Prática Jornalística e Formação: compreensões sobre o Jornal do Dária

Autores

  • Élica Luiza Paiva UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA
  • Fabiana Pereira dos Santos UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v4i3.1067

Palavras-chave:

Educação, Comunicação, Ciências Sociais, Ciências Humanas, América Latina

Resumo

Este artigo traz a narrativa de uma investigação que busca compreender como a prática jornalística para um jornal escolar impresso, realizada por alunos do Ensino Médio, contribui para a sua formação. Essa foi a intenção desta pesquisa que teve como campo empírico o Jornal do Dária, produzido pelos alunos do segundo e terceiro ano do Ensino Médio do Colégio Estadual Dária Viana de Queiroz da cidade de Barra do Choça-Ba. Para chegar a essa compreensão foi utilizado como objeto de estudo o processo formativo que emerge da produção do Jornal do Dária. A pesquisa foi norteada pelo método do estudo de caso e dentre as técnicas metodológicas estão: a observação, aplicação de questionário, realizações de entrevista e grupo focal. As discussões emergiram de referenciais teóricos sobre formação, currículo e jornalismo. Dentre as compreensões obtidas nesta pesquisa está a de que a prática jornalística na escola contribuiu para a formação dos estudantes que participaram da produção do Jornal do Dária.

Biografia do Autor

Élica Luiza Paiva, UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA

Doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia (Ufba), mestre em Comunicação e graduada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, ambos pela Universidade de Marília (Unimar). É professora adjunta do curso de Jornalismo da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb) e coordenadora do grupo de estudos e pesquisa Narrativas, Formação e Experiência (Naforme); campus Vitória da Conquista, Bahia, Brasil.

Fabiana Pereira dos Santos, UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA

Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb), campus Vitória da Conquista, Bahia, Brasil.

Referências

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. Tradução Alfredo Bosi. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

ASSIS, Francisco de; MARQUES DE MELO, José. Gêneros e formatos jornalísticos: um modelo classificatório. Intercom RBCC. v. 39. n. 1. São Paulo: jan. abr. 2016, p. 39-56.

BARBOUR, Rosaline. Grupos Focais. Tradução Marcelo Figueiredo Duarte. Porto Alegre: Artmed, 2009.

BETTO, Frei [Carlos Alberto Libânio Christo]. Alteridade, subjetividade e generosidade. Disponível em: < http://www.sociologando.com.br/download/1ano_Sociologia-apost_4.pdf. > Acesso em: 15 mai. 2018.

BURNHAM, Teresinha Fróes. Complexidade, multirreferencialidade, subjetividade: três referências polêmicas para a compreensão do currículo escolar. Revista Em Aberto. Ano 12. n. 58. Abr./ jun. 1993. Disponível em: <http://emaberto.inep.gov.br/index.php/emaberto/about>. Acesso em: 27 mar. 2018.

CARVALHO, Maria Inez da S. de S. Por uma perspectiva deliberatória do currículo. Revista FAEEBA. Ed. 5. Jan/jun. 1996. p. 137-147.

DELORY-MOMBERGER, Christine. Biografia e Educação: figuras do indivíduo-projeto. Tradução de Maria da Conceição Passeggi, João Gomes da Silva Neto, Luis Passegi. Natal, RN: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2008.

FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS. Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros. Vitória: 2007. Disponível em: <http://fenaj.org.br/wp-content/uploads/2014/06/04-codigo_de_etica_dos_jornalistas_brasileiros.pdf >. Acesso em: 9 mai. 2018.

FERRAZ, Thaís. Conheça a história do movimento pelos direitos LGBT. Politize. Disponível: <http://www.politize.com.br/lgbt-historia-movimento>. Acesso em: 17 abr. 2018.

FILHO, Aldo Victorio. Pesquisar o cotidiano é criar metodologias. Revista Educação e Sociedade. Vol. 28. n. 98. Campinas: CEDES, jan. / abr. 2007. Disponível em: <https://www.cedes.unicamp.br>. Acesso em: 27 mar. 2018.

FORMAÇÃO. DICIONÁRIO da língua portuguesa. Brasil: Priberam, 2018. Disponível em:. Acesso em: 2 mar. 2018.

GADAMER, Hans-George. Verdade e Método: Traços Fundamentais de uma Hermenêutica Filosófica. 3. ed. Tradução de Flávio Paulo Meurer. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 1999.

GENRO FILHO, Adelmo. O segredo da pirâmide: para uma teoria marxista do jornalismo. v. 6. Florianópolis: Insular, 2012.

____________________. Teoria do jornalismo. Palestra de Adelmo Genro Filho. Revista Fenaj. Ano I. nº. 1. Mai 1996.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

IJUIM, Jorge Kanehide. Jornal escolar e vivências humanas: um roteiro de viagem. Covilhã, Portugal: LabCom, 2013.

JOSSO, Marie-Christine. Experiências de vida e formação. Tradução José Claudino e Júlia Ferreira. São Paulo: Cortez, 2004.

____________________. Da formação do sujeito... Ao sujeito da formação. In: NÓVOA, Antônio; FINGER, Mathias (Orgs). O método (auto)biográfico e formação. Natal, RN: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010.

LAGE, Nilson. A reportagem: teoria e técnica de entrevista e pesquisa jornalística. 4 ed. Rio de Janeiro: Record, 2004.

LARROSA BONDÍA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação. Campinas: n. 19, Jan. Fev. Mar. Abr. 2002.

______________________. Nietzsche e a Educação. Tradução Semíramis Gorini da Veiga. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

LAWN, Chris. Compreender Gadamer. Tradução de Hélio Magri Filho. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

LOPES, Dirceu Fernandes. Jornal Laboratório: do exercício escolar ao compromisso com o público leitor. v. 32. São Paulo: Summus, 1989.

MARQUES DE MELO, José. Panorama diacrônico dos gêneros jornalísticos. XXXIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Caxias do Sul, RS: Intercom, set. 2010.

MEDINA, Cremilda de Araújo. Entrevista: o diálogo possível. 4 ed. São Paulo: Editora Ática, 2000.

NEVES, Vagna. Publicação eletrônica [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por em 20 fev. 2018.

PAIVA, Élica Luiza. Narrativas de histórias de vida como formação de si: um jogo com adolescentes do Povoado do Maracujá. Lisboa: Chiado Editora, 2018.

SILVA, Gislene. Valores-notícia: atributos do acontecimento. Santa Catariana: Universidade Federal de Santa Catariana, 2005.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

TRAQUINA, Nelson. Teorias do jornalismo: por que as notícias são como são. 3.ed. Florianópolis: Insular, 2012.

TRESCA, Laura Conde. Gênero Informativo. In: ASSIS, Francisco de; MARQUES DE MELO, José (Orgs). Gêneros jornalísticos no Brasil. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2010.

VIANNA, Heraldo Marelim. Pesquisa em Educação: a observação. Brasília: Plano Editora, 2003.

VIDA Maria. Direção de Márcio Ramos. Ceará: Viacg; Trio Filmes, 2006. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=yFpoG_htum4&t=451s>. Acesso em: 24 fev. 2018. (9 min), son. color., 35mm.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Tradução Daniel Grassi. Porto Alegre: Bookman, 2005.

Downloads

Publicado

31/12/2018

Como Citar

Paiva, Élica L., & Santos, F. P. dos. (2018). Prática Jornalística e Formação: compreensões sobre o Jornal do Dária. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 4(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v4i3.1067

Edição

Seção

Dossiê - Estudos Interdisciplinares acerca de Minorias, Grupos Vulneráveis e Inclusão Social na América Latina