Adoecimento mental em comunidades rurais do município de Centenário: perspectivas histórico-sociais

Joice Schneider Marmentini

Resumo


Este estudo busca identificar quais são os fatores socioambientais que levam ao adoecimento emocional/mental às comunidades rurais do município de Centenário, norte do Rio Grande do Sul. A pesquisa, caracterizada como qualitativa e exploratória, envolveu 16 participantes, os quais residem no meio rural do município, com faixa etária entre 20 e 80 anos, que possuem algum tipo de diagnóstico de adoecimento mental e que estavam no momento da pesquisa tomando medicamento para este fim. Compreender quais são os fatores do adoecimento emocional exige um conhecimento acerca das relações que estas pessoas possuem com o meio em que vivem. Dessa forma, entende-se ser possível aprimorar as políticas públicas que atendam as demandas desta população que sofre e que necessita, além de um diagnóstico, de alternativas de tratamento e cuidados especiais no que diz respeito à saúde mental e a qualidade de vida das mesmas.

Palavras-chave


Agricultura Familiar; Comunidades Rurais; Qualidade de vida; Saúde mental

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, R. Do setor ao território: funções e medidas da ruralidade no desenvolvimento contemporâneo. Rio de Janeiro: IPEA, jan., 2000.

ALVES, R. A.; GUIMARÃS, M. C. De que sofrem os trabalhadores rurais? – Análise dos Principais Motivos de Acidentes e Adoecimentos nas Atividades Rurais. Informe Gepec, Toledo, v. 16, n. 2, p. 39-56, jul./dez. 2012.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-V. 5ªed. rev. Porto Alegre: Artmed; 2013.

BUAINAIN, A. M. Agricultura familiar, agroecologica e desenvolvimento sustentável: questões para debate. Brasília: IICA, 2006.

BRASIL, Ministério da Saúde - Saúde Mental. (2012). Disponível em: < http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/secretarias/sas/daet/saude-mental Acesso em 12/10/2016 >. Acesso em: 20 set. 2017.

BRASIL. Política nacional de saúde integral das populações do campo e da floresta (PNSIPCF), Brasília, 2011. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt286602122011.html >. Acesso em: 23 set.. 2017.

BRASIL. Portaria nº 2.866 de 2 de Dezembro de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo e da Floresta (PNSIPCF). Brasília, 2011. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt286602122011.html >. Acesso em: 23 set. 2017.

BRASIL, Lei nº 11.326, de 24 de julho de 2006. Estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional da Agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais. Brasilia, 2006. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11326.htm > Acesso em 15 nov. 2017

CAZELLA, A. A., BONNAL, P., MALUF, R. S. (Orgs.) Agricultura familiar, multifuncionalidade e desenvolvimento territorial no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad X, NEAD, IICA, 2009.

DEJOURS, C. A Banalização da injustiça social. Rio de Janeiro: FGV, 2000.

DELGADO, G. C.; BERGAMASCO, S. M. P. P. (orgs.) Agricultura familiar brasileira: desafios e perspectivas de futuro. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2017.

DIEGUES, A. C. S. Desenvolvimento sustentável ou sociedades sustentáveis. In: São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 6, n. 1-2, p. 22-29, 1992.

FARIA, N. M. et al. Trabalho rural e intoxicações por agrotóxicos. Cad Saúde Pública, v.20, n. 5, p. 1298- 1308, 2004.

FLORIANO, C. O. Identificação da qualidade de vida no meio rural no município de Major Vieira. Ágora: R. Divulg. Cient., ISSN 2237-9010, Mafra, v. 16, n. 1, 2009.

FORANTTINI, O. P. Qualidade de vida em meio urbano: A cidade de São Paulo, Brasil. Revista de Saúde Pública. São Paulo, v. 25, p. 75-86, 1991.

GUATTARI, F. Caosmose: um novo paradigma estético. São Paulo: Editora 34, 2000.

HERCULANO, Selene C. A qualidade de vida e seus indicadores. Niterói: Eduff, 2000.

HIRSCHMANN, Roberta. Prevalência e fatores associados à depressão em adultos da zona rural de Pelotas-RS. [Dissertação de Mestrado]. Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia. Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Pelotas. (2016). Disponível em: < http://www.epidemio-ufpel.org.br/uploads/teses/Disserta%20Roberta%20Hirschmann%20pdf.pdf >. Acesso em: 20 set. 2017.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica (IBGE). Censo Populacional 2015 e Pesquisa em saúde. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1 >. Acesso em: 15. Set. 2017.

MAFFESOLI, Michel. O tempo das tribos. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1998.

Organização Mundial da Saúde (OMS). Livro de recursos da Organização Mundial de Saúde sobre saúde mental, direitos humanos e legislação. [S.l.]: OMS; 2005.

PEREIRA, A. A.; VIANNA, P. C. M. Saúde mental. Belo Horizonte: Nescon/UFMG, Coopmed, 2009.

POLETTO, A. R.; et al. Os aspectos psicológicos no trabalho agrícola: uma revisão das pesquisas. XXVIII Encontro Nacional de Engenharia de Produção - A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008. Disponível em: < http://www.abepro.org.br/biblioteca/enegep2008_tn_sto_069_490_11029.pdf >. Acesso em: 20 set. 2017.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CENTENÁRIO. Dados gerais. (2017). Acesso em: < http://www.centenario.rs.gov.br/site/ > Acesso em: 20 set. 2017.

ROSA, L. S.; SILVA, M. F. A. Emoções e estado de ânimo: a causa do Distúrbio da depressão. In: Revista Eletrônica Print by Μετάνοια, São João del-Rei/MG, n.12, p. 87- 96/2010. Disponível em: < https://ufsj.edu.br/portal2-repositorio/File/revistalable/LAURIMAR.pdf >. Acesso em: 20 set. 2017.

ROSA, L. R.; FERREIRA, D. A. O. As categorias rural, urbano, campo, cidade: a perspectiva de um continuum. In: SPOSITO, M. E. B.; WHITACKER, A. M. (org.). Cidade e campo: relações e contradições entre urbano e rural. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

VASCONCELOS, Z. B. & Oliveira, I. D. (Orgs.). Orientação vocacional: alguns aspectos teóricos, técnicos e práticos. São Paulo: Vetor, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.23899/relacult.v3i3.858

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Joice Schneider Marmentini

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

RELACult - Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade

e-ISSN: 2525-7870

Facebook - Twitter - Instagram

Endereço eletrônico: relacult@claec.org


Qualis CAPES: B2 - Ensino; B4 - Interdisciplinar; B5 - Ciência Política e Relações Internacionais; B5 - Comunicação e Informação; B5 - Letras/Linguística; B5 - Ciências Agrárias I; C - Ciências Biológicas II; C - Direito; C - História e C - Sociologia.

 

Responsável Editorial:

Editora CLAEC - Centro Latino-Americano de Estudos em Cultura

www.claec.org/editora

Endereço eletrônico: editora@claec.org