Identidades Homossexuais na Territorialidade Tradicionalista

Autores

  • Edipo Djavan dos Reis Göergen Universidade Federal de Santa Maria
  • Flavia Rubiane Durgante Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v1i02.142

Palavras-chave:

Geografia, Gênero, Sexualidade, Território, Territorialidade

Resumo

Este artigo apresenta o debate teórico que sustenta a pesquisa de mestrado desenvolvida pelo autor. Tendo por base suas vivências em contextos de tradicionalismo gaúcho, o autor deste trabalho tem percebido a grande quantidade de homossexuais, ou indivíduos que se auto-denominam não-heterossexuais, integrando as atividades artísticas do Movimento Tradicionalista Gaúcho, ou a territorialidade tradicionalista. Interessado em investigar tal fenômeno, o autor tem desenvolvido o projeto de pesquisa “Os Espaços Paradoxais de Relações Homoeróticas na Territorialidade Tradicionalista”, sob orientação do prof. Dr. Benhur Pinós da Costa, no Programa de Pós-Graduação em Geografia (UFSM). Para que essa pesquisa seja realizada, levam-se em conta as relações de gênero e de sexualidade que estão envolvidas no tema. Dessa forma, por ainda se tratarem de temáticas tidas como insignificantes na sociedade em geral e marginalizadas no campo científico, para que o presente trabalho fosse empreendido, buscou-se amparo teórico nas geografias feministas e queer, segmentos contemporâneos da ciência geográfica.

Biografia do Autor

Edipo Djavan dos Reis Göergen, Universidade Federal de Santa Maria

Licenciado em História, pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI - Campus de Santo Ângelo;

Mestrando pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia, pela Universidade Federal de Santa Maria - Campus de Santa Maria. 

Flavia Rubiane Durgante, Universidade Federal de Santa Maria

Graduada em Comunicação Social - Habilitação Jornalismo pela Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó);

Pós-Graduada em Comunicação Integrada pela Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó);

Mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia, pela Universidade Federal de Santa Maria - Campus de Santa Maria. 

Referências

BONNEMAISON, J.; VANUATU. O. Viagem em torno do território. In: CORRÊA, R. L.; ROSENDAAL, Z. (Org). Geografia Cultural: um século. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2002.

BUTLER, J. Problemas de Gênero: Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BRUM, C. K. “As (re) configurações do gauchismo” pensando as relações entre o movimento tradicionalista gaúcho e a escola. In, Disponível em <http://coral.ufsm.br/gpforma/2senafe/PDF/019e3.pdf>. Acesso em 24 de junho de 2015.

CESAR, T. R. A. O.; PINTO, V. A. M. A Produção Intelectual da Geografia Brasileira, entorno das Temáticas de Gênero e Sexualidades: uma visão a partir dos periódicos on line. In, Revista Latino-americana de Geografia e Gênero, Ponta Grossa, v. 6, n. 2, ago. / dez. 2015, p. 119-132.

CLAVAL, P. O território na transição da pós-modernidade. In, GEOgraphia, ano 1, n 2, 1999, p. 7-26.

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE TRADIÇÃO GAÚCHA. Disponível em <http://www.cbtg.com.br/_sitio/ctgs/mapa.php>. Acesso em 14 de outubro de 2014.

GOMES, P. C. Um lugar para a Geografia: contra o simples, o banal e o doutrinário. In, MENDONÇA, F. A., LOWEN-SAHR, C. L., SILVA, M. (org.). Espaço e tempo: complexidade e desafios do pensar e do fazer geográfico. Curitiba: Associação de Defesa do Meio Ambiente e Desenvolvimento de Antonina (ADEMADAN), 2009, p. 13-30.

GOLIN, T. A ideologia do gauchismo. Porto Alegre: Tchê, 1983.

HALL, S. A identidade cultural da pós-modernidade. 10ª ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

MTG, site. Disponível em . Acesso em 24 de junho de 2015, às 18:50 horas.

ORNAT, Marcio Jose. Espacialidades travestis e a instituição do território paradoxal. In, SILVA, Joseli Maria (org.). Geografias Subversivas: discursos sobre espaço, gênero e sexualidades. Ponta Grossa: Todapalavra, 2009, p. 177-210.

RAFFESTIN, C. Por uma Geografia do Poder. São Paulo: Ática. 1993.

RATZEL, F. O solo, a sociedade e o estado. In, Revista do Departamento de Geografia – USP, v. 2 , 1983, p- 93 – 101.

RITTER, C. Reflexões epistemológicas sobre os “territórios de identidade”. In, Revista Geografar, Curitiba, v. 6, n. 1, jun. 2011, p. 95-109.

ROSE, G. Feminism & Geography: the limits of geographical knowledge. Cambridge: Polity Press, 1993.

SACK, R. D. Human Territorility – Its Theory and History. Cambridge: Cambridge University Press, 1986.

SAQUET, M. A. Território e identidade. In, Anais do X encontro de geógrafos da América Latina, Universidade de São Paulo, São Paulo, mar. 2005, p. 13869-13881.

SILVA, J. M. Fazendo geografias: pluriversalidades sobre gênero e sexualidade. In: SILVA, Joseli Maria (org.). Geografias Subversivas: discursos sobre espaço, gênero e sexualidades. Ponta Grossa: Todapalavra, 2009, p. 25-54.

SILVA, S. M. V. Geografia e gênero/geografia feminista: o que é isto? In, Boletim Gaúcho de Geografia, nº 23, Porto Alegre: UFRGS, 1998, p. 105-110.

SOUZA, M. L. O território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In: CASTRO, Iná et. al. (Orgs.). Geografia: Conceitos e Temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995. p.77-116.

SPOSITO, E. S. A propósito dos paradigmas de orientações teórico-metodológicas na Geografia contemporânea. In, Terra Livre, São Paulo, n. 16, 2001, p. 99-112.

Downloads

Publicado

31/12/2015

Como Citar

dos Reis Göergen, E. D., & Durgante, F. R. (2015). Identidades Homossexuais na Territorialidade Tradicionalista. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 1(02), 167–177. https://doi.org/10.23899/relacult.v1i02.142

Edição

Seção

Dossiê - Estudos de Gênero, Feminismo e Sexualidades