Errantes Urbanos por Excelência: os moradores de rua no capitalismo

Autores

  • Juliano Batista dos Santos Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT. Instituto Federal de Mato Grosso - IFMT.
  • José Serafim Bertoloto Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT & Universidade de Cuiabá - UNIC.

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v4i3.1084

Palavras-chave:

Errantes, Cidade, Cuiabá, Moradores de Rua, Capitalismo.

Resumo

O presente artigo busca mostrar que os moradores de rua nas sociedades contemporâneas capitalistas são, entres os sujeitos errantes, os errantes por excelência, isto é, aqueles que no interior das estruturas liberais e neoliberais são os mais difíceis de domesticar, de disciplinar e de seduzir à produção e ao consumo. Para tanto, é realizado um apanhado sobre os diferentes tipos de coerções sociais empregados, da modernidade à pós-modernidade (ou dias atuais), pela classe hegemônica com a finalidade de, em um primeiro momento, garantir a consolidação do modo de produção do capital e, em momentos posteriores, sua continuidade e adaptação às mudanças sociais e tecnológicas. Num e noutro caso a ideia é a mesma: assegurar os interesses econômicos.

Biografia do Autor

Juliano Batista dos Santos, Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT. Instituto Federal de Mato Grosso - IFMT.

Doutorando em Estudos de Cultura Contemporânea na Universidade Federal de Mato Grosso. Mestre em Estudos de Cultura Contemporânea na Universidade Federal de Mato Grosso. Especialista em Educação do Campo pelo Instituto Federal de Mato Grosso. Bacharel e licenciado em Filosofia pela Universidade Federal de Uberlândia. Professor de Filosofia no Instituto Federal de Mato Grosso, Campus Cuiabá. Membro do Grupo de Estudos Artes Híbridas: intersecções, contaminações e transversalidades.

José Serafim Bertoloto, Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT & Universidade de Cuiabá - UNIC.

Membro da Associação Brasileira de Críticos de Arte - ABCA. Possui graduação em Licenciatura e Bacharel em História pela Universidade Federal de Mato Grosso (1985), graduação em Tecnólogo em Bovinocultura pela Universidade Federal de Mato Grosso (1980), mestrado em Artes pela Universidade de São Paulo (1992), especialização em Museu de Arte pelo MAC-USP (1998) e doutorado em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2003). Professor titular da Universidade de Cuiabá, Departamento de Arquitetura e do Programa de Pós-Graduação em Ensino da Universidade de Cuiabá. Hoje aposentado como técnico, mas atua como um dos curadores no Museu de Arte e de Cultura Popular da Universidade Federal de Mato Grosso, onde trabalhou por 28 anos como historiador/pesquisador, e diretor por vários anos. É também professor colaborador no programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea - Área Interdisciplinar / Mestrado e Doutorado. Artista Plástico com vasta experiência na área de Artes, com ênfase em teoria e crítica, atuando principalmente nos seguintes temas: poética, artes visuais, cultura popular, patrimônio artístico cultural, semiótica da arte e do design em Mato Grosso. Principal publicação: Iconografia das Águas: o rio e suas imagens.

Referências

ADORNO, Theodor W.; HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 2010.

BARBOSA, Lívia. Igualdade e meritocracia: a ética do desempenho nas sociedades modernas. Rio de Janeiro: FGV Editora, 1999.

BECKER, Howard S. Outsiders: estudos de sociologia do desvio. Trad. Maria Luiza X. de Borges. 1ª ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

BEZERRA, Ada K. Guedes. A pesquisa etnográfica e as especificidades da observação participante. Revista Vinheta, Patos, v. 1, p. 1-18, 2010.

BRANDÃO, Ludmila. Circuitos subalternos de consumo: sobre cópias baratas, falsificações e quinquilharias. Revista Comunicação, Mídia e Consumo, São Paulo, v. 4, n. 10, p. 89-109, jul. 2007.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. 3ª ed. Petrópolis: Vozes, 1998.

CHAUI, Marilena de Souza. Filosofia Moderna. In: Marilena de Souza Chaui. (Org.). Primeira Filosofia - aspectos da história da filosofia. 1/9 ed. São Paulo: Brasiliense, 1987, v.[s/n], p. 60-81.

COUTINHO, Carlos N. Gramsci: um estudo sobre seu pensamento político. Rio de Janeiro, Campus, 1989.

DELEUZE, Guilles. Conversações 1972-1990. Trad. Peter Pál Pelbart. São Paulo: Editora 34, 1992. (Coleção TRANS.).

DOUGLAS, Mary; ISHERWOOD, Baron. O mundo dos bens: para uma antropologia do consumo. Trad. Plínio Dentzien. 1ª ed. Rio de Janeiro: UFRJ, 2004.

DURKHEIM, Émile. As regras do método sociológico e outros textos. São Paulo: Abril, 1973. (Coleção Os Pensadores.).

EPICURO. Antologia de texto de Epicuro. São Paulo: Nova Cultural, 1988. (Coleção os Pensadores.).

FEYERABEND, Paul. Adeus à razão. Trad. Vera Joscelyne. São Paulo: UNESP, 2010.

FOUCAULT, Michael. Vigiar e punir. Nascimento da prisão. 20ª ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. Trad. Maria Célia Santos Raposo. 8 ª ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

GREIDER, William. O mundo na corda bamba: como entender o crash global. Trad. Lauro Machado Coelho. São Paulo: Geração Editorial, 1997.

HANSEN, Gilvan Luiz. Modernidade, utopia e trabalho. Londrina: CEFIL, 1999.

HARVEY, David. Os limites do capital. Trad. Magda Lopes. São Paulo: Boitempo Editorial, 2015.

HUR, Domenico Uhng. Da biopolítica à noopolítica: contribuições de Deleuze. Revista Lugar Comum, n. 40, p. 201-2015, 2013.

JACQUES, Paola Berenstein. Elogio aos errantes. Salvador: EDUFBA, 2012.

KANT, Immanuel. Crítica da razão pura. Trad. Valerio Rohden e Udo Baldur Moosburger. 3ª ed. São Paulo: Abril Cultura, 1987. (Coleção os Pensadores.).

KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. Trad. Beatriz Vienna Boeira e Nelson Boeira. 4ª ed. São Paulo: Perspectiva, 1996.

LAZZARATO, Maurício. Os conceitos de vida e do vivo nas sociedades de controle. In: ______. As revoluções do capitalismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006. p. 59-94. (A Política no Império.).

LOTMAN, Yuri. La semiosfera I: semiótica de la cultura y del texto. Madrid: Frónesis, 1996.

LYOTARD, Jean-François. A condição pós-moderna. Trad. Ricardo Corrêa Barbosa. 5ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1998.

MAFFESOLI, Michel. O tempo das tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de massa. 2ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1998.

MANCEBO, Deise. Modernidade e produção de subjetividades: breve percurso histórico. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 22, n. 1, p. 100-111, 2002.

MARCONDES, Danilo. Iniciação à história da filosofia: dos pré-socráticos a Wittgenstein. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

MARCUSE, Herbert. A ideologia da sociedade industrial. Trad. Giasone Rebuá. 4ª ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1973.

NIETZSCHE, Friedrich. A filosofia na época trágica dos gregos. In: SOUZA, J. Cavalcante. (Org.). Pré-socráticos. São Paulo: Abril Cultural, 1978. (Coleção os Pensadores.).

PAIS, José Machado. Ganchos, tachos e biscates. Jovens, trabalho e futuro. 2ª ed. Lisboa: AMBAR, 2005.

______. Sociologia da vida quotidiana: teorias, método e estudos de caso. Lisboa-Portugal: Impressa de Ciências Sociais, 2002.

PASSETTI, Edson. Sociedade de controle e abolição da punição. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 13, n. 3, p. 56-66, 1999.

PLATÃO. A República. São Paulo: Martin Claret, 2004.

POPPER, Karl. Conjecturas e refutações. Lisboa-Portugal: Editora Almedina, 2006.

QUINTANEIRO, Tania. Émile Durkheim. In: ______; BARBOSA, Maria L. de Oliveira; OLIVEIRA, Márcia G. Um toque de clássicos: Marx, Durkheim e Weber. 2ª ed. rev. amp. Belo Horizonte: UFMG, 2002.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Subjetividade, cidadania e emancipação. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra-Portugal, n. 32, p. 135-191, jun. 1991.

TARNAS, Richard. A epopeia do pensamento ocidental: para compreender as ideias que moldaram nossa visão de mundo. Trad. Beatriz Sidou. 3ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

TONET, Ivo. Expressões socioculturais da crise capitalista na atualidade. Serviço Social: direitos sociais e competências profissionais. Brasília: ABEPSS/CFESS, 2009.

Downloads

Publicado

05/05/2019

Como Citar

dos Santos, J. B., & Bertoloto, J. S. (2019). Errantes Urbanos por Excelência: os moradores de rua no capitalismo. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 4(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v4i3.1084

Edição

Seção

Dossiê - Estudos Interdisciplinares acerca de Minorias, Grupos Vulneráveis e Inclusão Social na América Latina

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)