Educação de Jovens, Adultos e Idosos e Educação Para as Relações Étnico-Raciais e Movimentos Sociais

Simone Silva Alves, Everton Fêrrêr de Oliveira, Juliana Silva dos Santos

Resumo


Na fronteira, a interculturalidade é a base das relações do estar com o outro, de estar em outro país, de estar em contato com o diferente. Então, no âmbito dos estudos humanísticos multidisciplinares, este grupo de trabalho (GT), tem como objetivo discutir a interculturalidade na Educação de Jovens, Adultos e Idosos (EJA) e na Educação para as Relações Étnico-raciais e nos Movimentos Sociais. Tendo como base metodológica resultados de pesquisas dos/as coordenadores/as e das pesquisas apresentadas no III Encontro Humanístico Multidisciplinar realizado nos dias dez, onze e doze de novembro de 2016, na Universidade Federal do Pampa no Câmpus Jaguarão/RS, o GT traz uma reflexão sobre a relevância pedagógica da Universidade e  da comunidade escolar fronteiriça na promoção da cidadania de indígenas, quilombolas, afrodescendentes, jovens, adultos, idosos e latino-americanos na diversidade. O GT fundamenta-se no ponto de vista da sociabilidade, quando múltiplas cidadanias revelam que o reconhecimento do “outro” é a melhor maneira de extinguir preconceitos e discriminações, principalmente após a promulgação das leis brasileiras 10.639/03 e 11.645/08, que incluem as culturas e histórias afro-indígenas no ensino nacional. Destaca-se que a escola e os espaços de Educação Formal e Não-Formal são ambientes potencialmente capazes de reduzir as disparidades entre os seres humanos. Por fim visa-se também, por meio desse grupo de trabalho, fomentar a interdisciplinaridade e propiciar a troca de conhecimentos e saberes com diferentes pesquisadores/as.

 


Palavras-chave


Educação de Jovens e Adultos; Movimentos Sociais; Relações Étnico-Raciais.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, S. S. Saberes das Mulheres Veteranas na Economia Solidária: Sororidade a Outra Educação!. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, URGS, 173f. Porto Alegre, 2014.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BONIN Iara. Educação escolar indígena e docência. Porto Alegre, Mediação, 2008.

BRASIL, Fundo de Desenvolvimento do Educação Básica – FUNDEB, emenda constitucional 53/2006 e lei 11.494/2007. Fundo Nacional para o Desenvolvimento da Educação. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/fnde/legislacao/resolucoes (acesso em 12 de dezembro de 2016).

BRASIL, Resolução 48 do Fundo Nacional para o Desenvolvimento da Educação. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/fnde/legislacao/resolucoes/item/3849-resolu%C3%A7%C3%A3o-cd-fnde-n%C2%BA-48,-de-2-de-outubro-de-2012 (acesso em 12 de dezembro de 2016).

BRASIL, Lei n.º 9394/96. Brasília, 1996.

BRASIL, Lei n.º 10.639/03. Brasília, 2003.

BRASIL, Lei n.º 11.645/08. Brasília, 2008.

CANDAU, Vera Maria. Multiculturalismo e educação: desafios para a prática pedagógica. In: CANDAU, Vera Maria; MOREIRA, Antônio Flávio (Org.). Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. Petrópolis – RJ, Vozes, 2011, p. 13 – 37.

CAVALHEIRO, Eliane. Racismo e anti-racismo na educação: repensando nossa escola. São Paulo, Selo Negro, 2001.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 1982.

FREIRE, P. Que fazer: a teoria e prática em educação popular. Petrópolis/RJ, 1993.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários a prática educativa. São

Paulo, Paz e Terra, 2011a.

FREIRE, Paulo. Educação como prática de liberdade. São Paulo, Paz e Terra, 2011b.

GADOTTI, M. Economia solidária como práxis pedagógica. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2009.

GOMES, Nilma Lino; OLIVEIRA, Fernanda Silva de; SOUZA, Kelly Cristina Cândida de. Diversidade étnico-racial e trajetórias docente: um estudo etnográfico em escolas públicas. In: ABRAMOWICZ, Anete. GOMES, Nilma Lino. Educação e raça: perspectivas políticas, pedagógicas e estéticas. Belo Horizonte, Autêntica, 2010, p. 57 a 73.

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo, Editora 34, 2003.

IMBERNÓN. Francisco – Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 9. ed, São Paulo, Cortes, 2011.

KUENZER, Acacia Zeneida; GARCIA, Walter; CALAZANS, Julieta. Planejamento e Educação no Brasil. São Paulo, Cortez, 2013.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil. Belo Horizonte, 2008.

SACRISTÁN, José Gimeno. A construção do discurso sobre a diversidade e suas praticas. Porto Alegre, Artmed, 2002.

SACRISTÁN, José Gimeno. Políticas de la diversidad para una educación igualadora. In: SIPÁN, Antonio Sipán (Org.). Educar para la diversidade en el siglo XXI. Zanagoza - Espanha, Mira, 2001, p. 123-142.

SANTOS, Boaventura Souza. Para ampliar o cânone do reconhecimento, da diferença e da igualdade. RJ, 2003.

SAVIANI D. Educação em Diálogo. Campinas, São Paulo: Autores Asociados, 2011.

SILVA, Petronilha B. Gonçalves. Estudos Afro-Brasileiros: Africanidades e Cidadania. In: ABRAMOWICZ, Anete. GOMES, Nilma Lino. Educação e raça: perspectivas políticas, pedagógicas e estéticas. Belo Horizonte, Autêntica, 2010, p. 37 a 54.

SOARES, Josemar Sidinei. Consciência-de-si e reconhecimento na Fenomenologia do Espírito e suas implicações na filosofia do direito. 2009. 312 f. Tese (Doutorado em Filosofia). Porto Alegre, UFRGS, 2009.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Bases teórico-metodológicas da pesquisa qualitativa em ciências sociais. Porto Alegre: Editora da Ritter dos Reis, 2001.

ZARETO, L. Economia de Solidariedade e Organização Popular. In: GADOTTI, Moacir& GUTIÉRREZ, Francisco. Educação Comunitária e Economia Popular. São Paulo: Cortez, 1993.




DOI: http://dx.doi.org/10.23899/relacult.v2i4.373

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Simone Silva Alves

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

RELACult - Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade

e-ISSN: 2525-7870

Facebook - Twitter - Instagram

Endereço eletrônico: relacult@claec.org


Qualis CAPES: B2 - Ensino; B4 - Interdisciplinar; B5 - Ciência Política e Relações Internacionais; B5 - Comunicação e Informação; B5 - Letras/Linguística; B5 - Ciências Agrárias I; C - Ciências Biológicas II; C - Direito; C - História e C - Sociologia.

 

Responsável Editorial:

Editora CLAEC - Centro Latino-Americano de Estudos em Cultura

www.claec.org/editora

Endereço eletrônico: editora@claec.org