TOPÔNIMOS DIAMANTINOS: MOTIVAÇÃO, ESTRUTURA MORFOLÓGICA E ETIMOLOGIA

Autores

  • ELIAS DE SOUZA SANTOS Universidade do Estado da Bahia (UNEB) - Campus XXII. Seabra/BA, Brasil. Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS).
  • EDGAR SOUZA DA SILVA Universidade do Estado da Bahia (UNEB) - Campus XXII. Seabra/BA, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i1.1423

Palavras-chave:

Lexicologia. Topônimos. Taxionomia. Chapada Diamantina/BA.

Resumo

Neste trabalho apresentamos um estudo toponímico, afim de verificar tendências no processo de nomeação das microrregiões que compõem o território de identidade denominado Chapada Diamantina/BA. Os topônimos foram inventariados a partir de mapas digitalizados, disponibilizados pelo IBGE (2010), e analisados à luz dos pressupostos teórico-metodológicos propostos por DICK (1980, 1990, 1992) para organização das informações acerca desses topônimos, discussão dos aspectos motivacionais, estrutura morfológica e etimologia. Verificamos com a análise que os aspectos motivacionais que se apresentaram de maneira substancial foram os de natureza física, em especial, àqueles correspondentes à flora, fauna e hidrografia e, quanto à forma dos signos toponímicos, foram mais evidentes aqueles de categoria simples e, no que se refere a etimologia, destacaram-se os étimos correspondentes às línguas indígenas. Assim, constatamos que as informações acerca dos topos vão além do léxico e instituem um conjunto de saberes sócio-histórico-culturais sobre o lugar, no estudo em questão, as microrregiões que constituem o território foco desta investigação.

Biografia do Autor

ELIAS DE SOUZA SANTOS, Universidade do Estado da Bahia (UNEB) - Campus XXII. Seabra/BA, Brasil. Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS).

Mestre e doutorando pela Universidade Estadual de Feira de Santana. Professor Substituto de Língua Portuguesa/Linguística na Universidade do Estado da Bahia (UNEB) - Campus XXII. Seabra/BA, Brasil.

EDGAR SOUZA DA SILVA, Universidade do Estado da Bahia (UNEB) - Campus XXII. Seabra/BA, Brasil.

Graduando do curso de Letras Língua Portuguesa e Literaturas pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB) - Campus XXII. Seabra/BA, Brasil.

Referências

BRASIL. Censo 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2019.

BRASIL. Cidades. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/>. Acesso em: 20 mar. 2019.

BRASIL. Território de identidade. Disponível em: http://www.sei.ba.gov.br/. Acesso em: 20 mar. 2019.

CRUZ, Myrt Thânia de Souza. A Chapada Diamantina e a convivência com o Semi-Árido: Ameaça de desarticulação e dissolução de comunidades locais. 2006. Tese (Doutorado) 190f. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), São Paulo, 2006.

CUNHA, Antônio Geraldo da. Dicionário histórico das palavras portuguesas de origem tupi. São Paulo: Companhia Melhoramentos, Brasília: Universidade de Brasília, 1998.

______. Dicionário etimológico da língua portuguesa. São Paulo: Nova Fronteira, 1986.

DICIONÁRIO ONLINE CALDAS AULETE. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2019.

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. Métodos e questões terminológicas na Onomástica. Estudo de caso: o Atlas Toponímico do Estado de São Paulo. Investigação Lingüística e Teoria Literária, v. 9. Recife: UFPE, 1999, p. 119-148.

______. Toponímia e Antroponímia no Brasil. Coletânea de estudos. São Paulo: Serviço de Artes Gráficas/FFLCH/USP, 1992.

______. A motivação toponímica e a realidade brasileira. São Paulo: Edições Arquivo do Estado, 1990.

MAEDA, Raimunda Madalena Araujo. A Toponímia Sul-Mato-Grossense: Um Estudo dos Nomes de Fazendas, Araraquara. 284f. Dissertação de Mestrado - Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista, 2006.

ROLO, Maria do Carmo Sá Teles de Araujo. Apócope das vogais átonas [i] e [u] em duas localidades do Centro Sul Baiano: Beco e Seabra. 2010. 250f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal da Bahia (UFBA), Programa de Pós-Graduação em Língua e Cultura(PPGLINC), Salvador, 2010.

SALAZAR-QUIJADA, A. La toponímia em Venezuela. Caracas, Publicaciones de la Faculdad de Ciências Econômicas y Sociales, 1985, 178p.

Downloads

Publicado

23/06/2019

Como Citar

SANTOS, E. D. S., & SILVA, E. S. D. (2019). TOPÔNIMOS DIAMANTINOS: MOTIVAÇÃO, ESTRUTURA MORFOLÓGICA E ETIMOLOGIA. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(1). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i1.1423

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo