O Teatro Esperança no processo das políticas públicas para o patrimônio na cidade de Jaguarão - RS

Autores

  • Carlos José Azevedo Azevedo Machado UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS
  • Vinicius Pacheco Machado Universidade Federal do Pampa
  • Ângela Mara Bento Ribeiro Universidade Federal do Pampa

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v2i1.117

Palavras-chave:

Políticas públicas, memória, patrimônio cultural, Teatro.

Resumo

Na cidade de Jaguarão (Brasil) encontramos o terceiro mais antigo teatro do Estado do Rio Grande do Sul, o Teatro Esperança, que teve sua linha histórica atravessada por momentos de auge até chegar a um processo de depreciação e desuso. Não obstante, tornou-se um dos principais bens patrimoniais deste município, alimentado pelas políticas públicas para o patrimônio elencadas a partir da década de 1980, chegando, mais recentemente, ao processo de restauração.  Nesse contexto, buscamos apresentar a relação deste processo de recuperação lenta e gradual do Teatro Esperança e o momento de aceleração desta recuperação com as políticas públicas apresentadas ao longo das últimas décadas até sua restauração.  Para este intento nos utilizamos das análises das Políticas Públicas e do histórico do teatro, suscitadas pelos autores trabalhados e a documentação existente numa sequência de: descrição, análise e interpretação.

Biografia do Autor

Carlos José Azevedo Azevedo Machado, UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS

Licenciado em Filosofia pela Universidade Federal de Pelotas (1990);

Especialista em Filosofia da Ciência e Lógica pela Universidade Católica de Pelotas (1993);

Mestrando em Memória Social e Patrimônio Cultural pela Universidade Federal de Pelotas (atual).

Foi Secretário Municipal de Cultura e Turismo de Jaguarão (2009-2010);

Supervisor do Pibid/História - Educação Patrimonial, Unipampa, edital 2011, 

Professor estadual do Rio Grande do Sul por 20 anos.

 

Referências

CANDAU, Joel. Memória e Identidade. São Paulo, Contexto, 2011.

CASTRIOTA, Leonardo Barci. PAC Cidades Históricas - oportunidade para a conservação integrada? In: Locus - Revista de história de Juiz de Fora, v.16, n.2, pp.93-117, 2010.

FONSECA, Maria Cecília Londres. O patrimônio em processo: trajetória da política federal de preservação no Brasil. Rio de Janeiro: UFRJ/IPHAN, 1997.

FRANCO, Sérgio da Costa. Origens de Jaguarão: 1790-1833. 2ª Edição – Porto Alegre: Editora Evangraf Ltda, 2007.

HESSEL, Lothar. Teatro no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Ed. da Universidade/UFRGS, 1999.

JORNAL A FOLHA, edição de 20/05/1991, artigo de Maria Dutra da Silveira.

JORNAL CORREIO DO POVO, edição de 24/04/1983.

JORNAL DA UFPEL, Pelotas, março, 1987, Projeto Jaguar.

JORNAL FOLHA DA TARDE, edição de 28/02/1984.

MARTINS, Roberto Duarte. A ocupação do espaço na fronteira Brasil - Uruguai: a construção da cidade de Jaguarão. Tese. (Doutorado em Histórias Especializadas) – Universidade Politécnica da Catalunha, 2002.

NUNES, Valdo Dutra; GARCIA, Jorge Arismendi. Ficha técnica da proposição – Estudo preliminar. Jaguarão/Prefeitura Municipal, 1983.

PRATS, Llorenç. Concepto y gestión del patrimonio local. Cuadernos de Antropología Social Nº 21, pp. 17-35, 2005. PDF.

ZORZI, 2012. In: BÔAS; COSTA, Cadernos Jaguarenses, Vol. 5, 2013.

Downloads

Publicado

09/03/2016

Como Citar

Azevedo Machado, C. J. A., Machado, V. P., & Ribeiro, Ângela M. B. (2016). O Teatro Esperança no processo das políticas públicas para o patrimônio na cidade de Jaguarão - RS. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 2(1), 297–309. https://doi.org/10.23899/relacult.v2i1.117

Edição

Seção

Dossiê - Políticas Públicas de Cultura e Patrimônio

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)