(In)segurança das mulheres no conflito da ex-Iugoslávia: uma análise pela perspectiva da Psicologia Política e da Segurança Humana Feminista

Núbia Sanches Martins

Resumo


O presente artigo busca fazer uma reflexão sobre as situações de insegurança das mulheres em contexto de conflito armado, o caso analisado será o da guerra civil na ex-Iugoslávia que durou de 1992 a 1995. As situações levantadas estão relacionadas à prática do estupro como estratégia de limpeza étnica e também às inseguranças econômicas durante e após a guerra. A hipótese levantada é de que as situações de insegurança as quais as mulheres experimentam em períodos de conflitos armados não são simples produto da guerra, mas são reflexo da estrutura social, que mesmo na ausência de conflitos, permite, tolera e incentiva as violências praticadas contra as mulheres. Portanto, conceitos como violência estrutural, violência institucionalizada e a violência simbólica serão pano de fundo dessa reflexão. Ademais, será utilizada a categoria analítica de gênero além da perspectiva da segurança humana feminista e da psicologia política.

Palavras-chave


Guerra; Insegurança das mulheres; Segurança Humana Feminista; Violação de Direitos Humanos das mulheres; Psicologia Política.

Texto completo:

PDF

Referências


BROWNMILLER, Susan. Against our will: men, women and rape. New York: Open Road Integrated Media, 2. ed., 2013.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2. ed., 2003.

COPELON, Rhonda. Surfacing Gender: Reengraving the Crimes against Women in

Humanitarian Law. In: Dombrowski, N. (org.). Women and War in the Twentieth Century. Nova York e Londres: Garland Publishing, 1999.

Demény, Gyöngyvér. Factors of Socio-economic Uncertainty in the Bosnian War. Brighton: MICROCON, 2011.

DINIZ, Débora. A marca do dono. Estadão, nove de novembro de 2013. Disponível em . Acesso em: 10 outubro 2016.

FOUCAULT, Michel. A microfísica do poder. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 28. ed.,

FRANCO, Paki Venegas; CERVERA, Julia Peres. Manual para o uso não sexista da linguagem. UNIFEM (ONU), 2006. Disponível em . Acesso em: 10 outubro 2016.

González-Suárez, Mirta. Psicología Política y Feminismo. Psicologia Política, v. 13, n. 28, p. 507-523, 2013.

HAYDEN, Robert M.Rape and Rape Avoidance in Ethno-National Conflicts: Sexual Violence in Liminalized States. American Anthropologist. New Series, v. 102, n. 1, p. 27-41, março 2000.

KESIĆ, Vesna. Muslim women, Croatian women Serbian women, Albanian women. In: BJELIĆ, Dušan I.; SAVIĆ, Obrad. (org.) Balkan as metaphor: between globalization and fragmentation. Cambridge, Mass: MIT Press, 2002, p.311-321.

Martín-Baró, Ignácio. El método en psicologia política. 1991. Fernando Lacerda (trad.). O Método em Psicologia Política. Psicologia Política, v. 13, n. 28, p. 575-592, 2013.

____________. Hacia uma psicología política latino-americana. [1988]1990. Fernando Lacerda (trad.). Psicologia Política Latino-Americana. Psicologia Política, v. 13, n. 28, p. 555-573, 2013.

_____________. Processos Psíquicos e Poder [1987]1994. Fernando Lacerda Jr., trad.). Psicologia Política, v. 14, n. 30, p. 591-608, 2014.

MONTE, Izadora Xavier do. O debate e os debates: abordagens feministas para as relações internacionais. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 21, n.1, p. 59- 80, maio de 2013.

MONTERO, Maritza. ¿Para qué Psicología Política? Psicologia Política, v. 9, n. 18, p.199-213, 2009.

PERES, Andréa Carolina Schvartz. Campos de estupro: as mulheres e a guerra na Bósnia. Cadernos Pagu, n. 37, p. 117-162, 2011.

PERIĆ, Lana. Female (In)Security: Challenging Notions of Security, the State, and Man’s Warfare trough the Western Balkans. Ottawa, 2015. Monografia de Bacharelado – Departamento de Ciência Política – Relações Internacionais.

SAFFIOTI, Heleieth Iara. Gênero, Patriarcado e Violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

__________. No fio da navalha: violência contra as crianças e adolescentes no Brasil. In: MADEIRA, F. (org.). Quem mandou nascer mulher? Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1997, p. 135-211.

SMIGAY, Karin. E. von. Violação de corpos: O estupro como estratégia em tempos de guerra. Uma questão para a psicologia social? Psicologia & Sociedade. São Paulo, v. 11, n. 1, p. 104-120, 1999.

Tickner, J. Ann. Gender and International Relations: Feminist Perspectives on Achieving Global Security. New York: Columbia University Press, 1992.

VITO, Daniela de; GILL, Aisha; SHORT, Damien. A tipificação do estupro como genocídio. São Paulo: Revista Internacional de Direitos Humanos, ano 6, n. 10, p. 29-51, junho de 2009.

VILHENA, Junia de. ZAMORA, Maria Helena. Além do ato: os transbordamentos do estupro. Rio de Janeiro: Revista do Rio Janeiro, n. 12, p.115-130, 2004.

Governo da República da Sérvia. Poverty Reduction Strategy Paper for Serbia: Executive Summary and Activity Matrices. Government of the Republic of Serbia. Belgrado, 2003. Disponível em , Acesso em: 08 outubro 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.23899/relacult.v2i4.329

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Núbia Sanches Martins

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

RELACult - Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade

e-ISSN: 2525-7870

Facebook - Twitter - Instagram

Endereço eletrônico: [email protected]


Qualis CAPES: B2 - Ensino; B4 - Interdisciplinar; B5 - Ciência Política e Relações Internacionais; B5 - Comunicação e Informação; B5 - Letras/Linguística; B5 - Ciências Agrárias I; C - Ciências Biológicas II; C - Direito; C - História e C - Sociologia.

 

Responsável Editorial:

Editora CLAEC - Centro Latino-Americano de Estudos em Cultura

www.claec.org/editora

Endereço eletrônico: [email protected]