (trad.). Florianópolis:Letras Contemporâneas, 2010, 1a reimpressão.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil 1870 - 1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

COSTA, Debora Cristina. Constituição identitária no espaço entre-línguas: marcas discursivas em narrativas de imigrantes haitianos. 2016. 106 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Estudos Linguísticos, Universidade Federal da Fronteira Sul, Chapecó, 2016.

DAMIS, Roberson. Entrevista concedida à Taíse Staudt. Chapecó, 2017. Gravada. Transcrita.

DIVERS, Marie Merlande. Entrevista concedida à Taíse Staudt via videoconferência de Porto Príncipe, Haiti. Chapecó, 2018. Gravada. Transcrita.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: Edufba, 2008. 194 p.

HALL, Stuart. A Identidade Cultural na Pós-Modernidade. Rio de Janeiro: Lamparina. 2015.

___________. Da Diáspora: Identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora Ufmg, 2003.

HANDERSON, Joseph. Diaspora. As dinâmicas da mobilidade haitiana no Brasil, no Suriname e na Guiana Francesa. 2015. 430 f. Tese (Doutorado) - Curso de Antropologia Social, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.

___________. Vodu no Haiti- Candomblé no Brasil: Identidades culturais e sistemas religiosos como concepção de mundo afro-latino-americano. 2010. 183 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Ciências Sociais, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2010.

JOSEPH, Rose-Myrlie; HANDERSON, Joseph. As Relações de Gênero, de Classe e de Raça: mulheres migrantes haitianas na França e no Brasil. Revista de Estudos e Pesquisas Sobre As Américas, Brasília - DF, v. 9, n. 2, p.1-33, 11 dez. 2015. Anual.

LAFERRIÈRE, Dany. País sem chapéu. São Paulo: 34, 2011. 240 p. Tradução e posfácio de Heloisa Moreira.

MAGALHÃES, Luís Felipe Aires.O Haiti é Aqui: Análise das informações preliminares sobre os imigrantes haitianos em Santa Catarina - Brasil. In: VI Congresso da Associação Latino-Americana de população, 6., 2014, Lima- Peru. Lima – Peru, 2014. 28 p.

MARQUES, Pâmela Marconatto. Outras Estórias Haitianas: educação, resistência e esperança no mais desconhecido dos países latino-americanos. Rebela: Revista brasileira de estudos latino-americanos, Florianópolis, v. 2, n. 1, p.99-112, jun. 2012. Disponível em: <https://rebela.emnuvens.com.br/pc/article/download/85/156>. Acesso em: 01 abr. 2018.

MATIJASCIC, Vanessa Braga. Haiti: Uma história de instabilidade política. Anais do XX Encontro Regional de História: História e Liberdade, Franca, p.1-16, set. 2010. Anual. Disponível em: <https://www.anpuhsp.org.br/sp/downloads/CD%20XX%20Encontro/PDF/Autores%20e%20Artigos/Vanessa%20Braga%20Matijascic.pdf>. Acesso em: 22/03/2018.

PIERRE, Jean Gardy Jean. Haiti, uma República do Vodu?: Uma análise do lugar do Vodu na sociedade haitiana à luz da Constituição de 1987 e do Decreto de 2003. 2009. 144 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Ciências da Religião, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2009.

SER imigrante e negra no sul do Brasil.. Direção de Gerliane Mendes. Chapecó: Neabi:Núcleo de Estudos Afrobrasileiros e Indígenas, 2017. Son., color. Disponível em:

<https://www.youtube.com/watch?v=3bDrSEZgtvw&t=297s>. Acesso em: 9 mar. 2018.

STAUDT, Taíse. Sou diáspora: Identidade e mobilidade nas memórias de haitianos no Brasil. 2018. 141 f. TCC (Graduação) - Curso de História, Universidade Federal da Fronteira Sul, Chapecó, 2018. Disponível em: <https://rd.uffs.edu.br/handle/prefix/2070>. Acesso em: 25 ago. 2018.

SOARES, Claudete Gomes; ANDREOLA, Neuri José. Integração de imigrantes haitianos no oeste catarinense: raça e relações de poder no Brasil não mestiço. In: COPENE SUL 3, 2017, Florianópolis. Anais 2017. Florianópolis: Ufsc, 2017. p. 161 - 171. Disponível em:

<http://www.copenesul.com.br/ANAISCOPENESUL2017.pdf>. Acesso em: 01 maio 2018.

Downloads

Publicado

31/05/2019

Como Citar

Staudt, T. (2019). Sou Diáspora: Construção Social e Mobilidade através da Memória de Haitianos no Brasil. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(5). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1475

Edição

Seção

II - Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.