Questão racial e formação profissional em Serviço Social

Autores

  • Luana Fernandes Pereira Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Unirio
  • Vanessa Bezerra de Souza Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
  • Marco Antonio da Silva Santos Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
  • Bernardo dos Santos Gomes de Oliveira Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
  • Angela Carvalho de Almeida Coelho Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1466

Palavras-chave:

Formação Profissional, Questão Social, Racismo, Serviço Social

Resumo

Racismo é a crença na existência das raças naturalmente hierarquizadas pela relação intrínseca entre o físico e o moral, o físico e o intelecto, o físico e o cultural. No Brasil - país colonizado, tendo escravizado a mão de obra negra por 354 anos - tem enraizado em sua estrutura social o racismo. A partir dos anos 1930, houve um investimento ideológico no sentido de romantizar a miscigenação, originando o chamado mito da democracia racial. Contudo, a população negra continuou à margem de qualquer iniciativa estatal no sentido de garantir acesso ao trabalho, à educação e à infraestrutura básica. A Questão Social - base de fundamentação da existência do Serviço Social - é entendida como o conjunto de problemas econômicos, sociais, políticos, culturais e ideológicos que cerca o surgimento da classe trabalhadora como sujeito sócio-político no marco da sociedade capitalista, classe trabalhadora essa que no Brasil é majoritariamente negra. O projeto ético-político do Serviço Social vincula-se a um projeto societário que privilegia a centralidade das determinações de classe, gênero, e etnia, que se propõe à construção de uma nova ordem social, à defesa intransigente dos direitos humanos e à recusa do arbítrio e dos preconceitos. Compõe ainda esse projeto o compromisso com a “competência” profissional, demandando uma formação acadêmica qualificada, que tenha por base concepções teórico-metodológicas sólidas e críticas que viabilizem uma análise concreta da realidade social. Deve-se, portanto, investir no âmbito da formação profissional em pesquisas acerca da questão racial no Brasil para contribuir com a superação do racismo.

 

Palavras-Chave: Formação Profissional; Questão Social; Racismo; Serviço Social

Biografia do Autor

Luana Fernandes Pereira, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Unirio

Graduanda de Serviço Social na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, integrante do grupo de pesquisa Relações Patriarcais de Gênero, Racismo e Serviço Social.

Vanessa Bezerra de Souza, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Pós Doutora em Serviço Social pela Universidade do Estdo do Rio de Janeiro, professora de dedicação exclusiva da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Cordenadora do projeto de extensão Luz, Câmera, Ação: a presença do machismo e do racismo no cinema e cordenadora do projeto de pesquisa Relações Patriarcais de Gênero, Racismo e Serviço Social

Marco Antonio da Silva Santos, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Graduando de Serviço Social na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, integrante do grupo de pesquisa Relações Patriarcais de Gênero, Racismo e Serviço Social.

Bernardo dos Santos Gomes de Oliveira, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Graduando de Serviço Social na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, integrante do grupo de pesquisa Relações Patriarcais de Gênero, Racismo e Serviço Social.

Angela Carvalho de Almeida Coelho, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Graduanda de Serviço Social na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, integrante do grupo de pesquisa Relações Patriarcais de Gênero, Racismo e Serviço Social.

Referências

ALMEIDA, N. L. T. de. Opção por um projeto profissional vinculado ao processo de construção de uma nova ordem societária, sem dominação, exploração de classe etnia e gênero. Rio de Janeiro: CRESS, 2014

ALMEIDA, M. S. Exercício do Serviço Social sem ser discriminado nem discriminar, por questões de inserção de classe social, gênero, etnia, religião, nacionalidade, opção sexual, idade e condição física. Rio de Janeiro: CRESS, 2014.

BARROCO, M. L. S. Ética: fundamentos sócio-históricos. São Paulo: Cortez, 2008.

MUNANGA, Kabengele. Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. Palestra proferida no 3º Seminário Nacional Relações Raciais e Educação, PENESB-RJ, 05/11/03 Disponível em: <https://www.geledes.org.br/wp-content/uploads/2014/04/Uma-abordagem-conceitual-das-nocoes-de-raca-racismo-dentidade-e-etnia.pdf >. Acesso em 17/07/2018 às 18:44.

SANTOS, Rosenverck Estrela. O marxismo e a questão racial no Brasil: reflexões introdutórias. Lutas Sociais (PUCSP), v. 19, p. 100-113, 2015.

Downloads

Publicado

31/05/2019

Como Citar

Pereira, L. F., Souza, V. B. de, da Silva Santos, M. A., dos Santos Gomes de Oliveira, B., & Coelho, A. C. de A. (2019). Questão racial e formação profissional em Serviço Social. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(5). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1466

Edição

Seção

II - Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)