Debates sobre culturas alimentares: conversas em torno da cultura alimentar brasileira

ANTONIO CARLOS BARBOSA SILVA

Resumo


O presente artigo apresenta uma atividade em educação alimentar e nutricional (EAN) no campo das políticas públicas de alimentação brasileira e foi desenvolvida em uma escola pública. A intervenção foi promovida pela PROGRAD - Núcleo de Ensino da Unesp de Assis e pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome/CNPq/Sesan – Processo 407514/2012-0. A preocupação do trabalho foi salvaguardar a cultura e história que adorna a alimentação brasileira e apresentá-la aos estudantes de ensino médio de uma escola pública como elemento constituinte da identidade cultural e social do Brasil. Através de respaldos da educação crítica e da psicologia histórico-cultural e sócio-histórico subsidiou-se rodas de conversa e oficinas de culinária a respeito da alimentação brasileira junto a três grupos abertos de alunos entre nove e treze anos. O trabalho demonstrou que educação alimentar e nutricional é uma ação que pode prover: a saúde nutricional da população; possibilitar a reflexão sobre o comportamento alimentar, que atualmente é moldado pela indústria alimentar; valorizar as tradições alimentares; diminuir a preferência por alimentos ultraprocessados, calóricos, energéticos e prejudiciais à saúde.


Palavras-chave


Educação alimentar e nutricional; Cultura;Alimentos ultraprocessados; Psicologia; Educação

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, K. P. S; JAIME, P.C. A Política Nacional de alimentação e Nutrição e seu diálogo com a Política Nacional de Segurança alimentar e Nutricional. Ciênc. saúde coletiva. vol.19 n.11 Rio de Janeiro Nov. 2014

BELICK, W.; SILVA, J. G. da; TAKAGI, M. Políticas de combate à fome no Brasil. São Paulo Perspectiva, São Paulo, v. 15, n. 4, p. 119-129, Dec. 2001.

BIANCO, A. L.; CASSIANO, A. C. R. L. de. Superalimentados, mas subnutridos: um diagnóstico do sistema alimentar industrial. Ambiente e Sociedade, Campinas, v. 12, n. 1, p. 203-206, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Política Nacional de Alimentação e Nutrição. Brasília: Ministério da Saúde; 1999.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Coordenação-Geral da

Política de Alimentação e Nutrição. Alimentos regionais brasileiros. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Marco de Referência de Educação Alimentar e Nutricional para as Políticas Públicas. Brasília: Ministério da Saúde; 2003.

BRASIL. Ministério da Saúde. Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Análise dos Registros do Consumo Alimentar. Boletim SISVAN nº 10. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Alimentação e Nutrição. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

BOOG, M. C. F. Educação nutricional: passado, presente, futuro. Revista de Nutrição, Campinas, v.10, n.1, p. 5-19, 1997.

CASCUDO, C. História da Alimentação Brasileira. Belo Horizonte: Itatiaia,

CARREIRO, D.M. Entendo a importância do processo alimentar. São Paulo:Edição do Autor, 2007

COSTA, J. F. Quatro autores em busca do Brasil. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

DÓRIA, C. A. A cozinha subdesenvolvida. Trópico: ideias de Norte a Sul. Uol. São Paulo, 23 mar. 2002. Disponível em: http:// www.uol.com.br/tropico/. Acesso em: 05/03/2015.

FREYRE, G. Casagrande & Senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 49. ed. São Paulo: Global, 2004.

GARCIA, R. W. D. Reflexos da globalização na cultura alimentar: considerações sobre as mudanças na alimentação urbana. Revista de Nutrição, Campinas, v. 16, n. 4, p. 483-492, 2003.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE.Pesquisa Industrial Anual 2014.

POLLAN, M. Cozinhar: uma história natural da transformação. Rio de Janeiro: Intríseca, 2014.

POULAIN JP. Sociologias da alimentação: os comedores e o espaço social alimentar. Florianópolis: UFSC, 2013.

RODRIGUES, V. M.; FIATES, G. M. R. Hábitos alimentares e comportamento de consumo infantil: influência da renda familiar e do hábito de assistir à televisão, Revista de nutrição. Campinas, v. 25, n. 3, p. 353-362, 2012.

SILVA, A. C. B. et al. Educação alimentar e nutricional, cultura e subjetividades: a escola contribuindo para a formação de sujeitos críticos e criativos em torno da cultura alimentar. DEMETRA: Alimentação, Nutrição & Saúde, v. 10, n. 2, p. 247-257, 2015.

VALENTE, F. L. Direito Humano à Alimentação: desafios e conquistas. São Paulo: Editora Cortez; 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.23899/relacult.v4i3.677

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 ANTONIO CARLOS BARBOSA SILVA

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

RELACult - Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade

e-ISSN: 2525-7870

Facebook - Twitter - Instagram

Endereço eletrônico: relacult@claec.org


Qualis CAPES: B2 - Ensino; B4 - Interdisciplinar; B5 - Ciência Política e Relações Internacionais; B5 - Comunicação e Informação; B5 - Letras/Linguística; B5 - Ciências Agrárias I; C - Ciências Biológicas II; C - Direito; C - História e C - Sociologia.

 

Responsável Editorial:

Editora CLAEC - Centro Latino-Americano de Estudos em Cultura

www.claec.org/editora

Endereço eletrônico: editora@claec.org