Ensino/Aprendizado da Língua Inglesa na Rede Municipal de Ensino do Município de Sidrolândia/MS: O Caso dos Estudantes Indígenas

Autores

  • Valdir Aragão do Nascimento Universidade Federal de Mato Grosso do Sul/UFMS
  • Gustavo Gracioli da Silva Secretaria Municipal da Educação de Sidrolândia, SEME, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i1.1469

Palavras-chave:

Ensino/aprendizado, Língua inglesa, Rede Municipal de Ensino, Estudantes Indígenas, Município de Sidrolândia/MS

Resumo

O presente artigo buscou evidenciar e discutir a experiência de trabalhar a língua inglesa em sala de aula em turmas do 6º a 9º ano de uma escola da rede pública de ensino do estado de Mato Grosso do Sul, especificamente no município de Sidrolândia. Discutimos também questões relacionadas ao preconceito contra alunos indígenas em escolas urbanas e questões acerca das políticas nacionais de ensino/aprendizagem da língua inglesa. A intenção principal deste estudo foi localizar as questões que emergem da interação entre o conteúdo ministrado, o professor e os estudantes, buscando traçar, através do conhecimento da dinâmica dessa interação, estratégias pedagógicas que possam contribuir, de alguma maneira, para solucionar ou aprimorar o trabalho didático realizado em sala de aula. É importante ressaltar que a maioria dos estudantes indígenas do município é da etnia Terena; porém, alunos de outras etnias se fazem presentes nas salas de aula do município. O corpus teórico que sustenta a discussão aqui apresentada é tomado de empréstimo de áreas do conhecimento como Linguística, História e Antropologia, num diálogo multidisciplinar. Concluímos que, sem a pretensão de dar respostas definitivas e soluções impossíveis diante da realidade da educação no Brasil, o ensino de língua inglesa, ou de qualquer outra, só se torna efetivo com investimentos de toda sorte, desde logístico até humanístico, o que no Brasil não tem se verificado

Biografia do Autor

Valdir Aragão do Nascimento, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul/UFMS

Doutorando em Saúde e Desenvolvimento na Região Centro-Oeste PPGSD/UFMS, Mestre em Antropologia pelo PPGAnt/UFGD, Bacharel em Ciências Sociais pela UFMS

Gustavo Gracioli da Silva, Secretaria Municipal da Educação de Sidrolândia, SEME, Brasil.

Especialização em Especialização em Antropologia e História dos Povos Indigenas (UFMS). 
Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, UFMS, Brasil. 

Graduação em Letras Português / Inglês - Licenc. e Bacharelado. 
Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, UEMS, Brasil.

Referências

Referências

ALMEIDA, S. A. A educação escolar Apinayé na perspectiva bilíngue e intercultural: um estudo sociolinguístico das aldeias São josé e Mariazinha. Dissertação (Mestrado em Língua e Literatura) – Universidade Federal do Tocantins/UFT, Araguaína, Tocantins, 2011.

AOKI, N. P. P. Educação escolar indígena: aquisição da língua inglesa pelos alunos Apinayé de São José e Mariazinha. 2013. 169 f. (Mestrado em Língua e Literatura) – Universidade Federal do Tocantis/UFT, Araguaína, Tocantins, 2013.

BRASIL. Diretrizes para a Política Nacional de Educação Escolar. Brasília: MECSEF/DPEF,1994.

BRAND, A. J.; CALDERONI, V. A. M. O. Ambivalências na identidade de estudantes indígenas em Campo Grande, MS. Currículo sem Fronteiras, v. 10, n. 1, p. 61-72, Jan/Jun 2010. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol10iss1articles/brand-calderoni.pdf. Acesso em: 13 mar. 2019.

BRITISH COUNCIL. O Ensino de inglês na educação pública brasileira.

[Elaborado com exclusividade para o British Council pelo Instituto de Pesquisas Plano CDE]. São Paulo, 1ª ed. 2015. Disponível em: https://www.britishcouncil.org.br/sites/default/files/estudo_oensinodoinglesnaeducacaopublicabrasileira.pdf Acesso em: 22 abr. 2017.

CRYSTAL, D. The cambridge encyclopedia of the english language. Cambridge: CUP, 1997.

DINIZ, M.; VASCONCELOS, R. N. Pluralidade cultural e inclusão na formação de professoras e professores. Belo Horizonte, 2004.

EDUCATION FIRST (EF). Índice de proficiência em inglês da EF 2012. 2012. Disponível em: http://www.ef.com.br/__/~/media/efcom/epi/2012/full_reports/ef-epi-2012-report-br-lr Acesso em 26 out. 2017.

FAUSTO, C. Os índios antes do Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

FORTES, L. Discursividades sobre o ensino “bilíngue” (português/inglês): acontecimento, memória, subjetividade. In: Associação de Linguística Aplicada do Brasil – Anais Eletrônicos do 10º Congresso Brasileiro de Linguística Aplicada. 2013. Disponível em: http://www.alab.org.br/images/stories/alab/CBLA/ANAIS2013/fortes.pdf Acesso em 22 set. 2017.

LE BRETON, J-M. Reflexões anglófilas sobre a geopolítica do inglês. In: LACOSTE, Y.; RAJAGOPALAN, K. A geopolítica do inglês. São Paulo: Parábola Editorial, 2005, p. 12-26.

LÉVI-STRAUSS, C. A ciência do concreto. In: O pensamento selvagem. Campinas, SP: Papirus, 1989. p. 15-49.

LOUKOTKA, C. Classification of South American Indian Languages. In: Johannes Wilbert (ed.). Los Angeles: University of California, 1968.

LUCCHESI, D. História do contato entre línguas no Brasil. In: LUCCHESI, D., BAXTER, A.; RIBEIRO, I. (orgs.). O português afro-brasileiro. Salvador: EDUFBA, 2009, p. 41-73.

FARACO, C. A. Questões de política de língua no Brasil: problemas e implicações. Educar em Revista, n. 20, p. 13-22, 2002. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/1550/155018102003.pdf Acesso em: 13 fev. 2017.

FERREIRA, A. C. Tutela e resistência indígena: etnografia e história das relações de poder entre os Terena e o Estado brasileiro. 2007. 420 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ/PPGAS-MN, Rio de Janeiro, 2007.

GEBRAN, R. A. (org.). Contexto escolar e processo ensino aprendizagem. São Paulo: Arte e Ciência Editora, 2014.

GLOBOG1MT. Índios estudam inglês para receber turistas em aldeia em Tangará da Serra (MT): Projeto começou há três meses e deve durar cinco anos, segundo os professores. Indígenas querem aprender o idioma para atender os turistas. 06/07/2017 G1 Globo/Mato Grosso/MT. Disponível em: https://g1.globo.com/mato-grosso/noticia/indios-estudam-ingles-para-receber-turistas-em-aldeia-em-tangara-da-serra-mt.ghtml. Acesso em: 22 fev. 2019.

GRUPIONI, L.D.B. Livros didáticos e fontes de informações sobre as sociedades indígenas no Brasil. In: LOPES DA SILVA, A.; GRUPIONI, L. D. B. (orgs.). A temática indígena na escola: novos subsídios para professores de 1º e 2º graus. Brasília: MEC/MARI/UNESCO, p. 481-493, 1995.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA/IBGE. Censo Demográfico 2010. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/caracteristicas_gerais_indigenas/default_caracteristicas_gerais_indigenas.shtm Acesso em: 13 mar. 2013.

______. Atualização dos dados do IBGE de 2010. 2016. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/apps/atlas_nacional/ Acesso em 7 fev. 2017.

MAHER, T. M. Ser professor sendo índio: questões de lingua(em) e identidade. Tese (Doutorado em Antropologia) – Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP, Campinas/SP, 1996. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/CAMP_5668da0ab0e143566e50dea9d309e083 Acesso em: 12 jan. 2017.

______. Português é língua de índio. Bay (A educação escolar indígena em Minas Gerais). Publicação do Programa de Implantação das Escolas Indígenas de Minas Gerais. Secretária da Educação do Estado de Minas Gerais, p. 40-43, 1998.

MONTEIRO, D. C. Tendências de pesquisa em ensino-aprendizagem de inglês como língua estrangeira no Brasil: 2005-2009. Estudos Linguísticos, v. 41, n. 2, n. 2012, p. 495-508, 2012. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/125232 Acesso em 15 nov. 2017.

MORAN, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Papirus, 2013.

MUNDURUKU, D. O caráter educativo do movimento indígena brasileiro (1970-1990). São Paulo: Paulinas, 2012.

OLIVEIRA, G. M. Brasileiro fala português: monolinguismo e preconceito linguístico. In: SILVA, F. L. da.; MOURA, H. M. de H. (org.). Direito à fala - a questão do preconceito linguístico. Florianópolis: Insular, 2000, p. 83-92.

______. (org.). Declaração universal dos direitos linguísticos: novas perspectivas em política linguística. Campinas: Mercado de Letras; ALB; Florianópolis: IPOL, 2003.

OLIVEIRA, L. A. Métodos de ensino de inglês: teorias, práticas, ideologias. 1. ed. São Paulo: Parábola, 2014.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (OCDE). Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA), da OCDE. Disponível em: http://download.inep.gov.br/acoes_internacionais/pisa/resultados/2015/pisa2015_completo_final_baixa.pdf Acesso em 3 nov. 2018.

ORTIZ, R. Mundialização: saberes e crenças. São Paulo: Brasiliense, 2006.

______. As ciências sociais e o inglês. Revista brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 19, n. 54, p. 5-22, Feb. 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69092004000100001. Acesso em: 12 fev. 2019.

PAIVA, C. G. Brasil: nação monolíngue?. In: ARAÚJO, J. C. de.; PEREIRA JÚNIOR, J. de S.; PEREIRA, L. S.; RODRIGUES, R. J. P. (orgs.). Ensaios sobre impactos da Constituição Federal de 1988 na sociedade brasileira. Brasília: Câmara dos Deputados, 2008.

ASSIS-PETERSON, A. A. de; COX, M. I. P. Inglês em tempos de globalização: para além de bem e mal. Calidoscópio, v. 5, n. 1, p. 5-14, jan/abr 2007. Disponível em:

revistas.unisinos.br/index.php/calidoscopio/article/view/5616/2818. Acesso em: 12 mar. 2019

RICARDO, F.; RICARDO, B. (orgs.). 252 povos indígenas no Brasil. São Paulo: Editora Instituto Socioambiental (ISA), 2017. Disponível em: https://loja.socioambiental.org/povos-indigenas-no-brasil-2011-2016.html Acesso em: 22 fev. 2017.

RODRIGUES, A. D. As outras línguas da colonização do Brasil. 500 anos de História Linguística do Brasil. In: CARDOSO, S.; MOTA, J. M.; SILVA, R. V. (orgs.). Quinhentos anos de história linguística do Brasil. Salvador: Secretaria da Cultura e Turismo do Estado da Bahia, p. 143-161, 2006.

______. Línguas indígenas: 500 anos de descobertas e perdas. DELTA, v. 9, n. 1, p. 83-103, 1993.

______. Línguas brasileiras: para o conhecimento das línguas indígenas. São Paulo: Loyola, 1986.

RODRIGUES, F. dos S. C. Língua viva, letra morta: obrigatoriedade e ensino de espanhol no arquivo jurídico e legislativo brasileiro. 2010. 342 f. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade de São Paulo/ Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP. São Paulo, 2010.

SAPIR, E. Language: an introduction to the study of speech. New York: Harcourt, Brace, 2004.

SANTOS, V. M. X. Aprendendo a ensinar o Português como língua estrangeira. Algumas considerações e reflexões. In: CUNHA, M. J. C.; SANTOS, P. Tópicos em português língua estrangeira. Brasília: Editora UnB, 2002.

SIQUEIRA, S. O desenvolvimento da consciência cultural crítica como forma de combate à suposta alienação do professor brasileiro de inglês. Revista Inventário, n. 4, jul. 2005.

SOUZA, S. A. F. de. O movimento de sentidos sobre as línguas estrangeiras no Brasil: discurso, história e educação. 2005. 244 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP/IEL, 2005.

SOUSA, G. de N. e. Entre línguas de negócios e de cultura: sentidos que permeiam a relação do brasileiro com a língua inglesa e a espanhola. Dissertação (Mestrado em Língua Espanhola) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, USP, São Paulo, 2007.

SPOSATI, R. Indígenas são chamados de “sujos”, “fedidos” e expulsos da sala de aula. Pragmatismo/Político. 19/mar. 2013. Disponível em: https://www.pragmatismopolitico.com.br/2013/03/indigenas-sao-chamados-de-sujos-fedidos-e-expulsos-de-sala-de-aula.html. Acesso em: 12 abr. 2018.

VARGAS, V. L. F. A dimensão sociopolítica do território para os Terena: as aldeias nos séculos XX e XXI. 2011. 188 f. Tese (Doutorado em História Social) – Universidade Federal Fluminense/UFF, Niterói/RJ, 2011.

Downloads

Publicado

23/06/2019

Como Citar

Nascimento, V. A. do, & da Silva, G. G. (2019). Ensino/Aprendizado da Língua Inglesa na Rede Municipal de Ensino do Município de Sidrolândia/MS: O Caso dos Estudantes Indígenas. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(1). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i1.1469

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo