A mulher na literatura: seus enquadramentos e a precariedade da emancipação

Bruna Cordeiros Lira

Resumo


A figura histórica feminino presente na literatura do século XVI, por exemplo, expõe um cenário literário sem representatividade feminina em suas obras. A composição da narrativa sobre a mulher estava a cargo de escritores homens, que insuficientemente versavam acerca das mulheres, mas que revelavam a exclusão e repressão feminina nos meios acadêmicos e sociais. Desta forma Virginia Woolf em “Um teto todo seu” traça panoramas históricos e sociais sobre a restrição do sexo feminino a literatura, tanto no acesso a leituras e a aprendizagem, fontes intelectuais que as embase e a liberdade cerceada socialmente de produzir no meio literário e acadêmico. Envolta em uma sociedade excludente, há fomento a uma construção social que desprivilegia a mulher como agente das escritas literárias, inviabilizando a sua emancipação intelectual ao longo da história. Calcado nestes elementos, a teoria do capital humano de Michel Foucault estabelece dialogo sobre as condições de subjugação patriarcal das mulheres, juntamente com o investimento em capital humano não ofertado a elas da mesma forma que aos homens na sociedade. Juntamente com a autora Judith Butler em “Vida precária, vida passível de luto”, há o questionamento teórico sobre o livro de Woolf acerca do enquadramento produzido por uma literatura sexista e excludente, que de forma rasa ou insuficiente via a mulher como um agente social, inferiorizando a sua existência.


Palavras-chave


mulheres; literatura; Virginia Woolf; Judith Butler; Michel Foucault

Texto completo:

PDF

Referências


WOLF, Virginia. “ Um teto todo seu”. Tordesilhas (2014).

BUTLER, Judith. “Vida precária, vida passível de luto”. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? (2004).

______________. Vida precária. Contemporânea – Revista de Sociologia da UFSCar. São

Carlos, Departamento e Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFSCar,

, n.1, p. 13-33.

CARR, Edward H.: What is History?. New York, Knopf. 1983, p. 10.

DUARTE, Constância Lima. Feminismo e literatura no Brasil. Estudos avançados, v. 17, n. 49, p. 151-172, 2003.

FOUCAULT, Michel. “Aula de 14 de março de 1979”; “Aula de 21 de março de 1979”. In: O nascimento da biopolítica: curso dado no College de France (1978-1979). Disponível em: https://gambiarre.files.wordpress.com/2011/01/foucault-nascimento-da-biopolc3adtica1.pdf. Acesso em 10/set/2016.

SCOTT, Joan W.: "Women's History", IN Past and Present, 101. Pp. 141-157. Republicado em Gender and the Politics of History. New York, Columbia University Press. 1988, p. 30.

TILLY, Louise A. Gênero, história das mulheres e história social. Cadernos Pagu, n. 3, p. 28-62, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.23899/relacult.v2i4.267

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Bruna Cordeiros Lira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

RELACult - Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade

e-ISSN: 2525-7870

Facebook - Twitter - Instagram

Endereço eletrônico: relacult@claec.org


Qualis CAPES: B2 - Ensino; B4 - Interdisciplinar; B5 - Ciência Política e Relações Internacionais; B5 - Comunicação e Informação; B5 - Letras/Linguística; B5 - Ciências Agrárias I; C - Ciências Biológicas II; C - Direito; C - História e C - Sociologia.

 

Responsável Editorial:

Editora CLAEC - Centro Latino-Americano de Estudos em Cultura

www.claec.org/editora

Endereço eletrônico: editora@claec.org