A Ecossocioeconomia e o Bem Viver na perspectiva do Urbano

LILIANE CRISTINE SCHLEMER ALCANTARA, ISABEL JUREMA GRIMM

Resumo


Contemporaneamente, a mobilidade representa um dos principais desafios que as cidades enfrentam na tentativa de alcançar o desenvolvimento sustentável, integrando alternativas para aperfeiçoar o deslocamento de pessoas, mercadorias e promover o bem viver urbano. Assim, o objetivo deste artigo é dialogar sobre o tema da ecossocioeconomia a partir da relação dialética do bem viver. Trata-se de um ensaio bibliográfico-exploratório que sistematiza um conjunto de esforços compreendidos entre revisão da literatura dos temas em questão e pesquisa de campo para apresentar uma análise comparativa que trata da mobilidade urbana, com foco no uso da bicicleta em três casos reconhecidos: as cidades de Amsterdã, Copenhague e Rio de Janeiro. Como resultados tem-se os indicadores ecossocioeconômicos utilizados para mensurar a motivação para o uso da bicicleta; ações, investimentos e infraestrutura cicloviária existentes; políticas públicas de incentivo e de educação para o uso da bicicleta; índice de sustentabilidade do modal e projetos futuros.


Palavras-chave


Cidades; Desenvolvimento Sustentável; Mobilidade Urbana

Texto completo:

PDF

Referências


ACOSTA, A. El Buen Vivir en el camino del post-desarrollo. Una lectura desde la Constitución de Montecristi. Policy Paper 9. Fundación Friedrich Ebert, FES-ILDIS. Ecuador: octubre, 2010.

ACOSTA, A. Otra economia para outra civilização. 2013: Temas 75: 21-27.

BINATTI, G. Mobilidade de Cultura de Bicicleta no Rio de Janeiro. Transporte Ativo: Rio de Janeiro, 2016.

BRASIL. Lei N. 12.587 de 03 de janeiro de 2012. PNMU - Política Nacional de Mobilidade Urbana. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12587.htm. Acesso em 31 de maio de 2017.

COLEMAN, J. S. Foundations of social theory. Cambridge: Harvard University Press, 1990.

COSTA, M. S. Um Índice de Mobilidade Urbana Sustentável. Tese de Doutorado. Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo. São Carlos, 2008.

DANISH ROAD DIRECTORATE. Collection of Cycle Concepts. Danish Road Directorate, 2000. Disponível em: http://www.cities-for-cyclists.org/dokumenter/cyccon.pdf. Acesso em: 02 de abril de 2015.

EQUADOR. Constitución Política de La República del Ecuador. 2008. Disponível em: . Acesso em: 29 de maio de 2017.

FALU, A.; MARENGO, C. Las políticas urbanas: desafíos y contradicciones. CLASCO. El rostro urbano de América Latina. Buenos Aires, 2004.

GTZ Sustainable Urban Transport Project - GIZ SUTP. GTZ, Eschborn-Alemanha, 2011. Disponível em: www.sutp.org. Acesso em 23 de março e 2015.

GRIMM, I. J.; SAMPAIO. C. A. C.; SEGOVIA, Y. M. Mobilidade Urbana Sustentável e o Turismo: Análise Comparativa Brasil, Holanda e Dinamarca. Anais do XIII Encontro da Associação Nacional de Pesquisa em Pós Graduação em Turismo – ANPTUR. 2015. Disponível em: http://www.anptur.org.br/anptur/anais/v.11/DPS3_pdf/177.pdf. Acesso em 03 de maio de 2017.

GONZALO-ORDENA, H.; LINARESA, A.; VELASCOA, L.; DÍEZA, J.M.; ROJOA, M. Bikeways and cycling urban mobility. Procedia - Social and Behavioral Sciences. 2014, p. 567 – 576.

GRIMM, I. J. FREDER, S. M.; SAMPAIO, C. A.C.; PROCOPIUCK, M. Arranjos socioprodutivos de base territorial: uma análise das feiras livres comunitárias na cidade de Curitiba (PR). Anais do VI Encontro de Turismo de Base Comunitária e Economia Solidária. Bahia, 2016.

GUDYNAS, E. Buen vivir: Germinando alternativas al desarrollo. América latina em movimiento, ALAI, N. 462: 1-20, febrero 2011, Quito.

GUDYNAS, E. Más allá del nuevo extractivismo: transiciones sostenibles y alternativas al desarrollo. En: El desarrollo en cuestión. Reflexiones desde América Latina. Fernanda Wanderley, coordinadora. Oxfam y CIDES UMSA, La Paz, Bolivia, 2011, p.379-410.

GUTH, D. Migração modal: por que estamos perdendo ciclistas diariamente. In: Mobilidade por bicicleta no Brasil. Org. ANDRADE, V.; RODRIGUES, J.; MARINO, F.; LOBO, Z. Rio de Janeiro: PROURB/UFRJ, 2016, p. 239 -265.

HOLANDA. Fundação Embaçada Holandesa do ciclismo. 2014. Disponível em: http://www.nlgovlim.com/semanaholandesa/?p=bike. Acesso em: 17 de agosto. 2014.

IBÁÑEZ, M. R. Resignificando la ciudad colonial y extractivista. En: Miriam Lang, Claudia López y Alejandra Santillana. Alternativas al capitalismo. Colonialismo del siglo XXI. Grupo Permanente de Trabajo sobre Alternativas al Desarrollo. Ediciones Abya Yala. Quito, Ecuador: 2013.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades 2016. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=330455. Acesso em 01 de junho de 2017.

KAPP, K. W. Social costs of private enterprise. Cambridge, Massachusetts. Harvard. University Press: 1950.

MACAS, L. Sumak Kawsay. La vida en plenitud. América Latina en Mo¬vimiento, Nº 452, 2010, p. 14-16.

MACÁRIO. M, R, M, R. Quality Manangement in Urban Mobility Systems: an Integrated Approach. Tese de Doutorado – Instituto Superior Técnico, Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa, 2005.

MINISTERIO DAS CIDADES. POLITICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA, SE-MOB - Secretaria Nacional de Transportes e da Mobilidade Urbana. Disponível em: http://www.emdec.com.br/eficiente/repositorio/6489.pdf. Acesso em: 10 de maio de 2014.

MOTHER NATURE NET WORK. Amsterdam mulls underwater bike garage as available parking for cyclists dwindles. Disponível em: http://www.mnn.com/green-tech/transportation/blogs/amsterdam-mulls-underwater-bike-garage-as-available-parking-for#ixzz3a93CHlno. Acesso em 07 de março de 2015.

ORNÉS, S. La Gestión Urbana Sostenible: Algunos componentes necesarios de entender. Universidad Simón Bolívar. División de ciencias sociales y humanidades, departamento de planificación urbana, 2012.

PEREIRA, M.G. B. G. dos S. Mobilidade por bicicleta em Salvador/Bahia: liberdade e liberação. In: Mobilidade por bicicleta no Brasil. Org. ANDRADE, V.; RODRIGUES, J.; MARINO, F.; LOBO, Z. Rio de Janeiro: PROURB/UFRJ, 2016, p.211-237.

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO de JANEIRO. Caderno de Encargos para execução de projetos cicloviários. Rio de Janeiro, junho de 2014. Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/91265/4124033/CADERNO.DE.ENCARGOS.FINAL.062014.pdf. Acesso em: 01 de junho de 2017.

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. O Rio do amanhã - Visão Rio 500 e Planejamento Estratégico 2017 – 2020. Disponível em: file:///Users/liliane/Downloads/book-planejamento-estrategico.pdf. Acesso em 01 de junho de 2017.

POLANY, M. The tacit dimension. Gloucester (Mass.): Peter Smith, 1983.

QUIJANO, A. Colonialidad del poder, cultura y conocimiento en América Latina. Anuario Mariateguiano. ix/9: 113-121, 1997.

RODRIGUES; ANDRADE; MARINO, 2016. Mobilidade por bicicleta no Rio de Janeiro: quem são os ciclistas, porque e como pedalam. In: Mobilidade por bicicleta no Brasil. Org. ANDRADE, V.; RODRIGUES, J.; MARINO, F.; LOBO, Z. Rio de Janeiro: PROURB/UFRJ, 2016, p. 169-189.

SAMPAIO, C. A. C. (org.). Gestão que privilegia uma outra economia: ecossocioeconomia. Blumenau, SC: Edifurb, 2010.

SAMPAIO, C. A. C. Cities and solution: urban ecosocioeconomics. Pullman, Washington: Washington State University, Fulbright Foundation, 2015. Report.

SAMPAIO, C. A. C.; PARKS, C.; GRIMM, I.; ALCANTÂRA, L.; FERNANDES, V. Ecossocioeconomia: análise de experiências ao Oeste dos Estados Unidos da América. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional. Prelo. 2017.

THE GUARDIAN. Quais são as cidades mais seguras para os ciclistas no mundo? Disponível em: http://www.theguardian.com/lifeandstyle/2013/nov/20/how-safe-are-worlds-cities-for-cyclists. Acesso em 20 de abril de 2015.

THE SECRETARIAT CYCLING EMBASSY OF DENMARK. About the Cycling Embassy. Disponível em: http://www.cycling-embassy.dk/about_cycling_embassy_of_denmark/about-the-cycling-embassy/. Acesso em: 16 de março de 2015.

WORLDWATCH Institute. In Amsterdam, the Bicycle Still Rules, 2015. Disponível em: http://www.worldwatch.org/node/6022. Acesso em 13 de abril de 2015.

WALSH. C. Interculturalidad, estado, sociedad: luchas (de)coloniales de nuestra época. Primera edición: Universidad Andina Simón Bolívar / Ediciones Abya-Yala, Quito, marzo 2009. 253p.




DOI: http://dx.doi.org/10.23899/relacult.v3i2.450

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 LILIANE CRISTINE SCHLEMER ALCANTARA, ISABEL JUREMA GRIMM

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Qualis CAPES (2013-2016):

B2 - Ensino; B4 - Interdisciplinar; B5 - Ciência Política e Relações Internacionais; B5 - Comunicação e Informação; B5 - Letras/Linguística; B5 - Ciências Agrárias I; C - Ciências Biológicas II; C - Direito; C - História e C - Sociologia.

 

e-ISSN 2016/Atual: 2525-7870 | e-ISSN 2015/2016: 2447-018X

Realização:

Editora CLAEC - Centro Latino-Americano de Estudos em Cultura

Endereço Eletrônico: relacult@claec.org


Contador disponível desde 05/2016.

universidades e ensino superior
contador de visitas